Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Quinta, 13 Mai 2021

Acre registra aumento de 57% nos casos de sífilis em 2017

O Acre registrou aumento de 57% nos casos de Sífilis adquirida, contraída a partir de relações sexuais sem proteção, entre 2016 e 2017. Os registros passaram de 574 para 1007 de um ano para o outro. As informações são da Agência Brasil.

Em janeiro deste ano, quando os dados foram lançados no sistema, já havia 130 casos registrados de sífilis adquirida no estado.

Segundo dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação do Ministério da Saúde, divulgados em 2017, o Acre registrou 419 casos de sífilis em gestantes.

No mesmo período, a sífilis congênita (transmitida de mãe para filho) teve um aumento considerável em relação ao ano anterior, passando de 86 casos registrados em 2016 para 102 em 2017. Em 2018, já são 10 casos confirmados de sífilis congênita.

Para representantes da Divisão Estadual de DSTs/AIDS e Hepatites Virais da Sesacre, o aumento pode ser explicado por que as notificações passaram a ser obrigatórias nas unidades de saúde, e também houve reforço dos laboratórios particulares que começaram a informar os casos positivos de sífilis, gerando um crescimento maior de casos da doença.

A doença infectocontagiosa é causada pela bactéria treponema pallidum.

Lesões, nem sempre doloridas, são os primeiros sintomas da sífilis. Chamadas de cancros, elas geralmente aparecem nos órgãos genitais, mas podem ocorrer também na pele, na gengiva, na palma das mãos e na planta dos pés.

Mesmo sem tratamento, essas lesões costumam desaparecer em alguns dias, mas a doença continua ativa no organismo.

O tratamento é feito com penicilina e há cura quando realizado adequadamente.

Infecções sexualmente transmissíveis durante o carnaval

A combinação de álcool e folia pode resultar em problemas de saúde. Mas no carnaval as infecções sexualmente transmissíveis também se destacam. 
Dados da  Coordenação Estadual de IST/Aids e Hepatites Virais mostram que o Amazonas ocupa o terceiro lugar do País entre os Estados brasileiros com maior índice de HIV/Aids, com mais de 15 mil casos registrados até o ano passado.

Para tirar dúvidas sobre o assunto, Ana Maria Reis recebe no Audiência Pública Manaus desta segunda-feira (5) o infectologista na Fundação de Medicina Tropical, Antônio Magela; e o médico cardiologista Geraldo Braga.

Ouça a segunda parte:
Para participar do Audiência Pública Manaus, envie mensagens para o (92) 98115-8557 (whatsapp) ou para o e-mail [email protected], de segunda à sexta.

Preconceito é maior vilão na luta contra Infecções sexualmente transmissíveis

O mês de fevereiro é marcado pelo carnaval, a maior festa popular do Brasil e nesse período aumenta o número de acidentes de trânsito, os índices de violência e a exposição aos riscos de contrair uma série de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs).

Para falar sobre essas infecções, o Audiência Pública Porto Velho desta sexta-feira (2) recebe a médica infectologista Mariana Vasconcelos e a diretora do Serviço de Assistência Especializada (SAE) a pacientes diagnosticados com Hepatites e HIV, Albenita Dias.

Ouça a segunda parte:
O programa também recebeu o presidente da Fhemeron, Sid Orleans, que alertou sobre a necessidade de aumentar a quantidade de bolsas de sangue no estoque, por conta do carnaval. Confira:

Preservativos serão distribuídos no Amazonas durante carnaval

Durante o Carnaval algumas pessoas ficam mais soltas na hora de cair na folia. Mas o que os foliões não podem esquecer é de cuidar da saúde, principalmente com relação à contaminação pelas doenças sexualmente transmissíveis. Dados da  Coordenação Estadual de IST/Aids e Hepatites Virais mostram que o Amazonas ocupa o terceiro lugar do País entre os Estados brasileiros com maior índice de HIV/Aids, com mais de quinze mil casos registrados até o ano passado. Para proteger a população, mais de um milhão de preservativos serão distribuídos durante os festejos carnavalescos.

Sífilis é doença mais comum em presídios de Porto Velho, informa Fiocruz

Uma pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz Rondônia (Fiocruz-RO) apontou que a sífilis é a doença sexualmente transmissível de maior incidência nos presídios de Porto Velho (RO). Um estudo de 2016 com 846 detentos apontou que 8,6% deles estava com a doença. Segundo a fndação, o estudo é para a detecção de DST's como prevalência de hepatites virais B, C e delta, sífilis e HIV.

Novos casos de Aids caem 17% no Acre

Com 61 novos casos de Aids registrados em 2016, o Acre apresentou uma redução de 17,5% nas notificações da doença em relação a 2015. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) nesta quinta-feira (2). No ano anterior foram 74 registros.

A redução, segundo a coordenação de IST/Aids da Sesacre, é também fruto do trabalho de prevenção realizado pelo governo do Acre, principalmente entre o público adolescente.
Foto:Reprodução/Agência Acre
“Isso é reflexo de um trabalho que vem sendo feito a longo prazo no estado, em parceria com os municípios. Temos trabalhado com a realização de palestras em escolas, e esses jovens acabam se tornando multiplicadores, fazendo com que a informação alcance outras pessoas”, destaca Nelson Guedes, coordenador de IST/Aids da Sesacre.

Falando em jovens, essa é a maior preocupação atual do Ministério da Saúde. Em todo o país, nos últimos nove anos o número de casos de Aids dobrou na faixa etária de 15 a 19 anos. Entre os jovens com idade de 20 a 24 anos o aumento foi de 40%.

“Dados nacionais revelam que temos tido um aumento significativo nessa população mais jovem. Por isso é que estamos, todos os anos, reforçando o trabalho de prevenção com nossas atividades educativas chegando a todos os municípios”, afirma Guedes.



Outro número que demonstra que o Acre tem conseguido bons resultados na política de prevenção das IST/Aids é em relação aos casos da doença a cada 100 mil habitantes.Enquanto no resto do país a taxa é de 19,1, no Acre o número é de apenas 6,3. Os dados são do ano de 2015, já que para esse tipo de levantamento os números referentes ao ano passado só serão fechados no mês de julho de 2017.

Prevenção das DSTs em gatos e cachorros é tema do CarnavAU em Manaus

A Clínica Veterinária da Escola Superior Batista do Amazonas (CliniVet/Esbam) realiza a Campanha CarnavAU - Prevenção DST em PET com o objetivo de levar prevenção e combate à doenças em animais domésticos. A campanha acontece dia 17 de março com atendimento veterinário para cães e gatos, triagem, exame físico ginecológico, urológico, citologia aspirativa (exame para diagnóstico de TVT – Tumor Venéreo Transmissível), vacinação antirrábica e vermifugação. 
Foto: Reprodução/Shutterstock
O TVT é um tumor considerado uma neoplasia de células redondas da mucosa genitália externas de cães machos e fêmeas, com transmissão durante o coito (relação sexual) e contato direto por meio de toque de um animal para o outro.

A proposta da Campanha é alertar a causa do TVT a comunidade e seus tutores (donos), de qual formar proceder na prevenção da doença. Lembrando que os diagnósticos podem ser feitos por meio dos sinais clínicos e exames histopatológicos.

Para o coordenador de Medicina Veterinária, José Allan de Araújo, o TVT é um tumor transmitido de cão para cão, com ou sem contato sexual. O professor alerta também sobre o risco dos cães saírem para rua, pois o maiores casos de TVT estão em animais que vivem em lugares onde existam cães em maioria e sem cuidados essenciais, pois o rico do animal contrair a doença é maior devido ao contato que provavelmente haverá entre eles.

“Dependendo do contato com o animal que possui a doença, o tumor surge geralmente na região genitália, podendo também aparecer em outros lugares do seu corpo. A melhor forma de prevenir o animal, é evitando que o mesmo tenha contato com outros de rua. O TVT é uma doença tratável através de quimioterapia com uma dose a cada sete dias durante 4 quatro semanas", explicou Araújo.

Os serviços de atendimentos veterinários iniciarão a partir das 8h da manhã. A Clínica Veterinária/CliniVet está localizada no Conjunto Abílio Nery, Rua Lauro Sodré, no bairro Adrianópolis. Para mais informações: (92) 3305-1805.