Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Domingo, 09 Mai 2021

A biblioteca como um espaço dinâmico

Você sabia que desde 2010 existe uma lei que estipula que todas as instituições de ensino públicas e privadas tenham uma biblioteca até 2020? Trata-se da Lei 12.244/2010. Ela torna obrigatório um acervo de, no mínimo, um título para cada aluno matriculado. Mas em dezembro de 2018, dados do Inep apresentados em audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília, mostraram que 55% das escolas brasileiras ainda não tinham biblioteca escolar ou sala de leitura. 

Projeto de revitalização de bibliotecas de MT é único do Brasil contemplado em edital internacional

O projeto RevitaBibliotecas, do Sistema de Bibliotecas Públicas de Mato Grosso, foi o único do país contemplado no edital do 7º Concurso de Ajudas 2019, conduzido pelo Programa Ibero-Americano de Bibliotecas Públicas (Iberbibliotecas). Com a premiação, quatro bibliotecas públicas receberão investimentos de R$ 127,9 mil para promover ações de revitalização que incluem melhorias de infraestrutura, capacitação de agentes, inclusão e engajamento social nas comunidades.



Desse total de R$ 68,68 mil serão destinados pelo Iberbibliotecas e R$ 59,24 mil serão de contrapartida da Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel). O concurso é realizado anualmente, e as bibliotecas mato-grossenses contempladas foram: Biblioteca Pública Estadual Estevão de Mendonça (Cuiabá), Biblioteca Pública Municipal Antídia Coutinho (Araguaiana), Biblioteca Pública Municipal Sebastiana Falone (Cocalinho) e Biblioteca Pública Municipal Aquarela (Salto do Céu).



O prazo para execução do projeto é de 12 meses, a partir do recebimento do recurso. Além do projeto RevitaBibliotecas, foram contempladas outras 12 iniciativas que envolvem iniciativas desenvolvidas em bibliotecas da Argentina, Chile, Colômbia, Peru, Equador, Paraguai, Costa Rica, México e Espanha.
Foto: Divulgação
 
A coordenadora do Sistema de Bibliotecas Públicas de Mato Grosso, Wadineia Almeida, explica que as bibliotecas de Araguaiana, Cocalinho e Salto do Céu foram escolhidas por estarem fechadas na época da inscrição do concurso e por serem os únicos equipamentos culturais dessas cidades. Dessa forma, o projeto mantém a proposta de oferecer e/ou ampliar o acesso à cultura para a população desses municípios. Em relação à Estevão de Mendonça, em Cuiabá, a instituição entrou na lista por ser a maior do Estado e a referência para os municípios do interior.


O projeto contemplado no edital prevê, ainda, a oferta de capacitações para todos os municípios do Estado, contemplando as 154 bibliotecas públicas inscritas no Sistema Estadual. O cronograma inclui a realização de um encontro com os seguintes temas: ‘Diretrizes e Orientações Básicas: Organização e gestão de biblioteca pública’, ‘Organização de acervo: classificação e sinalização’ e ‘Democratização da Informática’. Além disso, serão oferecidas as oficinas ‘Mediação de Leituras em Bibliotecas Públicas’, ‘Contação de histórias’ e ‘Leitura e Escrita em Braille’.


O RevitaBibliotecas é um projeto do Sistema Estadual e tem um planejamento anual de ações nas bibliotecas de Cuiabá e interior de Mato Grosso. A equipe vai até o local, promove o engajamento da equipe, realiza capacitações, faz orientação técnica sobre o correto funcionamento das bibliotecas e executa os procedimentos de revitalização e modernização das bibliotecas.
“É um trabalho de ressignificação dos espaços, não apenas na estrutura física, mas principalmente na gestão. Como resultado, hoje os agentes municipais reconhecem o papel de transformação social das bibliotecas e atuam com foco nesse objetivo principal”, destaca o secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Allan Kardec Benitez.


O RevitaBibliotecas foi criado em 2017. Desde então, 17 instituições em Mato Grosso já foram contempladas pelo projeto, com recursos da Secel, prefeituras e comerciantes locais. Atualmente, o Sistema Estadual de Bibliotecas de Mato Grosso é composto por 154 bibliotecas públicas, sendo uma estadual, 142 públicas municipais e 11 comunitárias.
 

Pará tem quatro bibliotecas entre as vencedoras em premiação nacional

A Recode, ONG voltada ao empoderamento digital e transformação social, premiou 10 bibliotecas públicas brasileiras, entre as quais quatro paraenses, pelo trabalho desenvolvido nas comunidades onde estão instaladas. A Biblioteca Municipal Wilson Marques, em Tomé-Açu, foi a primeira colocada.

Concorreram nessa premiação 48 bibliotecas públicas que participaram do programa “Conecta Biblioteca”, uma realização da Recode e da organização norte-americana Caravan Studios. O programa é focado no estímulo à transformação social por meio de bibliotecas públicas, promovendo apoio e formação a uma rede de profissionais que atuam nestes espaços.


Foto: Reprodução/Shutterstock

No total, quatro bibliotecas paraenses foram contempladas pelo edital, conquistando o primeiro, quinto, sétimo e décimo lugar. “Apesar de serem bibliotecas municipais, o apoio para a construção desses projetos veio do Sistema Nacional de Bibliotecas, via Fundação Cultural do Pará (FCP). Sempre que um edital é publicado, seja nacional ou internacional, o nosso papel é receber essa informação e nos colocar à disposição para auxiliar na elaboração de projetos e assistência técnica, pois no interior do estado normalmente há carência de profissionais qualificados para elaborar o projeto”, explica Giselle Arouck, diretora do Departamento de Leitura e Informação da FCP.

O projeto que ficou em primeiro lugar foi o da Biblioteca Municipal Wilson Marques, de Tomé-Açu, que completou recentemente 40 anos de existência. O espaço criou uma programação chamada “Projeto Biblioagrorural”, em parceria com a prefeitura do município, Secretaria de Agricultura e Secretaria de Cultura, além da equipe da biblioteca.

“Foi feita uma pesquisa com a comunidade e diversas pessoas sugeriram o tema pequeno agricultor. Sendo assim, em parceria com um engenheiro agrônomo, Paulo Scaramussa, e uma técnica agrícola, Andreia Oliveira, foi organizado um ciclo de palestras sobre a agricultura sustentável em duas comunidades do município, e também levamos os participantes para conhecer a nossa biblioteca e disponibilizar para eles cursos de informática, integrando os conhecimentos”, comenta Elanir Fernandes, técnica responsável pelo espaço e autora do projeto.

O primeiro lugar na premiação, anunciada no dia 26 de outubro, receberá uma viagem à Colômbia para imersão em experiências bem-sucedidas de bibliotecas públicas e os demais colocados ganham equipamentos tecnológicos para seus espaços.

Projeto Biblioteca Vazia arrecada livros para doação em Manaus

Foto: Divulgação/Amazonas Shopping
O projeto Biblioteca Vazia, cujo objetivo é arrecadar livros de gêneros variados para doação, teve início esta semana em Manaus. A iniciativa é do Amazonas Shopping, que celebra o Dia da Literatura Brasileira, comemorado em 1° de Maio. Os livros arrecadados serão enviados ao Instituto Navegando e Lendo, entidade que mantém diversas atividades de incentivo à leitura no Amazonas.

De acordo o superintendente do Amazonas Shopping, Eduardo Zucareli, o projeto pretende estimular a leitura, principalmente, entre jovens e crianças. "A formação de cidadãos críticos e conscientes do seu papel na sociedade passa também pelo incentivo à leitura, porque a informação é o melhor caminho para construir um país melhor”, ressaltou.

Os livros doados, disse ele, precisam estar em bom estado de conservação e podem ser deixados nas prateleiras da Biblioteca Vazia. Todos os exemplares serão entregues ao Instituto Navegando e Lendo, idealizado pelo pedagogo e escritor Jorge Klein.

Klein explica que entre as atividades desenvolvidas pelo instituto está a oferta livros em embarcações. “Esse foi o primeiro projeto de incentivo à leitura realizado por mim, há 10 anos, e que deu nome ao Instituto, que é Navegando e Lendo”, destacou o pedagogo, que também mantém a Biblioteca de Incentivo à Leitura Tenório Telles, localizada no conjunto João Bosco. A biblioteca funciona todos os sábados, das 9h às 12h e das 14h às 16h.

Com apenas quatro de meses de criação, a biblioteca já recebeu a doação de mais 400 títulos. Segundo Jorge Klein, outro projeto que irá lançar em breve é o 'Um por todos e todos pela Leitura', que pretende levar livros de vários gêneros para as salas de aula de escolas públicas do Ensino Fundamental. “A ideia é montar em cada sala de aula um espaço com vários exemplares de livros e incentivar a troca entre os estudantes, após o fim de cada leitura”, adiantou.

Cidades do Pará terão encontros regionais de bibliotecas

A Fundação Cultural do Pará (FCP), em parceria com o Instituto de Políticas Relacionais e a Fundação Bill & Melinda Gates, vão colocar em prática a segunda fase do projeto 'Tô na Rede', a partir do mês de março. Nos últimos dias 25 e 26 de janeiro, a diretora de Leitura e Informação da FCP, Giselle Arouck, e o secretário executivo do Sistema de Bibliotecas Estaduais, Guilherme Relvas, foram ao instituto, em São Paulo, para dar inicio ao planejamento da ação.

Nessa ocasião ficou definida a execução de um projeto que visa fortalecer a rede de bibliotecas no interior, a partir de encontros regionais entre as bibliotecas públicas, em seis polos do Estado. No fim do ano, o III Encontro Estadual ocorrerá em Belém, arrematando o trabalho de articulação e discussões sobre o papel da biblioteca pública enquanto vetor de fortalecimento da educação e cidadania.

Foto: Reprodução/Agência Pará

O projeto “Tô na Rede” surgiu em 2014, quando a Fundação Bill & Melinda Gates identificou a Biblioteca Pública Arthur Vianna, da FCP, como uma das três bibliotecas no Brasil que poderiam receber investimentos em capacitação tecnológica e mapeamento territorial e de demandas voltado aos funcionários. Os seis grandes encontros regionais de bibliotecas terão ainda oficinas de capacitação, além das discussões e painéis para troca de experiências.

“A biblioteca pública é um espaço de convergência cultural do município que precisa evoluir para ser um espaço dinamizador de informação e cultura. Deixemos de lado o modelo tradicional que tínhamos antes. Esses espaços devem ser vistos e apropriados pelo cidadão para que ele venha a se tornar uma pessoa melhor, capaz de compreender pelo conhecimento e leitura o papel de transformador da sociedade", diz Giselle Arouck.