Manaus 30º • Nublado
Terça, 19 Outubro 2021

El Niño causa devastação mas oferece lições para ecologistas no Peru

El Niño causa devastação mas oferece lições para ecologistas no Peru
Amazônia Peruana. Foto: Divulgação/USP Imagens
Chuvas torrenciais na região norte do Peru em fevereiro e março provocaram inundações que mataram pelo menos 113 pessoas e destruíram cerca de 40 mil casas. Enquanto o governo e as famílias lidam com as perdas e os reparos, cientistas se preparam para estudar ecossistemas que estão décadas sem chuva. Graças a um incomum El Niño, as chuvas que inundaram o país também fizeram rios perenes voltarem a vida e fazerem todo um ecossistema voltar a crescer.

"Exceto pelos impactos sobre as pessoas", diz o biólogo Juan Torres, da Universidade Agrária Nacional de La Molina, em Lima, "este é um momento meteorologicamente encantador".

Torres visitou locais de campo após um outro poderoso El Niño que aconteceu em 1997. Naquela época, Torres encontrou parentes selvagens de culturas domésticas - incluindo tomate, pimentão, batata e abóbora - que brotaram de sementes dormentes. Este ano, ele irá novamente catálogo plantas silvestres, juntamente com as culturas que os agricultores escolhem para crescer em terras férteis pela inundação.

A chuva caiu sobre parte do deserto do norte, mas também há remendos de uma floresta seca que foi devastada nos últimos anos pela agricultura industrial, pela expansão urbana e o comércio de carvão vegetal. Oliver Whaley no Royal Botanic Gardens, em Kew, em Londres, estudou as florestas secas do Peru por 25 anos e espera que a chuva traga um novo momento para o ecossistema.

Uma espécie de árvore importante, conhecida localmente como huarango (Prosopis spp.), tem estado em rápido declínio, em parte devido à pressão de insetos e fungos. As inundações podem ter lavado as pragas de insetos. A botânica peruana Ana Juárez examinará a área mais adiante com Whaley em maio, mas não viu nenhum inseto nas árvores perto dela desde as chuvas. Isso é um bom sinal, mas a contínua destruição da floresta seca parece ter exacerbado a erosão e as inundações das tempestades.

Imagens de satélite mostram os rios Tumbes e Chira, que cortam o país, transbordando e espalhando sedimentos ricos em nutrientes sobre áreas de terras agrícolas.

Isso é o que os rios devem fazer, diz Jorge Abad, engenheiro civil da Universidade de Engenharia e Tecnologia de Lima. Mas essas cheias causaram danos porque os rios foram canalizados, represados ​​e dragados sem considerar o fluxo de sedimentos, diz ele, acrescentando que uma melhor modelagem permitiria aos engenheiros melhorar o controle de inundações e reduzir o risco de desastres futuro.

As chuvas também levaram lixo, metais e produtos químicos de cidades, operações de mineração e terras agrícolas para o Oceano Pacífico. Isso preocupa Carlos Zavalaga da Universidade Científica do Sul em Lima, que estuda as aves marinhas que vivem ao longo da costa peruana.

Águas costeiras quentes podem expulsar escolas de anchovas peruanas (Engraulis ringens), roubando aves guano produtoras de sua principal fonte de alimento e levando-as a caçar em outros lugares. Em fevereiro, dois terços dos corvos-marinhos de Guanay (Phalacrocorax bougainvillii) em Punta San Juan, na costa centro-sul, haviam abandonado seus ninhos. Além do impacto sobre o ecossistema, a perda dessas aves reduzirá o acúmulo de guano, que ainda é extraído na área. Zavalaga planeja fazer um levantamento da situação nas próximas semanas e analisar o sangue de aves e penas de contaminantes trazidas pelas chuvas.

Ninguém previu o desastre deste ano até que fosse tarde demais. Os cientistas esperavam o grande El Niño de 2015-16, mas os efeitos desse sistema foram silenciados na América do Sul. E mesmo que as chuvas deste ano sejam comparáveis ​​àquelas causadas pelo grande El Niño de 1997-98, as causas são diferentes.

Isso levanta questões para os cientistas do clima, diz Rodney Martínez, oceanógrafo no Centro Internacional de Pesquisa sobre o Fenômeno El Niño em Guayaquil, Equador. Ele diz que os cientistas precisam de uma melhor compreensão desses atípicos El Niños costeiros.

Mas os estudos podem ser minados pela falta de financiamento. As bóias de monitoramento oceânico estabelecidas por cientistas peruanos e equatorianos após o El Niño de 1997-98 foram vandalizadas e nunca reparadas, e o conjunto de instrumentos Oceano Tropical Oceano Pacífico sofre de deterioração e cortes orçamentários.

"O que vimos no Equador e no Peru é uma evidência retumbante da importância de gerenciar os ecossistemas para a prevenção de eventos extremos", diz Martínez. "Isso ainda não está totalmente incluído na gestão de risco."

Veja mais notícias sobre Ciência e Tecnologia.

Veja também:

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Terça, 19 Outubro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/