Publieditorial

Cuidados com coberturas de prédios são de acordo com o tipo, explica especialista

Exposição ao clima, estrutura escolhida, material usado, cada detalhe deve ser pensado para que a estrutura não sofra danos


Com duas estações climáticas bem definidas no Amazonas, o inverno e o verão, as coberturas de prédios sofrem tanto com o excesso de exposição ao sol quanto com chuvas. Mas o que pode ser feito para evitar o desgaste acelerado ou danificações em função disso?

"A região de Manaus possui uma intensidade pluviométrica bem característica. Assim, periodicamente é preciso fazer verificações nas condições da cobertura, como telhas, parafusos, madeiramento etc. Se a cobertura for de laje, é preciso verificar basicamente como está sua impermeabilização, se há fissuras ou empoçamentos, entre outros fatores", explica o engenheiro civil de Manaus (AM) na empresa Quartzo Engenharia Diagnóstica & Gerenciamento, Thiago Maron.

Assim, o primeiro passo é entender como funciona a cobertura de acordo com seu tipo, seja telhado ou laje. "As mais tradicionais são a laje impermeabilizada e o telhado propriamente dito, que pode ser de fibrocimento, cerâmico, telha sanduíche etc. Este último modelo está sendo bastante difundido aqui na região, pois é composto de duas telhas, normalmente metálicas, 'recheadas' com um material isolante, normalmente isopor, o que resulta num excelente conforto térmico para o ambiente", exemplifica o engenheiro.

Telhado verde

Alternativa mundialmente difundida é o chamado telhado verde. "Nada mais é do que a instalação de um jardim na cobertura de um prédio. Isto é muito importante para gerar maior conforto térmico, pois as plantas absorvem o calor, e melhorar a permeabilidade do terreno, além de ter um apelo ecológico bem forte", informa Maron.
 

Foto: Reprodução/Shutterstock 

 

"Entretanto, este tipo de cobertura precisa de muito mais cuidados que uma cobertura convencional, em especial quanto à sua impermeabilização. O principal problema é o crescimento das raízes, que, se não for controlado, pode danificar a camada impermeabilizante, causando várias infiltrações; assim, a escolha das plantas deve ser feito por um profissional qualificado, bem como sua manutenção precisa ocorrer dentro de níveis aceitáveis", avisa.

Outro fator para o qual Maron chama atenção nessa alternativa é quanto ao peso das plantas escolhidas. É necessário atenção ao acréscimo de peso à estrutura, ainda mais em períodos de chuva quando o solo está encharcado e pode sobrecarregar a estrutura.

Energia solar e eólica

Outra alternativa é o uso da área da cobertura como fonte de energia. "As principais alternativas atualmente são o uso para células fotovoltaicas (energia solar) e aproveitamento do vento (captadores eólicos). Novamente, apesar de trazerem muitos benefícios, tanto ecológicos como econômicos, é preciso que tudo seja muito bem analisado para que não haja sobrecarga na estrutura nem danos à sua impermeabilização", defende Maron.

De acordo com o engenheiro, prédios mais antigos ou que não possuam muito espaço na área do térreo também podem utilizar a cobertura como uma área de lazer, por exemplo, normalmente encontrados em hotéis. "Em todos os casos, e neste último em especial, é obrigatória a análise por um engenheiro civil ou arquiteto, que irá analisar os impactos à edificação e indicar o que pode ou não ser feito", recomenda.

Quartzo Engenharia 

A Quartzo Engenharia Diagnóstica & Gerenciamento foi fundada em 2011 e é filiada ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia do Amazonas (IBAPE-AM). Desde então, se especializou em análises e perícias de problemas em edifícios, casas e condomínios. A empresa realiza vistoria e inspeção da saúde e segurança de edificações, além de Assessoria Condominial em Engenharia, um serviço técnico voltado para esclarecer questões de construção e engenharia civil em condomínios. O serviço contempla também a análise de projetos de reforma e a fiscalização periódica de obras.

O escritório está localizado no Edifício Rio Negro Center, na sala nº 508, na Rua 24 de Maio, Centro. Para mais informações: (92) 3346-6818 ou atendimento@quartzoengenharia.com.  


Publieditorial

Cuidados com coberturas de prédios são de acordo com o tipo, explica especialista

Exposição ao clima, estrutura escolhida, material usado, cada detalhe deve ser pensado para que a estrutura não sofra danos

Clarissa Bacellar

clarissa.bacellar@portalamazonia.com


Com duas estações climáticas bem definidas no Amazonas, o inverno e o verão, as coberturas de prédios sofrem tanto com o excesso de exposição ao sol quanto com chuvas. Mas o que pode ser feito para evitar o desgaste acelerado ou danificações em função disso?

"A região de Manaus possui uma intensidade pluviométrica bem característica. Assim, periodicamente é preciso fazer verificações nas condições da cobertura, como telhas, parafusos, madeiramento etc. Se a cobertura for de laje, é preciso verificar basicamente como está sua impermeabilização, se há fissuras ou empoçamentos, entre outros fatores", explica o engenheiro civil de Manaus (AM) na empresa Quartzo Engenharia Diagnóstica & Gerenciamento, Thiago Maron.

Assim, o primeiro passo é entender como funciona a cobertura de acordo com seu tipo, seja telhado ou laje. "As mais tradicionais são a laje impermeabilizada e o telhado propriamente dito, que pode ser de fibrocimento, cerâmico, telha sanduíche etc. Este último modelo está sendo bastante difundido aqui na região, pois é composto de duas telhas, normalmente metálicas, 'recheadas' com um material isolante, normalmente isopor, o que resulta num excelente conforto térmico para o ambiente", exemplifica o engenheiro.

Telhado verde

Alternativa mundialmente difundida é o chamado telhado verde. "Nada mais é do que a instalação de um jardim na cobertura de um prédio. Isto é muito importante para gerar maior conforto térmico, pois as plantas absorvem o calor, e melhorar a permeabilidade do terreno, além de ter um apelo ecológico bem forte", informa Maron.
 

Foto: Reprodução/Shutterstock 

 

"Entretanto, este tipo de cobertura precisa de muito mais cuidados que uma cobertura convencional, em especial quanto à sua impermeabilização. O principal problema é o crescimento das raízes, que, se não for controlado, pode danificar a camada impermeabilizante, causando várias infiltrações; assim, a escolha das plantas deve ser feito por um profissional qualificado, bem como sua manutenção precisa ocorrer dentro de níveis aceitáveis", avisa.

Outro fator para o qual Maron chama atenção nessa alternativa é quanto ao peso das plantas escolhidas. É necessário atenção ao acréscimo de peso à estrutura, ainda mais em períodos de chuva quando o solo está encharcado e pode sobrecarregar a estrutura.

Energia solar e eólica

Outra alternativa é o uso da área da cobertura como fonte de energia. "As principais alternativas atualmente são o uso para células fotovoltaicas (energia solar) e aproveitamento do vento (captadores eólicos). Novamente, apesar de trazerem muitos benefícios, tanto ecológicos como econômicos, é preciso que tudo seja muito bem analisado para que não haja sobrecarga na estrutura nem danos à sua impermeabilização", defende Maron.

De acordo com o engenheiro, prédios mais antigos ou que não possuam muito espaço na área do térreo também podem utilizar a cobertura como uma área de lazer, por exemplo, normalmente encontrados em hotéis. "Em todos os casos, e neste último em especial, é obrigatória a análise por um engenheiro civil ou arquiteto, que irá analisar os impactos à edificação e indicar o que pode ou não ser feito", recomenda.

Quartzo Engenharia 

A Quartzo Engenharia Diagnóstica & Gerenciamento foi fundada em 2011 e é filiada ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia do Amazonas (IBAPE-AM). Desde então, se especializou em análises e perícias de problemas em edifícios, casas e condomínios. A empresa realiza vistoria e inspeção da saúde e segurança de edificações, além de Assessoria Condominial em Engenharia, um serviço técnico voltado para esclarecer questões de construção e engenharia civil em condomínios. O serviço contempla também a análise de projetos de reforma e a fiscalização periódica de obras.

O escritório está localizado no Edifício Rio Negro Center, na sala nº 508, na Rua 24 de Maio, Centro. Para mais informações: (92) 3346-6818 ou atendimento@quartzoengenharia.com.  

TAG ManausAmazonasengenhariaQuartzo Engenhariapublieditorial