Publicidade

Internacional

Home > Noticias > null

Nicolás Maduro apresenta propostas para obter ajuda contra crise econômica na Venezuela

As propostas serão apresentadas aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac)

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil


BRASÍLIA - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, viajou para o Equador nesta quarta-feira (27), onde pedirá ajuda aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) para enfrentar a crise econômica. As informações são da Agência Lusa, via Agência Brasil. 
"Venho apresentar um conjunto de propostas para, desde a América Latina, enfrentar a emergência econômica da Venezuela", informou aos jornalistas na chegada a Quito, onde participará da quarta cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac)Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Segundo Nicolás Maduro, a Venezuela entrou num "período de turbulência econômica" devido à queda dos preços do petróleo, mas aposta, no entanto, em manter as políticas sociais e o rumo de crescimento e igualdade. "Há um balanço positivo da década em curso. Estamos em situação difícil. Declarei emergência econômica para fortalecer o (que é) social, defender os direitos sociais do povo e iniciar um novo modelo econômico produtivo", acrescentou.
Com 107 votos contra (da oposição) e 53 a favor, o parlamento venezuelano rejeitou na segunda-feira (22) o Decreto de Emergência Econômica assinado por Nicolás Maduro para enfrentar a crise econômica do país. O decreto presidencial, que teria duração inicial de 60 dias prorrogáveis e foi declarado constitucional pelo Supremo Tribunal de Justiça, deverá ser devolvido ao chefe de Estado para ser reformulado.
Segundo a oposição, que tem a maioria no parlamento, a aprovação do decreto de emergência poderia agravar a crise, por não abordar com precisão matérias políticas, financeiras e cambiais. Os deputados oposicionistas alegaram também que não foram publicados dados oficiais sobre os índices econômicos e que o decreto facilita a possibilidade de apropriação indevida de fundos, não protege o gasto social e poderia servir para atacar algumas empresas privadas.
De acordo com o governo, o decreto tinha por objetivo combater a "guerra econômica" e "construir uma Venezuela produtiva e independente", além de enfrentar a conjuntura criada pela queda dos preços do petróleo, a principal fonte de receitas do país.
Internacional

Nicolás Maduro apresenta propostas para obter ajuda contra crise econômica na Venezuela

As propostas serão apresentadas aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac)

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil


BRASÍLIA - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, viajou para o Equador nesta quarta-feira (27), onde pedirá ajuda aos países membros da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac) para enfrentar a crise econômica. As informações são da Agência Lusa, via Agência Brasil. 
"Venho apresentar um conjunto de propostas para, desde a América Latina, enfrentar a emergência econômica da Venezuela", informou aos jornalistas na chegada a Quito, onde participará da quarta cúpula da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac)Foto: Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Segundo Nicolás Maduro, a Venezuela entrou num "período de turbulência econômica" devido à queda dos preços do petróleo, mas aposta, no entanto, em manter as políticas sociais e o rumo de crescimento e igualdade. "Há um balanço positivo da década em curso. Estamos em situação difícil. Declarei emergência econômica para fortalecer o (que é) social, defender os direitos sociais do povo e iniciar um novo modelo econômico produtivo", acrescentou.
Com 107 votos contra (da oposição) e 53 a favor, o parlamento venezuelano rejeitou na segunda-feira (22) o Decreto de Emergência Econômica assinado por Nicolás Maduro para enfrentar a crise econômica do país. O decreto presidencial, que teria duração inicial de 60 dias prorrogáveis e foi declarado constitucional pelo Supremo Tribunal de Justiça, deverá ser devolvido ao chefe de Estado para ser reformulado.
Segundo a oposição, que tem a maioria no parlamento, a aprovação do decreto de emergência poderia agravar a crise, por não abordar com precisão matérias políticas, financeiras e cambiais. Os deputados oposicionistas alegaram também que não foram publicados dados oficiais sobre os índices econômicos e que o decreto facilita a possibilidade de apropriação indevida de fundos, não protege o gasto social e poderia servir para atacar algumas empresas privadas.
De acordo com o governo, o decreto tinha por objetivo combater a "guerra econômica" e "construir uma Venezuela produtiva e independente", além de enfrentar a conjuntura criada pela queda dos preços do petróleo, a principal fonte de receitas do país.

TAG