Publicidade

Cidades

Home > Noticias > null

Após greve no AP e AM, profissionais da educação de MT suspendem aulas em mais de 300 escolas

Entre as principais reivindicações da categoria está o reajuste salarial de 7,69%

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Cerca de 42% das escolas de Mato Grosso estão sem aula por causa da greve dos profissionais de educação. São aproximadamente 322 escolas paralisadas. Os profissionais da educação do Amapá e Amazonas também já entraram em greve, ainda neste mês, reivindicando direitos.

 

A adesão é ainda maior na Baixada Cuiabana, onde 70% das escolas estão de portas fechadas. As estimativas são do governo do estado, que já determinou o corte de ponto dos grevistas.

 

Foto: Sintep-MT/Divulgação

A greve começou na segunda-feira e foi deflagrada por tempo indeterminado. Entre as principais reivindicações da categoria está o reajuste salarial de 7,69%, conforme acordo feito há cinco anos.

 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso, Valdeir Pereira, afirma que os profissionais decidiram pela greve depois do esgotamento das negociações com o governo.

 

O secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Mauro Carvalho, argumenta que o estado paga o terceiro maior salário do país aos professores da rede estadual: uma média de R$ 5.800 reais.

 

De acordo com Carvalho, não é possível arcar com o reajuste de 7,69%, reivindicado pelos profissionais da educação. Nesta sexta-feira, os representantes sindicais dos profissionais de educação se reúnem com o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes.

 

Além do reajuste salarial, eles pedem a convocação de professores concursados e a reforma de 400 escolas que estariam em condições ruins ou péssimas.

 

     
Cidades

Após greve no AP e AM, profissionais da educação de MT suspendem aulas em mais de 300 escolas

Entre as principais reivindicações da categoria está o reajuste salarial de 7,69%

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Cerca de 42% das escolas de Mato Grosso estão sem aula por causa da greve dos profissionais de educação. São aproximadamente 322 escolas paralisadas. Os profissionais da educação do Amapá e Amazonas também já entraram em greve, ainda neste mês, reivindicando direitos.

 

A adesão é ainda maior na Baixada Cuiabana, onde 70% das escolas estão de portas fechadas. As estimativas são do governo do estado, que já determinou o corte de ponto dos grevistas.

 

Foto: Sintep-MT/Divulgação

A greve começou na segunda-feira e foi deflagrada por tempo indeterminado. Entre as principais reivindicações da categoria está o reajuste salarial de 7,69%, conforme acordo feito há cinco anos.

 

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso, Valdeir Pereira, afirma que os profissionais decidiram pela greve depois do esgotamento das negociações com o governo.

 

O secretário-chefe da Casa Civil de Mato Grosso, Mauro Carvalho, argumenta que o estado paga o terceiro maior salário do país aos professores da rede estadual: uma média de R$ 5.800 reais.

 

De acordo com Carvalho, não é possível arcar com o reajuste de 7,69%, reivindicado pelos profissionais da educação. Nesta sexta-feira, os representantes sindicais dos profissionais de educação se reúnem com o governador de Mato Grosso, Mauro Mendes.

 

Além do reajuste salarial, eles pedem a convocação de professores concursados e a reforma de 400 escolas que estariam em condições ruins ou péssimas.

 

     

TAG mato grossoeducacaogreve dos professores