Internacional

Opositores a acordo de paz vencem eleições na Colômbia

Direita liderada pelo ex-presidente Uribe obteve maioria

Portal Amazônia, com informações da ANSA

jornalismo@portalamazonia.com


O partido de direita, liderado pelo ex-presidente Alvaro Uribe, principal opositor do acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi declarado nesta segunda-feira (12) como o grande vencedor das eleições legislativas. As informações são da ANSA.

Com 98,80% das urnas apuradas, a direita não conseguiu a maioria em nenhuma das duas Câmaras, mas mesmo assim garantiu a vitória do pleito, que marcou a estreia dos ex-guerrilheiros nas urnas.

O partido do Centro Democrático de Uribe atingiu 2,4 milhões de votos, assegurando 19 lugares, seguido pelo Mudança Radical (governo de centro-direita) com 2 milhões de votos e 16 assentos.

Já o Partido Conservador obteve 1,8 milhão de votos e 15 senadores. No entanto, a grande surpresa do dia foi o voto alcançado pelo ex-prefeito de Bogotá Antanas Mockus, que teve 526.945 votos e cujo Partido Verde aumentou seu número de senadores de cinco para 10, obtendo um total de 1, 2 milhões de votos.

Mockus, ex-candidato à presidência, apenas superou Uribe, que alcançou 845.811 votos, o que o ratifica como o político com maior ascendência no país. Na Câmara dos Deputados, os maiores votos foram para o Partido Liberal com 2,3 milhões de votos, garantindo o direito a 35 lugares, seguido pelo Centro Democrático com um número similar de votos (32 assentos).

Por sua vez, as Farc, que nas eleições anteriores era um grupo de guerrilha, obteve um voto baixo em ambas as casas, mas conseguiu 10 lugares, que foram concedidos como parte das negociações de paz. 
 
Foto: Divulgação / Governo da Colômbia
 
O resultado faz a direita somar um total de mais de seis milhões de votos. A legenda já havia 10 dentre os 280 assentos no Parlamento garantido após um pacto assinado com o presidente colombiano Juan Manuel Santos, mas não conseguiu os votos necessários que eram precisos para mantê-los. 

Apesar disso, o partido de Uribe manterá seus 19 senadores, além de ampliar para 32 o número de deputados, o que equivale a 13 a mais que na legislatura atual. 

No total, ao lado do Mudança Radical, do partido Conservador e das Forças Cristãs, os movimentos de direita somam 134 de 280 cadeiras. No entanto, os dois primeiros, aliados de Santos, questionam parte do acordo de paz negociado por quatro anos. Em relação aos partidos de esquerda, o Polo Democrático Alternativo, a Lista da Decência, o Partido Aliança Verde e as Farc somam 44 cadeiras. 

De acordo com o governo, as eleições deste domingo foram as mais silenciosas em meio século, sem perturbação da ordem pública ou ataques, exceto alguns protestos de cidadãos em lugares particulares e a prisão de pessoas por crimes eleitorais. As eleições presidenciais da Colômbia acontecem no próximo mês de maio. 

Internacional

Home > Noticias > null

Opositores a acordo de paz vencem eleições na Colômbia

Direita liderada pelo ex-presidente Uribe obteve maioria

Portal Amazônia, com informações da ANSA

jornalismo@portalamazonia.com


O partido de direita, liderado pelo ex-presidente Alvaro Uribe, principal opositor do acordo de paz com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), foi declarado nesta segunda-feira (12) como o grande vencedor das eleições legislativas. As informações são da ANSA.

Com 98,80% das urnas apuradas, a direita não conseguiu a maioria em nenhuma das duas Câmaras, mas mesmo assim garantiu a vitória do pleito, que marcou a estreia dos ex-guerrilheiros nas urnas.

O partido do Centro Democrático de Uribe atingiu 2,4 milhões de votos, assegurando 19 lugares, seguido pelo Mudança Radical (governo de centro-direita) com 2 milhões de votos e 16 assentos.

Já o Partido Conservador obteve 1,8 milhão de votos e 15 senadores. No entanto, a grande surpresa do dia foi o voto alcançado pelo ex-prefeito de Bogotá Antanas Mockus, que teve 526.945 votos e cujo Partido Verde aumentou seu número de senadores de cinco para 10, obtendo um total de 1, 2 milhões de votos.

Mockus, ex-candidato à presidência, apenas superou Uribe, que alcançou 845.811 votos, o que o ratifica como o político com maior ascendência no país. Na Câmara dos Deputados, os maiores votos foram para o Partido Liberal com 2,3 milhões de votos, garantindo o direito a 35 lugares, seguido pelo Centro Democrático com um número similar de votos (32 assentos).

Por sua vez, as Farc, que nas eleições anteriores era um grupo de guerrilha, obteve um voto baixo em ambas as casas, mas conseguiu 10 lugares, que foram concedidos como parte das negociações de paz. 
 
Foto: Divulgação / Governo da Colômbia
 
O resultado faz a direita somar um total de mais de seis milhões de votos. A legenda já havia 10 dentre os 280 assentos no Parlamento garantido após um pacto assinado com o presidente colombiano Juan Manuel Santos, mas não conseguiu os votos necessários que eram precisos para mantê-los. 

Apesar disso, o partido de Uribe manterá seus 19 senadores, além de ampliar para 32 o número de deputados, o que equivale a 13 a mais que na legislatura atual. 

No total, ao lado do Mudança Radical, do partido Conservador e das Forças Cristãs, os movimentos de direita somam 134 de 280 cadeiras. No entanto, os dois primeiros, aliados de Santos, questionam parte do acordo de paz negociado por quatro anos. Em relação aos partidos de esquerda, o Polo Democrático Alternativo, a Lista da Decência, o Partido Aliança Verde e as Farc somam 44 cadeiras. 

De acordo com o governo, as eleições deste domingo foram as mais silenciosas em meio século, sem perturbação da ordem pública ou ataques, exceto alguns protestos de cidadãos em lugares particulares e a prisão de pessoas por crimes eleitorais. As eleições presidenciais da Colômbia acontecem no próximo mês de maio. 

TAG Colombiaeleicao presidencialeleições 2018