Manaus 30º • Nublado
Quarta, 19 Janeiro 2022

Proliferação de escorpiões preocupa moradores de Guajará em Rondônia

Proliferação de escorpiões preocupa moradores de Guajará em Rondônia
Foto: Divulgação/Prefeitura de Formiga
A proliferação de escorpiões na zona urbana de Guajará-Mirim, em Rondônia, se tornou uma preocupação para os moradores dos 15 bairros do município localizado a cerca de 330 quilômetros de Porto Velho. De acordo com o Núcleo de Vigilância Epidemiológica e Ambiental (Nuvepa), nos últimos dois anos foram mapeados 75 pontos onde foram capturadas várias espécies de escorpiões.

Em 2016 foram registrados quatro acidentes com animais peçonhentos, porém, muitos casos não são computados na rede de dados do órgão porque geralmente as vítimas não vão ao pronto socorro do Hospital Regional ou não fazem a devida notificação no setor de vigilância ambiental. As informações são do G1 Rondônia.

Ainda de acordo com o Nuvepa, os principais motivos para a proliferação dos escorpiões são o desmatamento desenfreado e a grande quantidade de queimadas na Zona Rural, que acaba atraindo os animais peçonhentos para a área urbana. O bairro com maior incidência de capturas é o Santa Luzia, com 38 notificações registradas.

Para a dona de casa Altamira Cardozo, de 59 anos, que já foi picada por um escorpião, o cuidado passou a ser redobrado. “Dói muito, pisei nele e senti a picada, mas felizmente não tive problemas mais graves. Agora vasculho cada canto da casa e tenho mais atenção na limpeza, principalmente debaixo dos móveis”, diz.

Já o pintor Sebastião Dória nunca foi picado, mas conta que constantemente vê escorpiões, cobras e aranhas no quintal de casa, que faz divisa com um terreno baldio. “Vejo direto, inclusive já notifiquei o Nuvepa. Já matei duas cobras que estavam perto da porta da cozinha e sempre tem aranhas e escorpiões, principalmente depois da chuva”, conta o morador.

Curso para manejo e identificação de animais peçonhentos

Neste sábado (10), será realizado o 1º Curso sobre Animais Peçonhentos em Guajará-Mirim, com enfoque no manejo, identificação e primeiros socorros para picadas ou mordidas. A capacitação foi idealizada e organizada pelas biólogas Caroline Mitsutake e Yasminne McComb em parceria com a Associação Cultural Waraji e o Grupo Sementes da Pérola, com carga horária de 15 horas de teoria e prática.

Segundo Caroline, que já exerceu o cargo de secretária municipal de meio ambiente (Semma), o curso foi planejado porque a cidade possui mais de 90% de áreas verdes preservadas por lei e que é bastante comum ocorrências de acidentes com animais peçonhentos, principalmente com escorpiões, cobras e aranhas na Zona Rural.

“A importância do curso é beneficiar os inscritos no que diz respeito à biodiversidade manejo, identificação e primeiros socorros. Grande parte da população é adepta e fazer trilhas e caçar, então caso ocorra algum incidente poderá ser feito os procedimentos que podem até mesmo salvar uma vida”, declara a pesquisadora.

Está é a primeira vez que haverá uma capacitação abordando o cuidado com animais peçonhentos no município com um especialista da área. Os interessados em participar do curso podem obter mais informações sobre o valor da inscrição e cronograma previsto pro meio dos telefones (69) 999693938 ou (69) 999032462.

Veja mais notícias sobre Meio Ambiente.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quarta, 19 Janeiro 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/