Manaus 30º • Nublado
Domingo, 26 Setembro 2021

Educação empreendedora

Educação empreendedora

Muitos acreditam que empreendedorismo seja uma qualidade de alguns poucos brindados com uma configuração genética apropriada. Há outros que acham que todos nascem com a capacidade empreendedora. Como o gene do empreendedor ainda não foi isolado, essa disputa não tem fim. O seminário “Renovar Idéias”, que o Instituto Teotônio Vilela promove amanhã e sexta-feira, decidiu abrir um espaço para discutir essa questão. 

O debate é importante porque essas duas concepções resultam em práticas e propostas educacionais diferentes. Se o empreendedor é alguém geneticamente diferente, a tarefa educacional será a de pinçar quem nasceu empreendedor, identificar quem tem a estrela na testa, para lapidar o seu potencial. Por outro lado, se todos nascemos empreendedores, as propostas educacionais deverão ser universalizantes, democráticas e includentes. 

O empreendedor é alguém que provê, de forma independente, o próprio sustento. É alguém que oferece valor positivo para a comunidade. Somente esse critério nos permite distinguir o empreendedor proprietário de uma boa escola daquele que opera no tráfico de drogas. Ambos podem ser talentosos e eficazes, mas um oferece valor positivo para a coletividade enquanto o outro subtrai. 

O sistema educacional, estruturou-se para “formar” competências para a indústria, sob a forma de emprego. A descrição de cargos molda o currrículo escolar. Por isso, desde sempre alguns temas foram banidos ou não incluídos nos programas escolares: autoconhecimento, auto-estima, criatividade, inovação, identificação de oportunidades, ideologia, política, democracia e cooperação. Eles seriam dispensáveis em um sistema que transforma pessoas em mão-de-obra. Na escola não se pergunta ao aluno: qual é o seu sonho? Certamente porque sonhar é perigoso. 

O mundo mudou e a era pós-industrial pede protagonismo, rebeldia, inovação. As escolas devem aprender a preparar especialistas naquilo que não existe – tarefa rotineira do empreendedor. O emprego ainda existe, mas não é mais o canal óbvio (nem recomendável) para o trabalho. O profissional tem que ser capaz de conceber sistemas, não somente de operá-los. Deve estar preparado para lidar com a complexidade e estabelecer múltiplas interfaces com o ambiente em que atua. 

Quando a especialização significa uma única conexão, o emprego se dá sob uma forte relação de dependência. Este é o dever de casa que o nosso sistema educacional ainda não fez. A atividade empreendedora não é um fenômeno individual. Nasce da capacidade dos membros de uma comunidade se associarem para enfrentar problemas e prosperar através das próprias escolhas. Por isso, depende da democracia e da cooperação. 

Vamos a um caso real surgido a partir da nossa proposta de educação empreendedora para crianças e adolescentes, em escolas de comunidades pobres. Ocorreu, em 2002, Nela, os alunos estudam empreendedorismo e respondem a duas perguntas: “Qual é o seu sonho?” e “O que você vai fazer para realizá-lo?” Quando a professora fez essas perguntas, um aluno de 15 anos respondeu: “Quero traficar drogas porque minha mãe passa fome”. 

Era a única forma de ganhar dinheiro que julgava estar a seu alcance. Vários colegas “entraram” no sonho do menino. E eles criaram a Tá Limpo, uma pequena fábrica de material de limpeza, com logomarca, folder e seis produtos. A professora de ciências deu a fórmula – isso começou em 2002. O adolescente não entrou no tráfico e sua mãe teve três pratos de comida por dia. A Tá Limpo existe e incorporou adultos da vizinhança Notem que o estímulo não foi “Abram uma empresa”; foi algo dirigido à emoção daqueles meninos dependentes, e os transformou em cidadãos. “Qual é o seu sonho?” Com isso, eles se sentiram autores, a auto-estima renasceu. 

Esse é um dos centenas de casos que tenho visto. São todos diferentes. Mas fica evidente que o caminho está em devolver a dignidade às pessoas e derrubar o mito de que empreendedorismo é coisa de rico.

Veja mais notícias sobre Flávio Lauria.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Domingo, 26 Setembro 2021

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/