Publicidade

Meio Ambiente

Assista o documentário realizado em Belo Monte após a construção da hidrelétrica

O documentário 'Belo Monte: Depois da Inundação' dirigido pelo premiado cineasta Todd Southgate, está disponível na internet


Foto: Divulgação/Norte Energia
Para comemorar o Dia Internacional de Luta contra Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida, nesta segunda-feira (14), o documentário Belo Monte: Depois da Inundação, dirigido pelo premiado cineasta Todd Southgate, foi disponibilizado gratuitamente para download através do Opens external link in new windowsite do projeto.

Todd Southgate acompanhou o processo de construção de Belo Monte desde o começo e disse que foi um choque quando presenciou os impactos após a inundação do reservatório. “Eu já estava filmando lá nos últimos sete ou oito anos. A primeira que fiz um sobrevoo na barragem, com o reservatório todo inundado. Foi um choque. Tudo o que você já viu, como estava a floresta, os lugares que você conheceu os pescadores, está tudo embaixo d'água. Foi mais pesado do que imaginava”. 

Narrado pelo ator Marcos Palmeira, o documentário conta a história e as consequências de uma das hidrelétricas mais polêmicas do mundo. Através de entrevistas com líderes indígenas, ativistas e moradores locais, Belo Monte: Depois da Inundação demonstra como esse megaprojeto, que custou mais de $30 bilhões – na sua maior parte, financiado com dinheiro público – deixou um legado de violações de direitos humanos e danos socioambientais que desestruturam meios de vida das comunidades locais do rio Xingu.

Ao mesmo tempo, o filme conta a história de lutas dos povos indígenas, movimentos sociais e seus aliados para cobrar justiça e a responsabilização pelos crimes cometidos na Volta Grande do Xingu por Belo Monte, e para evitar a repetição dos mesmos erros na bacia do Tapajós, onde o povo Munduruku e comunidades ribeirinhas têm defendido seus territórios e direitos, resistindo a grandes projetos destrutivos como a UHE São Luiz do Tapajós.

A divulgação on-line do filme vem na sequência de uma série de eventos de lançamento no Brasil e no exterior desde o final de 2016. O filme já está se relevando uma ferramenta muito importante para a conscientização e a mobilização popular, tendo sido premiado com o troféu de júri popular no Festival Cineamazônia realizado em Porto Velho (RO) em novembro de 2016.

Meio Ambiente

Home > Noticias > null

Assista o documentário realizado em Belo Monte após a construção da hidrelétrica

O documentário 'Belo Monte: Depois da Inundação' dirigido pelo premiado cineasta Todd Southgate, está disponível na internet

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Foto: Divulgação/Norte Energia
Para comemorar o Dia Internacional de Luta contra Barragens, pelos Rios, pela Água e pela Vida, nesta segunda-feira (14), o documentário Belo Monte: Depois da Inundação, dirigido pelo premiado cineasta Todd Southgate, foi disponibilizado gratuitamente para download através do Opens external link in new windowsite do projeto.

Todd Southgate acompanhou o processo de construção de Belo Monte desde o começo e disse que foi um choque quando presenciou os impactos após a inundação do reservatório. “Eu já estava filmando lá nos últimos sete ou oito anos. A primeira que fiz um sobrevoo na barragem, com o reservatório todo inundado. Foi um choque. Tudo o que você já viu, como estava a floresta, os lugares que você conheceu os pescadores, está tudo embaixo d'água. Foi mais pesado do que imaginava”. 

Narrado pelo ator Marcos Palmeira, o documentário conta a história e as consequências de uma das hidrelétricas mais polêmicas do mundo. Através de entrevistas com líderes indígenas, ativistas e moradores locais, Belo Monte: Depois da Inundação demonstra como esse megaprojeto, que custou mais de $30 bilhões – na sua maior parte, financiado com dinheiro público – deixou um legado de violações de direitos humanos e danos socioambientais que desestruturam meios de vida das comunidades locais do rio Xingu.

Ao mesmo tempo, o filme conta a história de lutas dos povos indígenas, movimentos sociais e seus aliados para cobrar justiça e a responsabilização pelos crimes cometidos na Volta Grande do Xingu por Belo Monte, e para evitar a repetição dos mesmos erros na bacia do Tapajós, onde o povo Munduruku e comunidades ribeirinhas têm defendido seus territórios e direitos, resistindo a grandes projetos destrutivos como a UHE São Luiz do Tapajós.

A divulgação on-line do filme vem na sequência de uma série de eventos de lançamento no Brasil e no exterior desde o final de 2016. O filme já está se relevando uma ferramenta muito importante para a conscientização e a mobilização popular, tendo sido premiado com o troféu de júri popular no Festival Cineamazônia realizado em Porto Velho (RO) em novembro de 2016.

TAG Belo MontedocumentariobarragenshidreletricaAmazoniaPara