Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Segunda, 10 Mai 2021

Como a produção de café cria alternativa ao desmatamento na Amazônia

Café cultivado em Rondônia é o do tipo robusta. Estado é o quinto maior produtor e concentra 4% da produção nacional

Nacer realiza café da manhã de Natal com formato drive-thru

Evento beneficente é oportunidade de saborear várias delícias e proporcionar um fim de ano melhor para crianças e adolescentes acolhidos pela instituição.

Barista ensina como fazer bolo de café robusta com chocolate

A receita é da Barista Alda Barroso. Segundo ela, o bolo é ótimo acompanhamento para um café recém-preparado. A proposta dessa receita é que a pessoa sinta o sabor intenso do café 100% robusta

Inscrições para a quarta edição do Concafé de Rondônia seguem abertas até agosto

Este ano será realizada a 4ª edição do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café (Concafé). Cafeicultores de todo o estado de Rondônia podem participar. O concurso oferece R$ 40 mil em prêmios aos vencedores. As inscrições devem ser feitas até o dia 9 de agosto nos escritórios da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater).

Cafés e restaurantes oferecem cardápio para o Dia das Mães em Boa Vista; veja opções

O Dia das Mães já está batendo na porta, será neste domingo (12). Para quem ainda não preparou uma surpresa ou deseja complementar o presente com um café, almoço ou jantar, o G1 Roraima preparou um breve roteiro de locais em Boa Vista que funcionarão neste dia.

Preparem o café: é tempo de pupunha!

Se a Mandioca é a Rainha da Mesa Brasileira, como disse Câmara Cascudo em sua obra clássica “A história da alimentação no Brasil”, a pupunha (Bactris gasipaes) é, com justiça, sua Princesa Consorte.

Concurso que elege o melhor café de Rondônia está com inscrições abertas em Cacoal

A 4ª edição do Concurso de Qualidade e Sustentabilidade do Café (Concafé) já está com as inscrições abertas. O produtor interessado deve fazer a inscrição em qualquer um dos escritórios da Entidade Autárquica de Assistência Técnica e Extensão Rural de Rondônia (Emater) gratuitamente.



De acordo com informações do G1 Rondônia, as inscrições seguem abertas até o dia 9 de agosto. O evento vai ocorrer no Cacoal Selva Park, em Cacoal (RO), município a 480 quilômetros de Porto Velho, em outubro deste ano.






De acordo com o coordenador do concurso, Janderson Dalazen, para participar o produtor precisa ter o café colhido na safra de 2019 e um lote mínimo de cinco quilos do café. Dessas sacas, ele retira uma amostra de três quilos e encaminha para a comissão organizadora, que envolve a Emater de todos os municípios de Rondônia.


Também é importante que o produtor colha o café quando já estiver bem maduro, com mais de 80% dos grãos em ponto cereja e que tenha alguns cuidados básicos.


"Lavar os grãos é interessante, já que é possível remover parte dos defeituosos, os que boiam, os grãos verdes, pois eles são considerados os defeitos da amostra. Depois o café vai para o processo de secagem, onde o ideal é ser feito em uma estufa ou em uma lona, e depois é trabalhar o armazenamento adequado para que a amostra não tenha impurezas ou contaminação", detalhou Dalazen.


Premiação


Nesta edição, o Concafé está como o maior concurso de qualidade do café robusto do Brasil. São cerca de R$40 mil em prêmios para os produtores, que envolve a categoria qualidade e sustentabilidade, além da comercialização dos cafés que serão premiados.


"Já temos parceiros dispostos a pagarem muito mais pelos cafés premiados", afirmou Janderson Dalazen.


O coordenador do concurso acredita que esse concurso incentiva os produtores a investirem mais em qualidade e sustentabilidade na produção do café.


"O produtor tem aos longos dos anos buscado novas técnicas para colher o café mais maduro, secar de forma mais lenta para aumentar essa qualidade, pois ele precisava de alguém que pagasse a mais pelo café dele e nós estamos conseguindo, atraindo compradores através da qualidade do nosso produto. O café de Rondônia é um produto diferenciado que tem agradado os compradores nacionais e até internacionais", complementou.

Programa reúne pesquisa e setor produtivo no melhoramento de café na Amazônia

Uma iniciativa pioneira da Embrapa em Rondônia pode contribuir para reduzir o tempo e os custos inerentes aos programas de melhoramento genético do café. A ação utiliza o conhecimento e a experiência dos produtores da região para selecionar as variedades genéticas mais adaptadas e produtivas. O Programa de Melhoramento Participativo do Café reúne pesquisa e setor produtivo e, de acordo com os cientistas envolvidos, tem potencial para alavancar a cafeicultura em toda a região Amazônica.

Como vai funcionar

Durante quatro safras de produção, serão avaliados cerca de 60 clones de café canéfora (conilon e robusta). A avaliação do desempenho agronômico será feita por pesquisadores e produtores e se dará nas principais regiões produtoras do estado em cinco ensaios. Serão analisadas diversas características como: produtividade, qualidade de bebida, compatibilidade, resistência a pragas e doenças, tolerância à seca, entre outras.

Foto: Renata Silva/Embrapa Rondônia
Os pesquisadores, em parceria com os produtores, vão avaliar as características de cada material e de seu desempenho no campo. Ao fim, serão indicados os clones mais interessantes para que sejam registrados e que poderão ser cultivados em todo o bioma Amazônico.

Com todos os dados coletados e processados, cada clone avaliado terá uma ficha técnica com as informações agronômicas e qualitativas, que será disponibilizada para o detentor do material genético, que é o produtor ou viveirista. Essa ficha conterá todas as informações necessárias para o registro do material genético no Registro Nacional de Cultivares (RNC), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Atualmente, existem apenas as cultivares de café da Embrapa registradas para cultivo na região Amazônica. Com esse trabalho, os pesquisadores esperam ampliar a base genética do café canéfora. O registro de novos materiais no RNC permite mais acesso aos sistemas oficiais de crédito e seguro rural, que são restritos a cultivares registradas, e amplia as opções para produtores das diversas regiões da Amazônia. Além disso, o programa pretende intensificar a adoção de tecnologias e melhorar a atuação da Empresa ao lado dos produtores.

“Nesse modelo, a propriedade rural não é vista apenas como um local de validação de tecnologia, mas como um manancial de riqueza genética à disposição da ciência e da cadeia produtiva do café”, comenta o pesquisador da Embrapa Rondônia Alexsandro Teixeira.

“Esse tipo de melhoramento pode ser considerado audacioso, pois o papel do produtor transcende o de usuário da solução tecnológica para o de agente ativo no processo de melhoramento genético. O conhecimento, resultante de anos de seleção de materiais com alto potencial produtivo e características de adaptabilidade às condições de manejo e produção da região, é o que alicerça o programa participativo”, explica o cientista.

Diversidade genética

Atualmente, Rondônia tem mais da metade do seu café propagado via sementes (seminal) e com grande variabilidade genética. Teixeira afirma que essa é uma riqueza que não pode se perder com o aumento do uso de clones. Apesar de ser considerado um avanço no campo, o clone leva ao estreitamento genético, em virtude da preferência dos cafeicultores por alguns clones de características específicas. “Isso prejudicaria enormemente a seleção de materiais baseada em demandas futuras, quer sejam elas sanitárias ou mercadológicas”, ressalta o pesquisador.

A cafeicultura em Rondônia

O estado é o quinto maior produtor de café do País e está entre os três maiores da espécie canéfora. Nos últimos anos, a cafeicultura de Rondônia tem passado por um processo de restruturação, com a modernização do sistema de produção para aumento da produtividade e melhoria da qualidade, assim como a manutenção da sustentabilidade do ecossistema Amazônico. Durante esse processo, os cafeicultores da região selecionaram plantas promissoras em suas lavouras, das quais foram produzidas mudas clonais que foram utilizadas para a formação de novas lavouras em todo o estado e região.
 

1.ª Festa do Café movimenta agronegócios e economia de Cacoal-RO

Depois de conquistar o segundo lugar em um concurso nacional de qualidade do grão, no ano passado, a cidade de Cacoal, em Rondônia, recebeu nos dias 28 e 29 de julho a 1.ª Festa do Café.

Promovido pela Prefeitura do município, distante 480 quilômetros de Porto Velho, o evento tem o objetivo de impulsionar o setor cafeeiro na região e contou com exposições de produtos e de mudas, degustação de pratos feitos com café e  desfiles.

Confira algumas fotos do evento:
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica
Foto:Cledson Paiva/Rede Amazônica 

Em Manaus, cafeteria aposta em máquina que imprime fotos no café

Produzido a partir dos grãos torrados do fruto do cafeeiro, o café, é uma das bebidas mais queridas pelo amazônida. Quem não gosta daquele cafezinho com tapioca e tucumã? Em Manaus, uma cafeteria resolveu levar essa experiência além, o cliente pode literalmente 'se beber' dentro de um cappuccino cremoso, mas calma, a equipe do local imprime uma foto dentro do café. A ideia agradou ao público que aproveita a oportunidade para tirar aquela famosa selfie com a xícara.
Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

De acordo com o empresário, Maurício De Santis, a ideia de trazer uma impressora de café, surgiu quando ele assistiu a um vídeo na internet. De Santis aproveitou algumas pessoas que havia na China para entrar em contato com os responsáveis pela máquina. “Eu soube desse equipamento e fiquei interessado em trazer para a minha cafeteria, adoro essas inovações. Consegui comprar, mas a minha máquina ficou quase oito meses presa na Alfândega”, explicou.

A estreia da impressora aconteceu nesta quinta-feira, (24), data que marca o Dia Mundial do Café. De Santis, explicou ao Portal Amazônia como funciona o atendimento em relação ao café com foto. Primeiro, o cliente chega e tem a opção de tirar a foto na hora ou escolher alguma imagem de seu álbum. Tudo é feito através de um aplicativo de mensagem. Em seguida, um funcionário treinado manuseia a impressora que utiliza tinta a base de arroz e óleo de coco, que não altera o sabor do café, para fazer os desenhos.
As fotos saem coloridas da impressora. Foto: Divulgação

Segundo De Santis, o equipamento precisa ser calibrado e feito em uma superfície que comporte a tinta, por esse motivo, ele decidiu usar o cappuccino. A máquina já está programada para imprimir no diâmetro da abertura de uma xícara usada para cappuccino, algo que facilita o trabalho dos funcionários. “Com o cappuccino, o café com leite fica mais denso, então é uma forma do desenho firmar. A impressão fica muito melhor”, destacou. 

Quer saber como a máquina funciona?! Assista ao vídeo:

Quando soube da novidade, a funcionária pública, Ana Lúcia, não esperou muito para conferir de perto a impressora. “Sou apaixonada por café, então quis experimentar, né? Não é todo dia que você pode colocar a sua foto no café. Achei a ideia super divertida, e claro, já tirei as fotos para colocar nas redes sociais. Vou contar para todos os meus amigos, a experiência vale a pena”, contou.

Ficou interessado em conferir o cappuccino que vem com fotinha? A cafeteria Molen está localizada no Piso Castanheira do Manauara Shopping. Informações pelo telefone (92) 3348-3455.
Até o Portal Amazônia entrou na moda. Foto: Diego Oliveira/Portal Amazônia

Comitivas de 10 países vão participar da 7ª edição da Rondônia Rural Show

Comitivas de dez países vão participar da 7ª edição da Rondônia Rural Show este ano. O evento de agronegócio acontece a partir desta quarta-feira (23) e contará com a participação de especialistas internacionais, principalmente no café

Festival de cafés

*Conteúdo é de responsabilidade do comentarista

Comitiva do setor cafeeiro do Equador visita Rondônia

Uma comitiva formada por 10 produtores e técnicos da área do café do Equador visita Rondônia esta semana para conhecer a produção da região. A escolha por Rondônia foi pelas condições do clima, solo e topografia semelhantes as do Equador.

Primeiras mudas de café clonal são plantadas na região da Comara em Guajará-Mirim

As primeiras mudas de café clonal foram plantadas na região da Comara, zona rural de Guajará-Mirim (RO). O projeto é pioneiro no município e a primeira colheita deve ser feita em dois anos.

Produtores de Guajará-Mirim recebem mudas de café clonal

Mudas de café clonal foram entregues nesta quinta-feira (1) na Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca de Guajará-Mirim (RO). Nesse primeiro lote, 13 produtores serão beneficiados. O secretário de Agricultura de Rondônia, Evandro Padovani, esteve presente na entrega.

Guajará-Mirim recebe mais de duas mil mudas para o projeto Café Clonal

Cerca de duas mil mudas de Café Clonal foram entregues na Secretaria de Agricultura e Pesca de Guajará-Mirim (RO), responsável pela implantação do projeto no município. Nesse primeiro lote, serão beneficiados 13 produtores. A entrega deve ser feita nesta quinta-feira (1°).

Galeria do Largo realiza oficina de Aquarela com Café

Na próxima sexta-feira (26), a artista Nathalia Silveira vai realizar uma oficina de Aquarela com Café, no Centro de Artes Visuais Galeria do Largo. Com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Cultura (SEC), o workshop terá inscrições gratuitas.

A oficina será destinada a iniciantes e tem como objetivo ensinar como se utiliza o café como tinta. “Será uma oficina para iniciantes, amantes do café e da pintura que desejam ter uma experiência com um material novo e sensorial”, afirma Nathalia.
Foto: Divulgação

Serão três horas de teoria e prática sobre a técnica. Todo material do curso será cedido pela SEC. “Ensinarei um pouco sobre o material e seu preparo, os resultados que podem ser alcançados, além de noções básicas de luz e sombra para a pintura”, adianta a artista.

As vagas para a oficina de Aquarela com Café são limitadas a 15 pessoas. Para se inscrever, basta ligar para (92) 3631-4786.

Sobre a artista
Nathalia Silveira tem 19 anos e é estudante de Design Gráfico. Desde a infância nutre uma admiração pelas artes, em especial pela pintura.

“Ainda criança percebi a necessidade de me expressar através de meus desenhos e, desde então, não deixei de praticar e desenvolver técnicas diversas. Mas me identifiquei com aquarela com café, onde imergi artisticamente e, desde 2017, realizo oficinas sobre a técnica”, afirma.

Exposição

Nathalia está preparando obras para a exposição coletiva “crio18”, que acontecerá na Galeria do Largo no mês de fevereiro. As obras de Nathalia representarão uma metáfora do cotidiano e de como pode ser abusiva a cobrança entre os seres humanos.
“Por meio da pintura feita com café, quero expressar ao público como seria um ataque de pânico causado pela ansiedade, retratando suas fases e sensações em cada ilustração”, conta.

Plantio de café clonal deve ser iniciado ainda este mês em Guajará-Mirim

Cerca de 47 propriedades rurais de Guajará-Mirim (RO) já estão preparadas para receber o plantio de aproximadamente 30 mil mudas de café clonal, projeto pioneiro no município. Segundo a secretaria, é preciso buscar as mudas em Porto Velho para iniciar o plantio ainda este mês.

Produtores aguardam desde o início do ano por mudas de café clonal em Guajará

Produtores aguardam desde o início do ano em Rondônia por mudas de café clonal. Idealizado e desenvolvido pela secretaria municipal de Agricultura e Pesca, a ideia nasceu em 2016, mas só foi colocada em prática no início deste ano com interação entre o município de Guajará-Mirim, governo do Estado e os produtores. O projeto beneficia 40 produtores.

Governo do Mato Grosso investe R$ 1,6 milhões em pequenos cafeicultores

Foto: Divulgação/Gcom-MT
A cafeicultura de Mato Grosso é tradicional, com técnicas de cultivo introduzidas por colonos paranaenses e capixabas, que vieram desbravar as terras no século passado. A principal região de cultivo é a noroeste, com municípios que têm forte ligação com Rondônia, estado em que o café é o produto mais importante para a economia estadual.

Reconhecendo a vocação da região, capitaneada por Colniza, na produção de café já existente, a Secretaria de Estado de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf), desenhou em 2015 um Programa de revitalização da cafeicultura (Pró-Café) para fortalecer a vocação econômica da região noroeste, com apoio da Empresa Brasileira de Pesquisa (Embrapa), secretarias municipais de Agricultura e Empresa de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer).

Para apoiar o pequeno cafeicultor, os eixos definidos no Pró-Café foram: aumento da produção e produtividade e melhoria da qualidade do café através da difusão de boas práticas de produção de mudas, plantio, tratos culturais, colheita, pós-colheita e beneficiamento; renovação e modernização gradativa das lavouras através da cultivar Conilon BRS Ouro Preto e outras; e aprimorar os arranjos institucionais, aproximando o agricultor familiar da Assistência Técnica e Extensão Rural, do mercado e incentivando a comercialização e o consumo do café produzido pelos agricultores familiares de Mato Grosso.

“Atualmente Mato Grosso possui mais de 20 mil hectares de café plantados na região noroeste, e foi determinação do governador Taques, incentivar os municípios na vocação produtiva cafeeira, gerando emprego e renda para o noroeste do Estado, com grande potencial em agricultura familiar”, comentou o secretário de Estado de Agricultura Familiar, Suelme Fernandes.