Publicidade

Música

Home > Cultura > null

Festival Amazonas de Ópera apresenta clássicos locais e nacionais neste fim

Entre as óperas que serão apresentadas este final de semana, estão: ‘Rossini por um fio’, ‘L’enfant et les Sortilèges’ e ‘Maria Stuarda’. Ingressos a partir de R$ 2,50

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


O 22º Festival Amazonas de Ópera (FAO) tem apresentações, nos próximos dias, no Hospital Joãozinho e no Teatro Amazonas. No hospital, neste sábado (4), tem o projeto Ópera Mirim, às 16h, com “Rossini por um fio”, em teatro de marionetes. O projeto também terá apresentação do espetáculo “L’enfant et les Sortilèges” (“O menino e os sortilégios”), no domingo (5), às 11h, no hall do Teatro Amazonas. Neste mesmo dia, às 19h, no Teatro Amazonas, tem a estreia nacional de “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti.


Em teatro de marionetes, “Rossini por um fio”, apresentado pelos artistas do Pequeno Teatro do Mundo, conta a história da vida do compositor italiano e de algumas de suas composições mais famosas. Durante o espetáculo, os artistas apresentam algumas das 39 óperas do compositor, entre elas, “Il Barbiere di Siviglia (O Barbeiro de Sevilha)”, “La Cenerentola (Cinderela)”, “La Gazza Ladra (A Pega Ladra)”, “Guilherme Tell” (título original em francês “Guillaume Tell”) e “Duetto buffo di due gatti” (Dueto dos Gatos). Esta última atribuída a Rossini.


Já “L’enfant et les Sortilèges” (O menino e os sortilégios) é uma fantasia lírica, uma metáfora da infância e do amadurecimento inspirada nos poemas de Gabrielle Colette. Conta a história de um menino que enfrenta suas emoções. Dois artistas – Fabiana e Fábio Retti – manipulam os 14 personagens do espetáculo que tem duração de 45 minutos.


O “Ópera Mirim” já foi apresentado para as crianças da Casa Vhida e do Hospital Infantil Dr Fajardo. Estará, ainda, nos municípios Santa Isabel do Rio Negro (17) e Benjamin Constant (18); no Centro de Educação em Tempo Integral (Ceti) Zilda Arns (29); e no hall do Teatro Amazonas (12 e 26).


Segundo o secretário estadual de Cultura, Marcos Apolo Muniz, o “Ópera Mirim’ segue uma das diretrizes da SEC, que visa a promoção e o fomento de ações que permitam maior acesso do cidadão à cultura, em um processo de descentralização.
 
Foto: Divulgação/Secom
 

Maria Stuarda


No domingo (5), às 19, o Teatro Amazonas será palco da estreia nacional de “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti. Com três horas de duração, incluindo os intervalos, “Maria Stuarda” será apresentada pela Amazonas Filarmônica, Coral do Amazonas e Núcleo de Teatro do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro. A direção musical e regência estarão a cargo do maestro Marcelo de Jesus, que destaca a ópera como importante no repertório belcantista, no qual o canto e a voz são as características principais da obra.


“A história envolve diversos elementos chamativos para o público. Mary era prima de Elizabeth e tinha direito ao trono da Inglaterra. Porém, Mary era católica e o reino inglês estava dominado pelo protestantismo, defendido por Elizabeth. Há intrigas políticas, sociais e religiosas”, pontua Marcelo de Jesus.


Quando estreou em 1835, em Milão, na casa de ópera La Scala, a obra tinha três atos. A versão crítica que será apresentada no Teatro Amazonas tem dois atos e é cantada em italiano. “A versão crítica tem um grande primeiro ato, com dois quadros, e um segundo ato, com um quadro. Como sempre no FAO, apresentamos a obra completa, sem nenhum corte”, explica Marcelo de Jesus.


Junto a “Anna Bolenna” e “Roberto Devereux”, “Maria Stuarda” faz parte das “Rainhas de Donizzetti”, obras baseadas no período Tudor (1485 – 1603). O enredo inicia com Mary aprisionada e mostra, desde o início, um grande confronto entre as duas rainhas.


O elenco de “Maria Stuarda” conta com Tatiana Carlos (soprano), como Elizabeth; Cristina Giannelli (soprano), como Mary; Dhijana Nobre (soprano), como Anna Kennedy; Paulo Mandarino (tenor), como Roberto, conde de Leicester; Fred Oliveira (barítono), como Cecil; e Pepes do Valle (baixo), como Talbot. A italiana Cristina Giannelli já interpretou Mary em três produções.


A ópera “Maria Stuarda” ainda terá apresentações nos dias 10, às 20h, e 12 de maio, às 19h, no Teatro Amazonas.

 
Foto:Divulgação/Secom
 

Sobre o 22º FAO


Em 2019, o FAO celebra o centenário de nascimento de Claudio Santoro com a apresentação da ópera “Alma”, do compositor e maestro amazonense. Também estão na programação “Tosca”, de Giacomo Puccini; e “Mater Dolorosa”, baseada na cantata “Stabat Mater Dolorosa”, de Giovanni Pergolesi. Na semana passada, foi apresentado “Ernani”, de Giuseppe Verdi, com casa lotada.


O FAO conta com programação nos teatros Amazonas e da Instalação, nos centros culturais Palácio Rio Negro e Palácio da Justiça, em shoppings, hospitais e escolas de Manaus, além de chegar ao interior. Os ingressos para o FAO 2019 estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas e pelo site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com/teatroamazonas), com valores que vão de R$ 2,50 a R$ 60.


A programação do festival abrange, ainda, o Recital Bradesco, com canções compostas por Claudio Santoro; o projeto “Ópera Mirim”; o encontro “Os Teatros de Ópera e a Economia Criativa na América Latina”, voltado para apresentar dados e casos de sucesso sobre a Indústria da Ópera na América Latina; o concerto do Dia das Mães; e Mulheres da Ópera.


Sobre o Bradesco Cultura


Com centenas de projetos patrocinados anualmente, o Bradesco acredita que a cultura é um agente transformador da sociedade. O Banco apoia iniciativas que contribuem para a sustentabilidade de manifestações culturais que acontecem de norte a sul do País, reforçando o seu compromisso com a democratização da arte. São eventos regionais, feiras, exposições, centros culturais, orquestras, musicais e muitos outros, além do Teatro Bradesco em São Paulo. Em 2019, estão previstas diversas atrações como o espetáculo OVO, do Cirque du Soleil, os festivais de Parintins e Tiradentes, as festas juninas de São João do Caruaru e Campina Grande e o Natal do Bradesco, em Curitiba. Segue em cartaz O Fantasma da Ópera.



 
Música

Festival Amazonas de Ópera apresenta clássicos locais e nacionais neste fim

Entre as óperas que serão apresentadas este final de semana, estão: ‘Rossini por um fio’, ‘L’enfant et les Sortilèges’ e ‘Maria Stuarda’. Ingressos a partir de R$ 2,50


O 22º Festival Amazonas de Ópera (FAO) tem apresentações, nos próximos dias, no Hospital Joãozinho e no Teatro Amazonas. No hospital, neste sábado (4), tem o projeto Ópera Mirim, às 16h, com “Rossini por um fio”, em teatro de marionetes. O projeto também terá apresentação do espetáculo “L’enfant et les Sortilèges” (“O menino e os sortilégios”), no domingo (5), às 11h, no hall do Teatro Amazonas. Neste mesmo dia, às 19h, no Teatro Amazonas, tem a estreia nacional de “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti.


Em teatro de marionetes, “Rossini por um fio”, apresentado pelos artistas do Pequeno Teatro do Mundo, conta a história da vida do compositor italiano e de algumas de suas composições mais famosas. Durante o espetáculo, os artistas apresentam algumas das 39 óperas do compositor, entre elas, “Il Barbiere di Siviglia (O Barbeiro de Sevilha)”, “La Cenerentola (Cinderela)”, “La Gazza Ladra (A Pega Ladra)”, “Guilherme Tell” (título original em francês “Guillaume Tell”) e “Duetto buffo di due gatti” (Dueto dos Gatos). Esta última atribuída a Rossini.


Já “L’enfant et les Sortilèges” (O menino e os sortilégios) é uma fantasia lírica, uma metáfora da infância e do amadurecimento inspirada nos poemas de Gabrielle Colette. Conta a história de um menino que enfrenta suas emoções. Dois artistas – Fabiana e Fábio Retti – manipulam os 14 personagens do espetáculo que tem duração de 45 minutos.


O “Ópera Mirim” já foi apresentado para as crianças da Casa Vhida e do Hospital Infantil Dr Fajardo. Estará, ainda, nos municípios Santa Isabel do Rio Negro (17) e Benjamin Constant (18); no Centro de Educação em Tempo Integral (Ceti) Zilda Arns (29); e no hall do Teatro Amazonas (12 e 26).


Segundo o secretário estadual de Cultura, Marcos Apolo Muniz, o “Ópera Mirim’ segue uma das diretrizes da SEC, que visa a promoção e o fomento de ações que permitam maior acesso do cidadão à cultura, em um processo de descentralização.
 
Foto: Divulgação/Secom
 

Maria Stuarda


No domingo (5), às 19, o Teatro Amazonas será palco da estreia nacional de “Maria Stuarda”, de Gaetano Donizetti. Com três horas de duração, incluindo os intervalos, “Maria Stuarda” será apresentada pela Amazonas Filarmônica, Coral do Amazonas e Núcleo de Teatro do Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro. A direção musical e regência estarão a cargo do maestro Marcelo de Jesus, que destaca a ópera como importante no repertório belcantista, no qual o canto e a voz são as características principais da obra.


“A história envolve diversos elementos chamativos para o público. Mary era prima de Elizabeth e tinha direito ao trono da Inglaterra. Porém, Mary era católica e o reino inglês estava dominado pelo protestantismo, defendido por Elizabeth. Há intrigas políticas, sociais e religiosas”, pontua Marcelo de Jesus.


Quando estreou em 1835, em Milão, na casa de ópera La Scala, a obra tinha três atos. A versão crítica que será apresentada no Teatro Amazonas tem dois atos e é cantada em italiano. “A versão crítica tem um grande primeiro ato, com dois quadros, e um segundo ato, com um quadro. Como sempre no FAO, apresentamos a obra completa, sem nenhum corte”, explica Marcelo de Jesus.


Junto a “Anna Bolenna” e “Roberto Devereux”, “Maria Stuarda” faz parte das “Rainhas de Donizzetti”, obras baseadas no período Tudor (1485 – 1603). O enredo inicia com Mary aprisionada e mostra, desde o início, um grande confronto entre as duas rainhas.


O elenco de “Maria Stuarda” conta com Tatiana Carlos (soprano), como Elizabeth; Cristina Giannelli (soprano), como Mary; Dhijana Nobre (soprano), como Anna Kennedy; Paulo Mandarino (tenor), como Roberto, conde de Leicester; Fred Oliveira (barítono), como Cecil; e Pepes do Valle (baixo), como Talbot. A italiana Cristina Giannelli já interpretou Mary em três produções.


A ópera “Maria Stuarda” ainda terá apresentações nos dias 10, às 20h, e 12 de maio, às 19h, no Teatro Amazonas.

 
Foto:Divulgação/Secom
 

Sobre o 22º FAO


Em 2019, o FAO celebra o centenário de nascimento de Claudio Santoro com a apresentação da ópera “Alma”, do compositor e maestro amazonense. Também estão na programação “Tosca”, de Giacomo Puccini; e “Mater Dolorosa”, baseada na cantata “Stabat Mater Dolorosa”, de Giovanni Pergolesi. Na semana passada, foi apresentado “Ernani”, de Giuseppe Verdi, com casa lotada.


O FAO conta com programação nos teatros Amazonas e da Instalação, nos centros culturais Palácio Rio Negro e Palácio da Justiça, em shoppings, hospitais e escolas de Manaus, além de chegar ao interior. Os ingressos para o FAO 2019 estão à venda na bilheteria do Teatro Amazonas e pelo site Bilheteria Digital (www.bilheteriadigital.com/teatroamazonas), com valores que vão de R$ 2,50 a R$ 60.


A programação do festival abrange, ainda, o Recital Bradesco, com canções compostas por Claudio Santoro; o projeto “Ópera Mirim”; o encontro “Os Teatros de Ópera e a Economia Criativa na América Latina”, voltado para apresentar dados e casos de sucesso sobre a Indústria da Ópera na América Latina; o concerto do Dia das Mães; e Mulheres da Ópera.


Sobre o Bradesco Cultura


Com centenas de projetos patrocinados anualmente, o Bradesco acredita que a cultura é um agente transformador da sociedade. O Banco apoia iniciativas que contribuem para a sustentabilidade de manifestações culturais que acontecem de norte a sul do País, reforçando o seu compromisso com a democratização da arte. São eventos regionais, feiras, exposições, centros culturais, orquestras, musicais e muitos outros, além do Teatro Bradesco em São Paulo. Em 2019, estão previstas diversas atrações como o espetáculo OVO, do Cirque du Soleil, os festivais de Parintins e Tiradentes, as festas juninas de São João do Caruaru e Campina Grande e o Natal do Bradesco, em Curitiba. Segue em cartaz O Fantasma da Ópera.



 

TAG Festival Amazonas de OperaRossini por um fioamazonas