Sidebar Menu

Manaus 30º • Nublado
Sábado, 05 Dezembro 2020

"Precisa de financiamento", diz presidente da Campus Party sobre possível edição em Manaus

"Precisa de financiamento", diz presidente da Campus Party sobre possível edição em Manaus
A Campus Party é um dos maiores eventos de tecnologia do mundo, e talvez, o Amazonas possa ganhar uma edição para chamar de sua. Durante uma reunião com empresários, startups, amantes de ciência e tecnologia, além de representantes de universidades, o presidente do evento, Francesco Farruggia, afirmou que é necessário investimentos de todos os setores.

“A Campus Party não é uma feira, não se compra e nem se vende nada. Não é um show. Precisa de financiamento para poder acontecer, como todo grande evento mundial como a Copa do Mundo, Fórmula 1. E um lugar grande. Estamos viabilizando as condições para que se -exercite uma a candidatura de Manaus como potencial realizador de uma Campus Party”, destacou Farruggia.

O encontro com Farruggia aconteceu na sede do Grupo Rede Amazônica, os parceiros prestaram atenção na apresentação do presidente do Campus Party. Ele contou que a Campus já conquistou um público amazonense cativo, que parte religiosamente em caravana para São Paulo participar das edições. A ideia é trazer para Manaus o evento completo com duração de 4 dias, 24 horas sem parar e mais de 400 horas de conteúdos.

O evento seria uma oportunidade perfeita para que pesquisadores de universidades e institutos de pesquisa divulguem suas ideias e, quem sabe, atraiam investidores. 
Foto: Reprodução/Rede Amazônica
Visibilidade

“O evento reúne as pessoas que mexem com a parte tecnológica, os investidores. É um evento grandiosíssimo e vai deixar em evidência tudo o que a gente faz para o mundo todo, não só para o Brasil, tem uma capilaridade internacional, inclusive de investimento. A Ufam tem grande interesse porque temos institutos que tramitam nesta área, inclusive de tecnologia. Vai deixar em evidência o que a gente faz para o mundo todo” , disse o assessor de modernização da Universidade Federal do Amazonas, o professor Irineu Vitorino.

Além de divulgar a produção da região, o evento pode incentivar o empreendedorismo, como observou o acadêmico Airton Sena, de 23 anos, que há seis meses criou uma startup.

“Os empreendedores jovens não tem muita visão do que acontece lá fora, a Campus Party pode trazer uma motivação muito grande. Muitos jovens têm ideia, mas não sabem o que fazer, querem empreender mas não sabem como começar”, apontou.

História de sucesso

A Campus teve sua primeira edição na Espanha em 1997. De lá para cá, já passou por mais de 30 países e funciona como uma grande vitrine para divulgar as criações e inovações científicas e tecnológicas desta nova fase da Economia Digital, apontada por Farruggia.

“Estamos saindo da economia industrial e entrando na digital. A economia industrial estava concentrada em polos como Minas Gerais, São Paulo. A digital democratiza e abre para qualquer região do mundo. Você pode ter um garoto aqui que cria alguma coisa que vai mudar o mundo. Eles precisam só de oportunidade, de mostrar o que estão fazendo e o que pensam, ter protagonismo. A campus Party os empodera. É uma vitrina especializada”, disse o presidente.

Veja mais notícias sobre Ciência e Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Sábado, 05 Dezembro 2020

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/