Publicidade

Cidades

Professores do Amazonas permanecem em greve após reunião sem acordo

A categoria está em greve desde o dia 15 de abril e pede 15% de reajuste salarial

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Os professores da Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc) decidiram manter a greve da categoria após reunião sem acordo com o governo do Estado. A categoria está em greve desde o dia 15 de abril e pede 15% de reajuste salarial. A proposta do governo amazonense permanece em 3,93%.

 

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), Ana Cristina Rodrigues, disse que o executivo estadual pediu que o movimento prove que os trabalhadores tiveram perdas de 9,6% no período de 2015 a 2018, em que ficaram sem reajuste.

 

Foto: Divulgação/Sinteam

 

A presidente do Sinteam informou que a proposta será analisada pelos trabalhadores em assembleia. A data ainda não foi definida. Segundo o sindicato, 100% das escolas da rede estadual do Amazonas estão sem aulas.

 

Na segunda-feira (22), houve uma reunião com o secretário de estado de Educação, Luiz Castro, que reforçou o interesse do governo em fortalecer o diálogo com a categoria e explicou os motivos relacionados à LRF - Lei de Responsabilidade Fiscal que impedem a Secretaria de Fazenda de conceder reajuste acima da inflação neste ano.

 

 

     

Cidades

Home > Noticias > null

Professores do Amazonas permanecem em greve após reunião sem acordo

A categoria está em greve desde o dia 15 de abril e pede 15% de reajuste salarial

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Os professores da Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc) decidiram manter a greve da categoria após reunião sem acordo com o governo do Estado. A categoria está em greve desde o dia 15 de abril e pede 15% de reajuste salarial. A proposta do governo amazonense permanece em 3,93%.

 

A presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), Ana Cristina Rodrigues, disse que o executivo estadual pediu que o movimento prove que os trabalhadores tiveram perdas de 9,6% no período de 2015 a 2018, em que ficaram sem reajuste.

 

Foto: Divulgação/Sinteam

 

A presidente do Sinteam informou que a proposta será analisada pelos trabalhadores em assembleia. A data ainda não foi definida. Segundo o sindicato, 100% das escolas da rede estadual do Amazonas estão sem aulas.

 

Na segunda-feira (22), houve uma reunião com o secretário de estado de Educação, Luiz Castro, que reforçou o interesse do governo em fortalecer o diálogo com a categoria e explicou os motivos relacionados à LRF - Lei de Responsabilidade Fiscal que impedem a Secretaria de Fazenda de conceder reajuste acima da inflação neste ano.

 

 

     

TAG greve dos professores