Publicidade

Paola Guidobono

Você não precisa ser uma pedra para meditar

Quando perguntaram ao sábio o que tinha ganho com a meditação, ele respondeu: “Não ganhei nada, perdi tudo!”

Paola Guidobono


Quando perguntaram ao sábio o que tinha ganho com a meditação, ele respondeu: “Não ganhei nada, perdi tudo!”.

Procurar sobre meditação em sites de busca pode não ser a melhor maneira para entendê-la!

Definições como: “A meditação faz transcender a alma” ou “Meditar é ouvir a voz de Deus” talvez não tenha significado prático pra você. Além do mais, a imagem de ficar imóvel, sentado no chão e isento de pensamentos, faz qualquer um desistir de tentar, mas você não precisa ser uma pedra para meditar!

Meditar é um fenômeno simples que não requer tortura!
         
Foto: Divulgação
 
A meditação é uma técnica milenar que durante muito tempo permaneceu associada à religiões e correntes filosóficas, mas nos últimos 30 anos passou a ser considerada uma prática psicoterapêutica de autoconhecimento e de autocuidado.

Deane Shapiro (psicóloga) define meditação como “uma família de técnicas de tentativas conscientes de focar a atenção de uma maneira não analítica e uma tentativa de não se deter nos pensamentos de ruminação discursiva”.

Ajudou?

É impossível definir o que é meditação, pois a maneira de realizá-la e os benefícios e metas esperadas, dependem do contexto cultural do praticante e do facilitador. No entanto, todas as práticas compartilham de um ponto comum: a íntima vivência de expansão e totalidade!

Vou explicar melhor.

Você já passou pelo constrangimento de estar olhando para um ponto fixo ou uma pessoa, absorvido pelo cansaço do dia, como se o seu cérebro tivesse desligado por alguns segundos?

Imagino que sim! Bom, isso não é meditar! Isso é exaustão mental!

Não é preciso parar de pensar para meditar. Aliás, se você esforçar-se para não pensar, com certeza pensará! Nossa mente é como um macaco que pula de de um pensamento para o outro, ela não gosta de ficar entediada e requer novidade.
         
Foto: Divulgação
 
Se você fizer um teste e escrever todos os pensamentos que tiver em meia hora, perceberá uma falta de conexão entre eles e que muitas vezes são capazes de te deixar mais ansioso do que tranquilo. Isso porque a mente também está condicionada a remoer o passado e se preocupar com o futuro, mas e o agora?

Meditar pode ser um exercício de atenção sustentada, ou melhor, atenção consciente! É como focar a luz de uma lanterna, fazendo com que você leve a sua atenção para algum lugar de sua vontade, o mais comum é a respiração, mas você pode concentrar-se em uma parte do seu corpo, um objeto a sua frente ou até mesmo para uma paisagem inteira!

E os pensamentos? Eles virão, claro!

Mas é nesse momento que você se tornará capaz de perceber a qualidade deles e poderá esvaziar-se de conteúdos supérfluos! É como disse Sócrates “Conhece-te a ti mesmo”, dar-se conta dos nossos pensamentos revela-nos a verdade por trás de nossas ações e emoções. Só assim poderemos desprogramar o recurso de viver no automático! E passamos a viver o dia no presente!
         
Foto: Divulgação
 
A meditação pode ter movimentos e  vocalização de bija-mantras.

Os caminhos para chegar a esta consciência são variados, alguns geram estados de excitamento e outros de relaxamento, porém todos fazem renascer a lucidez e o amor pela própria identidade.

Quando os pensamentos tóxicos e conflituosos não estão mais presentes, a mente silencia! E o silêncio é fértil, ativo e criativo!

A meditação é culpada pelo aumento da serenidade, inspiração e qualidade de vida, jamais pelo desconforto ou tortura.

Você pode até achar difícil, mas aprender a meditar é como qualquer outra habilidade que se queira dominar.

Lembra do  primeiro dia de academia? Você sentiu dores e não quis mais voltar, mas é preciso constância para sentir-se confortável e beneficiar-se dos resultados.

E da mesma forma que precisou de um instrutor para te ensinar quais os músculos trabalhar, vale começar a meditação sendo guiado por um profissional experiente.

Realmente há muito o que se falar sobre meditação, cada um destes caminhos requer uma matéria dedicada exclusivamente!

Iremos passar por todas as técnicas posteriormente.

Quem sabe hoje, esqueça o fator religioso e “new age” e experimente ter consciência de seus pensamentos!

Sente-se confortavelmente e perceba a sua respiração.

Conte 40 expirações (saída do ar) e depois me manda um direct  lá no Instagram (@paolaguidobono) falando como foi a experiência pra você!

Ah sim, e o sábio que perdeu tudo com a meditação?

Ele perdeu mesmo!

Perdeu o estresse, ansiedade, fadiga, vitimismo, raiva, tristeza, medo, autopiedade...

Porque a meditação é como o líder espiritual indiano Sri Sri Ravi Shankar disse “...é uma jornada para o silêncio, o movimento para a calmaria e a passagem de uma identidade limitada para um espaço sem limites”.

*Paola Guidobono – Psicoterapeuta Transpessoal – Terapeuta Holo-Sistêmica – Mestre Reiki Usui – Access Bars Practitioner – Bach Practitioner – Taróloga - Numeróloga

      

Paola Guidobono

Home > Opiniao > Paola-guidobono

Você não precisa ser uma pedra para meditar

Quando perguntaram ao sábio o que tinha ganho com a meditação, ele respondeu: “Não ganhei nada, perdi tudo!”

Paola Guidobono


Quando perguntaram ao sábio o que tinha ganho com a meditação, ele respondeu: “Não ganhei nada, perdi tudo!”.

Procurar sobre meditação em sites de busca pode não ser a melhor maneira para entendê-la!

Definições como: “A meditação faz transcender a alma” ou “Meditar é ouvir a voz de Deus” talvez não tenha significado prático pra você. Além do mais, a imagem de ficar imóvel, sentado no chão e isento de pensamentos, faz qualquer um desistir de tentar, mas você não precisa ser uma pedra para meditar!

Meditar é um fenômeno simples que não requer tortura!
         
Foto: Divulgação
 
A meditação é uma técnica milenar que durante muito tempo permaneceu associada à religiões e correntes filosóficas, mas nos últimos 30 anos passou a ser considerada uma prática psicoterapêutica de autoconhecimento e de autocuidado.

Deane Shapiro (psicóloga) define meditação como “uma família de técnicas de tentativas conscientes de focar a atenção de uma maneira não analítica e uma tentativa de não se deter nos pensamentos de ruminação discursiva”.

Ajudou?

É impossível definir o que é meditação, pois a maneira de realizá-la e os benefícios e metas esperadas, dependem do contexto cultural do praticante e do facilitador. No entanto, todas as práticas compartilham de um ponto comum: a íntima vivência de expansão e totalidade!

Vou explicar melhor.

Você já passou pelo constrangimento de estar olhando para um ponto fixo ou uma pessoa, absorvido pelo cansaço do dia, como se o seu cérebro tivesse desligado por alguns segundos?

Imagino que sim! Bom, isso não é meditar! Isso é exaustão mental!

Não é preciso parar de pensar para meditar. Aliás, se você esforçar-se para não pensar, com certeza pensará! Nossa mente é como um macaco que pula de de um pensamento para o outro, ela não gosta de ficar entediada e requer novidade.
         
Foto: Divulgação
 
Se você fizer um teste e escrever todos os pensamentos que tiver em meia hora, perceberá uma falta de conexão entre eles e que muitas vezes são capazes de te deixar mais ansioso do que tranquilo. Isso porque a mente também está condicionada a remoer o passado e se preocupar com o futuro, mas e o agora?

Meditar pode ser um exercício de atenção sustentada, ou melhor, atenção consciente! É como focar a luz de uma lanterna, fazendo com que você leve a sua atenção para algum lugar de sua vontade, o mais comum é a respiração, mas você pode concentrar-se em uma parte do seu corpo, um objeto a sua frente ou até mesmo para uma paisagem inteira!

E os pensamentos? Eles virão, claro!

Mas é nesse momento que você se tornará capaz de perceber a qualidade deles e poderá esvaziar-se de conteúdos supérfluos! É como disse Sócrates “Conhece-te a ti mesmo”, dar-se conta dos nossos pensamentos revela-nos a verdade por trás de nossas ações e emoções. Só assim poderemos desprogramar o recurso de viver no automático! E passamos a viver o dia no presente!
         
Foto: Divulgação
 
A meditação pode ter movimentos e  vocalização de bija-mantras.

Os caminhos para chegar a esta consciência são variados, alguns geram estados de excitamento e outros de relaxamento, porém todos fazem renascer a lucidez e o amor pela própria identidade.

Quando os pensamentos tóxicos e conflituosos não estão mais presentes, a mente silencia! E o silêncio é fértil, ativo e criativo!

A meditação é culpada pelo aumento da serenidade, inspiração e qualidade de vida, jamais pelo desconforto ou tortura.

Você pode até achar difícil, mas aprender a meditar é como qualquer outra habilidade que se queira dominar.

Lembra do  primeiro dia de academia? Você sentiu dores e não quis mais voltar, mas é preciso constância para sentir-se confortável e beneficiar-se dos resultados.

E da mesma forma que precisou de um instrutor para te ensinar quais os músculos trabalhar, vale começar a meditação sendo guiado por um profissional experiente.

Realmente há muito o que se falar sobre meditação, cada um destes caminhos requer uma matéria dedicada exclusivamente!

Iremos passar por todas as técnicas posteriormente.

Quem sabe hoje, esqueça o fator religioso e “new age” e experimente ter consciência de seus pensamentos!

Sente-se confortavelmente e perceba a sua respiração.

Conte 40 expirações (saída do ar) e depois me manda um direct  lá no Instagram (@paolaguidobono) falando como foi a experiência pra você!

Ah sim, e o sábio que perdeu tudo com a meditação?

Ele perdeu mesmo!

Perdeu o estresse, ansiedade, fadiga, vitimismo, raiva, tristeza, medo, autopiedade...

Porque a meditação é como o líder espiritual indiano Sri Sri Ravi Shankar disse “...é uma jornada para o silêncio, o movimento para a calmaria e a passagem de uma identidade limitada para um espaço sem limites”.

*Paola Guidobono – Psicoterapeuta Transpessoal – Terapeuta Holo-Sistêmica – Mestre Reiki Usui – Access Bars Practitioner – Bach Practitioner – Taróloga - Numeróloga

      

TAG meditacaoTerapia HolisticaPaola Guidobonoholismo