Educação

Universidade do Pará terá primeiro curso de Pedagogia Bilíngue EaD do Brasil

Curso formará professores, gestores educacionais e pessoas com surdez aptas a atuar na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Portal Amazônia, com informações da Agência Pará

jornalismo@portalamazonia.com


A Universidade do Estado do Pará (Uepa), em 2017, irá ofertar 30 vagas para a graduação em Pedagogia Licenciatura na perspectiva Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais (Libras) e Língua Portuguesa. O curso de Educação a Distância (EaD), na modalidade semipresencial, é o primeiro no Brasil e partiu de uma parceria com o Ministério da Educação (MEC) por meio do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines/RJ). A Uepa é a única na esfera estadual a ser polo presencial da graduação.

O Manual do Candidato, Provas e Resultados, assim como todas as etapas da seleção estarão em Libras. Os candidatos cegos terão a prova ampliada e auxílio de ledor. A previsão é que o Edital seja divulgado ainda neste primeiro semestre de 2017.

O curso, com duração de quatro anos e meio, formará professores, gestores educacionais e pessoas com surdez aptas a atuar na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. A coordenadora da graduação, professora Maria Joaquina Nogueira, ressalta a necessidade de formar profissionais preparados a ensinar a primeira língua dos surdos.

 

 

 

Curso será semipresencial. Foto: Nailana Thiely/Ascom Uepa

 

“O curso vem para suprir a lacuna na Educação Infantil. Temos o índice de 95% de crianças surdas que são filhos de pais ouvintes. A escola é o local para a criança aprender a sua língua natural. A maioria dos professores não estão preparados. São raras as exceções. Nada mais digno para a criança do que aprender a Língua Brasileira de Sinais”, ressalta a educadora.

Sala do Futuro

Para fortalecer o processo de ensino e aprendizagem dos futuros acadêmicos do curso, a Uepa contará com o que há de mais tecnológico em sala de aula. O Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), Campus I da Uepa, terá a Sala Revoluti, também conhecida como Sala do Futuro. O nome se justifica ao fato de o ambiente escolar não ter lousa magnética e obedecer a inovadora estrutura de mesas e cadeiras.

Na Sala do Futuro haverá um computador acoplado na mesa de cada aluno. As mesas informatizadas são totalmente flexíveis, facilitando a formação de duplas e trios. A sala ampla, totalmente climatizada, permite a locomoção do professor e dos próprios alunos entre as mesas e cadeiras, com possibilidades na mudança do layout, conforme as atividades.

O espaço levará o nome do surdo que impulsionou a criação da Associação de Surdos de Belém, Claudio Tholstoi Pinto. A sala será apresentada à comunidade acadêmica na próxima terça-feira, 21 de fevereiro, após reunião programada para as 14h30, com a coordenação geral do Ines.

O convênio com o Ines, referência em educação de surdos, foi firmado em 18 de junho de 2016 e está fechado pelos próximos cinco anos. Durante esse tempo o curso abrirá o total de 150 vagas, 30 em cada ano. A gestão superior da universidade com a direção do CCSE trabalhou intensamente para que o curso se tornasse realidade.

Com essa graduação, a Uepa reforça o cumprimento do Plano Nacional dos Direitos de Pessoas com Deficiência – Plano Viver sem Limite, ao propor a formação docente baseada na realidade multilíngue do país e assegurando os direitos linguísticos das pessoas surdas.

 


Educação

Universidade do Pará terá primeiro curso de Pedagogia Bilíngue EaD do Brasil

Curso formará professores, gestores educacionais e pessoas com surdez aptas a atuar na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental

Portal Amazônia, com informações da Agência Pará

jornalismo@portalamazonia.com


A Universidade do Estado do Pará (Uepa), em 2017, irá ofertar 30 vagas para a graduação em Pedagogia Licenciatura na perspectiva Bilíngue – Língua Brasileira de Sinais (Libras) e Língua Portuguesa. O curso de Educação a Distância (EaD), na modalidade semipresencial, é o primeiro no Brasil e partiu de uma parceria com o Ministério da Educação (MEC) por meio do Instituto Nacional de Educação de Surdos (Ines/RJ). A Uepa é a única na esfera estadual a ser polo presencial da graduação.

O Manual do Candidato, Provas e Resultados, assim como todas as etapas da seleção estarão em Libras. Os candidatos cegos terão a prova ampliada e auxílio de ledor. A previsão é que o Edital seja divulgado ainda neste primeiro semestre de 2017.

O curso, com duração de quatro anos e meio, formará professores, gestores educacionais e pessoas com surdez aptas a atuar na Educação Infantil e nas séries iniciais do Ensino Fundamental. A coordenadora da graduação, professora Maria Joaquina Nogueira, ressalta a necessidade de formar profissionais preparados a ensinar a primeira língua dos surdos.

 

 

 

Curso será semipresencial. Foto: Nailana Thiely/Ascom Uepa

 

“O curso vem para suprir a lacuna na Educação Infantil. Temos o índice de 95% de crianças surdas que são filhos de pais ouvintes. A escola é o local para a criança aprender a sua língua natural. A maioria dos professores não estão preparados. São raras as exceções. Nada mais digno para a criança do que aprender a Língua Brasileira de Sinais”, ressalta a educadora.

Sala do Futuro

Para fortalecer o processo de ensino e aprendizagem dos futuros acadêmicos do curso, a Uepa contará com o que há de mais tecnológico em sala de aula. O Centro de Ciências Sociais e Educação (CCSE), Campus I da Uepa, terá a Sala Revoluti, também conhecida como Sala do Futuro. O nome se justifica ao fato de o ambiente escolar não ter lousa magnética e obedecer a inovadora estrutura de mesas e cadeiras.

Na Sala do Futuro haverá um computador acoplado na mesa de cada aluno. As mesas informatizadas são totalmente flexíveis, facilitando a formação de duplas e trios. A sala ampla, totalmente climatizada, permite a locomoção do professor e dos próprios alunos entre as mesas e cadeiras, com possibilidades na mudança do layout, conforme as atividades.

O espaço levará o nome do surdo que impulsionou a criação da Associação de Surdos de Belém, Claudio Tholstoi Pinto. A sala será apresentada à comunidade acadêmica na próxima terça-feira, 21 de fevereiro, após reunião programada para as 14h30, com a coordenação geral do Ines.

O convênio com o Ines, referência em educação de surdos, foi firmado em 18 de junho de 2016 e está fechado pelos próximos cinco anos. Durante esse tempo o curso abrirá o total de 150 vagas, 30 em cada ano. A gestão superior da universidade com a direção do CCSE trabalhou intensamente para que o curso se tornasse realidade.

Com essa graduação, a Uepa reforça o cumprimento do Plano Nacional dos Direitos de Pessoas com Deficiência – Plano Viver sem Limite, ao propor a formação docente baseada na realidade multilíngue do país e assegurando os direitos linguísticos das pessoas surdas.

 

TAG Paraeducacaouepalibras