Manaus 30º • Nublado
Quinta, 18 Agosto 2022

Empresa italiana quer comprar óleos da floresta do Acre

RIO BRANCO - A extração de óleos vegetais da Amazônia pode se tornar um dos maiores trunfos para mantê-la em pé. O interesse por esses produtos está se expandindo por todo o planeta e a Fundação de Tecnologia do Acre (Funtac) vem divulgando o potencial dessas substâncias.
Acompanhados de Sílvia Luciane Basso, pesquisadora e diretora técnica da Funtac, dois italianos, Giovanni Moretti e Paolo Lavagetto, visitaram a fábrica de óleo de murmuru da Comunidade Nova Cintra e a Cooperativa do Igarapé Branco, situada no Ramal 3 do Projeto Santa Luzia, ambas na zona rural de Cruzeiro do Sul, e ainda a fábrica de extração de óleos, no município de Mâncio Lima.
Moretti é um amigo do Acre desde os tempos de Chico Mendes. É um entusiasta da preservação da floresta e faz um trabalho de porta-voz dos produtos da floresta junto a empresas italianas e suíças. Lavagetto é diretor-industrial da Parodi Nutra, empresa italiana que trabalha apenas com a comercialização de óleos naturais.


A fábrica de óleos da Comunidade Nova Cintra tem 29 sócios efetivos. Foto: Onofre Brito/Agência Acre
A Parodi Nutra, além de comercializar óleos da Amazônia na Europa e Estados Unidos, também pretende montar uma fábrica de refino de óleos em Rio Branco.
Óleos do Juruá
A fábrica de óleos da Comunidade Nova Cintra visitada pelos italianos foi montada pelo governo do Estado e entregue à administração da Cooperativa Nova Cintra. A cooperativa tem 29 sócios efetivos e 270 famílias de sócios-coletores espalhados por 52 comunidades ao longo do Rio Juruá, desde Ipixuna, no Amazonas, até Porto Walter no Acre, que recolhem o coco murmuru.
Neste ano a empresa recebeu dos coletores 5.645 sacas de cerca de 43 quilos com casca. De cada saco de coco, depois de passar por todo o processamento, pode ser extraído entre 2,5 a 3 litros de óleo.
O técnico florestal e diretor-financeiro da cooperativa, José Queiroz, o “Jotinha”, explica que, com a atual estrutura de galpões, a fábrica pode beneficiar até sete mil sacas de murmuru. O presidente da cooperativa, Rivaldo Pereira da Costa, admite que se o mercado do produto aumentar pode ser feito um projeto para ampliação da fábrica. “Matéria-prima nós temos”, disse.
Darci Mendes mostra o óleo de buriti. Foto: Flaviano Schneider/Agência Pará
Com o presidente da Cooperativa do Igarapé Branco, Darci Mendes, os italianos obtiveram dados importantes sobre diversos óleos da floreta, época da safra e preços praticados atualmente.
A cooperativa produz de forma artesanal óleos de açaí, patoá, buriti, andiroba, cocão, copaíba e tucumã. Segundo Mendes, tendo mercado, a produção pode ser expandida. Ele calcula que a região pode produzir cerca de três toneladas anuais de óleo de açaí e de buriti, duas toneladas de patoá e cocão e uma tonelada de óleo de andiroba e de copaíba.
A fábrica de extração de óleos de Mâncio Lima – construída pelo governo do Estado – produz especialmente óleo de buriti, mas para seu diretor Manoel Bezerra, se houver mercado certo, vários outros vegetais podem ser utilizados para extração de óleos.

Veja mais notícias sobre Cidades.

 

Comentários:

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitante
Quinta, 18 Agosto 2022

Ao aceitar, você acessará um serviço fornecido por terceiros externos a https://portalamazonia.com/