Publicidade

Economia

Home > Noticias > null

Zona Franca de Manaus tem vigência garantida até 2073

Instituição do Plano Diretor Industrial estabelece diretrizes para área de atuação da Suframa até 2025

Jefter Guerra

jguerra@jcam.com.br


     
 
  Em cumprimento à sua missão de promover o desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Suframa adotou em 2016 várias medidas de indução socioeconômica, bem como promoveu uma série de atividades internas com o objetivo de melhorar, desburocratizar e modernizar a sua gestão. Em entrevista ao Jornal do Commercio, a Superintendente da Suframa, Rebecca Garcia, ressalta que a Zona Franca de Manaus (ZFM) tem a sua vigência constitucionalmente garantida até 2073. 

“Precisamos, entretanto, continuar divulgando todos os benefícios desse modelo, pois estamos convencidos do quanto a Z ona Franca é importante em diversos aspectos – social, econômico e ambiental, entre outros –para todo o país. Também acreditamos que o processo de fortalecimento da ZFM passa, necessariamente, pelo uso das vocações naturais da região. Ou seja, precisamos avançar no uso, em bases sustentáveis, da biodiversidade amazônica com a transformação dessa singular matéria-prima em produtos de alta tecnologia, como, por exemplo, fármacos, cosméticos e bioprodutos”, explicou ela se referindo ao futuro da ZFM.

E sobre as vitórias à frente da Suframa em 2016, Rebecca citou a inauguração da fábrica da montadora europeia de motos BMW que, pela primeira vez, vai fabricar seus produtos fora da Alemanha. A outra é a mudança de toda operação da empresa de informática Positivo para o PIM, apesar da recém-aprovada lei de informática, que tecnicamente beneficia os polos da região Sudeste do Brasil.

Taxas de Arrecadação

Outro ponto abordado por Rebecca é sobre as mudanças das Taxas de Controle de Incentivos Fiscais (TCIF) e a Taxa de Serviços (TS) que, segundo ela, foram criadas pela Medida Provisória 757, de 19 dezembro de 2016.  

“Essas Taxas trazem uma nova sistemática de arrecadação para a autarquia, em substituição à Taxa de Serviços Administrativos, com diversas vantagens sobre o sistema anterior. Elas também possibilitam a redução do valor médio incidente sobre um mesmo volume de ingresso de mercadoria; simplificação da metodologia de cálculo da taxa, promovendo maior agilidade de sua gestão; e previsibilidade de seu valor, além de maior segurança jurídica, pela adoção de melhor técnica tributária”, disse.

Já sobre a TCIF, a superintendente reforça que a taxa evita a prática do confisco, pois tem a característica de tributo não-regressivo e é de valor fixo, não incidindo sobre base de cálculo típica de imposto.

Conquistas da Suframa 
Entre as ações que mais se destacaram em 2016 foram: os avanços na consolidação da Zona Franca Verde como nova política de benefícios, que visa estimular o desenvolvimento regional com base na industrialização de produtos com preponderância de matéria-prima da Amazônia; a instituição do Plano Diretor Industrial, que estabelece diretrizes táticas para a área de atuação da Suframa de 2017 a 2025; a adesão ao Gespública, que é o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização, com objetivo de implantar na Superintendência o Modelo de Excelência em Gestão Pública.
     
Entre as ações que mais se destacaram estão os avanços da Zona Franca Verde. Foto: Walter Mendes
 
Destacam-se ainda: a criação da Política de Atendimento ao Cidadão (PAC), a criação da Ouvidoria; a instituição do Plano de Dados Abertos; a elaboração da Política de G estão de Riscos e do Plano de Logística Sustentável da Suframa; melhorias nos processos de  Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), incluindo informatização dos sistemas de recepção da prestação de contas e testes da nova plataforma de análise, de modo a vencer obstáculos na autuação processual e tempo de resposta às empresas; avanços no estabelecimento de Processos Produtivos Básicos (PPBs), com a publicação de mais de 50 Portarias Interministeriais fixando ou alterando processos produtivos básicos, muitos dos quais estavam sem tramitação há um ou até dois anos; avanços na gestão do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), que agora está a cargo do Conselho Gestor do Termo de Execução Descentralizada nº 01/2015 com a participação da Suframa, Inmetro e interveniência do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). 

Outros pontos foram: a disseminação da cultura exportadora na região, a partir, principalmente, da atuação no Comitê Gestor do PNCE (Plano Nacional da Cultura Exportadora); a reativação do Posto de Atendimento da autarquia no Aeroporto Eduardo Gomes; a participação no Grupo de Trabalho de Simplificação do Mdic, criado com o objetivo de propor alterações normativas e de procedimentos visando ao aperfeiçoamento e simplificação de normas, ações e processos internos no âmbito do Ministério e de suas entidades vinculadas; a aprovação da TCIF e da TS, que irão substituir a Taxa de Serviços Administrativos (TSA); e a assinatura de Termo de Compromisso com a Prefeitura de Manaus visando à revitalização do sistema viário do Distrito Industrial 1.

Recapeamento

E quanto ao recapeamento das avenidas e ruas do Distrito, Rebecca reitera sobre o Termo de Compromisso firmado no dia 26 de dezembro do ano passado entre a Suframa e a Prefeitura de Manaus, para a transferência de R$ 150 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento destinados à revitalização do sistema viário do Distrito Industrial 1 e oriundos da dotação orçamentária incluída no orçamento de 2016, via Emenda Parlamentar.
Economia

Zona Franca de Manaus tem vigência garantida até 2073

Instituição do Plano Diretor Industrial estabelece diretrizes para área de atuação da Suframa até 2025

Jefter Guerra

jguerra@jcam.com.br


     
 
  Em cumprimento à sua missão de promover o desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Suframa adotou em 2016 várias medidas de indução socioeconômica, bem como promoveu uma série de atividades internas com o objetivo de melhorar, desburocratizar e modernizar a sua gestão. Em entrevista ao Jornal do Commercio, a Superintendente da Suframa, Rebecca Garcia, ressalta que a Zona Franca de Manaus (ZFM) tem a sua vigência constitucionalmente garantida até 2073. 

“Precisamos, entretanto, continuar divulgando todos os benefícios desse modelo, pois estamos convencidos do quanto a Z ona Franca é importante em diversos aspectos – social, econômico e ambiental, entre outros –para todo o país. Também acreditamos que o processo de fortalecimento da ZFM passa, necessariamente, pelo uso das vocações naturais da região. Ou seja, precisamos avançar no uso, em bases sustentáveis, da biodiversidade amazônica com a transformação dessa singular matéria-prima em produtos de alta tecnologia, como, por exemplo, fármacos, cosméticos e bioprodutos”, explicou ela se referindo ao futuro da ZFM.

E sobre as vitórias à frente da Suframa em 2016, Rebecca citou a inauguração da fábrica da montadora europeia de motos BMW que, pela primeira vez, vai fabricar seus produtos fora da Alemanha. A outra é a mudança de toda operação da empresa de informática Positivo para o PIM, apesar da recém-aprovada lei de informática, que tecnicamente beneficia os polos da região Sudeste do Brasil.

Taxas de Arrecadação

Outro ponto abordado por Rebecca é sobre as mudanças das Taxas de Controle de Incentivos Fiscais (TCIF) e a Taxa de Serviços (TS) que, segundo ela, foram criadas pela Medida Provisória 757, de 19 dezembro de 2016.  

“Essas Taxas trazem uma nova sistemática de arrecadação para a autarquia, em substituição à Taxa de Serviços Administrativos, com diversas vantagens sobre o sistema anterior. Elas também possibilitam a redução do valor médio incidente sobre um mesmo volume de ingresso de mercadoria; simplificação da metodologia de cálculo da taxa, promovendo maior agilidade de sua gestão; e previsibilidade de seu valor, além de maior segurança jurídica, pela adoção de melhor técnica tributária”, disse.

Já sobre a TCIF, a superintendente reforça que a taxa evita a prática do confisco, pois tem a característica de tributo não-regressivo e é de valor fixo, não incidindo sobre base de cálculo típica de imposto.

Conquistas da Suframa 
Entre as ações que mais se destacaram em 2016 foram: os avanços na consolidação da Zona Franca Verde como nova política de benefícios, que visa estimular o desenvolvimento regional com base na industrialização de produtos com preponderância de matéria-prima da Amazônia; a instituição do Plano Diretor Industrial, que estabelece diretrizes táticas para a área de atuação da Suframa de 2017 a 2025; a adesão ao Gespública, que é o Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização, com objetivo de implantar na Superintendência o Modelo de Excelência em Gestão Pública.
     
Entre as ações que mais se destacaram estão os avanços da Zona Franca Verde. Foto: Walter Mendes
 
Destacam-se ainda: a criação da Política de Atendimento ao Cidadão (PAC), a criação da Ouvidoria; a instituição do Plano de Dados Abertos; a elaboração da Política de G estão de Riscos e do Plano de Logística Sustentável da Suframa; melhorias nos processos de  Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), incluindo informatização dos sistemas de recepção da prestação de contas e testes da nova plataforma de análise, de modo a vencer obstáculos na autuação processual e tempo de resposta às empresas; avanços no estabelecimento de Processos Produtivos Básicos (PPBs), com a publicação de mais de 50 Portarias Interministeriais fixando ou alterando processos produtivos básicos, muitos dos quais estavam sem tramitação há um ou até dois anos; avanços na gestão do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), que agora está a cargo do Conselho Gestor do Termo de Execução Descentralizada nº 01/2015 com a participação da Suframa, Inmetro e interveniência do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). 

Outros pontos foram: a disseminação da cultura exportadora na região, a partir, principalmente, da atuação no Comitê Gestor do PNCE (Plano Nacional da Cultura Exportadora); a reativação do Posto de Atendimento da autarquia no Aeroporto Eduardo Gomes; a participação no Grupo de Trabalho de Simplificação do Mdic, criado com o objetivo de propor alterações normativas e de procedimentos visando ao aperfeiçoamento e simplificação de normas, ações e processos internos no âmbito do Ministério e de suas entidades vinculadas; a aprovação da TCIF e da TS, que irão substituir a Taxa de Serviços Administrativos (TSA); e a assinatura de Termo de Compromisso com a Prefeitura de Manaus visando à revitalização do sistema viário do Distrito Industrial 1.

Recapeamento

E quanto ao recapeamento das avenidas e ruas do Distrito, Rebecca reitera sobre o Termo de Compromisso firmado no dia 26 de dezembro do ano passado entre a Suframa e a Prefeitura de Manaus, para a transferência de R$ 150 milhões do Programa de Aceleração do Crescimento destinados à revitalização do sistema viário do Distrito Industrial 1 e oriundos da dotação orçamentária incluída no orçamento de 2016, via Emenda Parlamentar.

TAG Manauszona francaeconomia