Publicidade

Arte

Home > Cultura > null

Begê Muniz atua em espetáculo de dramaturgo amazonense em São Paulo

Intitulada 'Jaguar Cibernético', a série de Francisco Carlos aborda a relação animais-homens-deuses

Diego Oliveira


MANAUS - O ator Begê Muniz integra o elenco da série 'Jaguar Cibernético' do dramaturgo amazonense Francisco Carlos. Muniz atuará nos espetáculos 'Banquete Tupinambá' e 'Xamanismo The Correction', ambos serão apresentado neste final de semana no Teatro Sesc Ipiranga, em São Paulo. O  Portal Amazônia conversou com o artista que falou sobre a importância de levar a regionalidade do Norte para o país.
Ator atuará em espetáculo de amazonense. Foto: Reprodução/Facebook
De acordo com Begê, o convite surgiu do próprio Francisco Carlos. O ator logo aceitou a proposta, porque acredita que o teatro oferece um desafio a mais para qualquer artista. "Ele me ligou e já conhecia o meu trabalho, principalmente pela novela 'Além do Horizonte'. Eu aceitei porque queria muito fazer uma peça este ano. A experiência está sendo maravilhosa e intensa. O processo de ensaio é insano, principalmente pelo tempo de preparo que foi de um mês e meio", falou. 
O espetáculo faz uma abordagem acerca da relação animais-homens-deuses. A série contempla as peças 'Banquete Tupinambá', 'Aborígene em Metrópoles', 'Xamanismo The Correction' e 'Floresta de Carbono - de Volta ao Paraíso Perdido'. As montagens apresentam elementos da cultura Tupinambá e Kamayurá, como o conflito das tribos dos brancos, rituais e as religiões.
Begê estará nos espetáculos 'Banquete Tupinambá' e 'Xamanismo The Conection'. A primeira peça aborda um jantar que aconteceu há 500 anos. Já a segunda, mostra ao público uma reunião imaginária de drogados que é mediada por um jovem Xamã. "São peças rebuscadas que contam com um diretor renomado e atores experientes do teatro de São Paulo. Tudo isso, somado a bela temática indígena que fará uma verdadeira viagem no tempo", revelou o ator. 
Experiência nos palcos é importante para Begê. Foto: Reprodução/Facebook

Elogios
Na opinião de Begê, o texto de Francisco traz um tom diferente daquele que o público está acostumado. "É bem especial. O projeto é ousado e são quatro peças de um mesmo tema. Exige bastante estudo e conhecimento na cultura indígena. No espetáculo, a gente fala algumas coisas em tupi, principalmente em 'Banquete Tupinambá'. Esses desafios só me deixam mais entusiasmado em subir no palco", disse.
Em 2015, o ator aproveitou a folga entre os projetos para se dedicar ao estudo. Ele também participou do espetáculo 'Manon Lescaut', do italiano Giacomo Puccini. Entre os novos projetos de Begê está a participação do longa-metragem 'Antes o Tempo não Acaba', do cineasta Sérgio Andrade com quem o artista trabalhou no premiado 'A Floresta de Jonathas'.
Arte

Begê Muniz atua em espetáculo de dramaturgo amazonense em São Paulo

Intitulada 'Jaguar Cibernético', a série de Francisco Carlos aborda a relação animais-homens-deuses

Diego Oliveira


MANAUS - O ator Begê Muniz integra o elenco da série 'Jaguar Cibernético' do dramaturgo amazonense Francisco Carlos. Muniz atuará nos espetáculos 'Banquete Tupinambá' e 'Xamanismo The Correction', ambos serão apresentado neste final de semana no Teatro Sesc Ipiranga, em São Paulo. O  Portal Amazônia conversou com o artista que falou sobre a importância de levar a regionalidade do Norte para o país.
Ator atuará em espetáculo de amazonense. Foto: Reprodução/Facebook
De acordo com Begê, o convite surgiu do próprio Francisco Carlos. O ator logo aceitou a proposta, porque acredita que o teatro oferece um desafio a mais para qualquer artista. "Ele me ligou e já conhecia o meu trabalho, principalmente pela novela 'Além do Horizonte'. Eu aceitei porque queria muito fazer uma peça este ano. A experiência está sendo maravilhosa e intensa. O processo de ensaio é insano, principalmente pelo tempo de preparo que foi de um mês e meio", falou. 
O espetáculo faz uma abordagem acerca da relação animais-homens-deuses. A série contempla as peças 'Banquete Tupinambá', 'Aborígene em Metrópoles', 'Xamanismo The Correction' e 'Floresta de Carbono - de Volta ao Paraíso Perdido'. As montagens apresentam elementos da cultura Tupinambá e Kamayurá, como o conflito das tribos dos brancos, rituais e as religiões.
Begê estará nos espetáculos 'Banquete Tupinambá' e 'Xamanismo The Conection'. A primeira peça aborda um jantar que aconteceu há 500 anos. Já a segunda, mostra ao público uma reunião imaginária de drogados que é mediada por um jovem Xamã. "São peças rebuscadas que contam com um diretor renomado e atores experientes do teatro de São Paulo. Tudo isso, somado a bela temática indígena que fará uma verdadeira viagem no tempo", revelou o ator. 
Experiência nos palcos é importante para Begê. Foto: Reprodução/Facebook

Elogios
Na opinião de Begê, o texto de Francisco traz um tom diferente daquele que o público está acostumado. "É bem especial. O projeto é ousado e são quatro peças de um mesmo tema. Exige bastante estudo e conhecimento na cultura indígena. No espetáculo, a gente fala algumas coisas em tupi, principalmente em 'Banquete Tupinambá'. Esses desafios só me deixam mais entusiasmado em subir no palco", disse.
Em 2015, o ator aproveitou a folga entre os projetos para se dedicar ao estudo. Ele também participou do espetáculo 'Manon Lescaut', do italiano Giacomo Puccini. Entre os novos projetos de Begê está a participação do longa-metragem 'Antes o Tempo não Acaba', do cineasta Sérgio Andrade com quem o artista trabalhou no premiado 'A Floresta de Jonathas'.

TAG