Publicidade

Mazé Mourão

Home > Opiniao > Maze-mourao
Mazé Mourão

Fui, mas quem nunca...

Que atire a primeira mágoa, ou o primeiro perdão, aquele (a) que jamais foi enganado



Imagem: Reprodução/Mazé Diz Tudo

Fico sapeando os posts no feed de notícias do Facebook e, de vez em quando, encontro alguns escritos que dá vontade de dar opinião ou, então, 'curto' e passo para o próximo. E nesse monte de postagem, dei com uma, onde a 'facefriend' escreveu: "Encontrei o namorado da minha amiga com outra, em um bar afastado da cidade, aos beijos com uma mulher. Na hora avisei a traída. Porém, a reação dela foi totalmente diferente do esperado. Não terminou com o traidor e até marcou a data do casamento".

Pensei na situação da traída e indago agora, em uma só voz: Quem nunca foi traído, traída, corna, corno, pegou chifre, seja lá como se chama o ato de enganar a outra ou o outro ... que atire a primeira mágoa? Mas, também, quem nunca, de primeira, de segunda e, às vezes até, de terceira, não perdoou o 'deslize', como dizia a dona Leonor, minha mãe... que atire o primeiro perdão?

Não, não estou fazendo apologia a operação: "Traídos, jamais serão vencidos", de jeito nenhum. Aliás, quero informar que também já fui corna. Já perdoei e, olha o que vou afirmar: também já traí! Só que, antigamente, a mulher pulava a cerca não para revidar, mas por amor! Contudo, não sei agora, com a modernidade, casamentos abertos, relações multiplurais, se a mulher trai por amor. Já o homem, muito difícil que seja por romance, geralmente é paixão, encantamento, desejo, sei lá... por sua própria natureza de macho.


Imagem: Reprodução/Mazé Diz Tudo

Difícil, minha amiga. Conheço mulheres que são lindas, maravilhosas, inteligentes, educadas, ótimas cozinheiras e levam um chifre do caramba. Autoafirmação do homem? Pode ser, mas também, pode ser que este 'conjunto de virtudes' no rala-e-rola ela seja um saco na cama, uma chata na relação sexual, um pé no saco no romantismo. Aí, espera, também, existem homens que se sentem tão incomodados com esse 'combo de virtudes' (às vezes muito elogiado por seus amigos, mui amigos), que procuram fora de casa o oposto do que têm nas mãos e na cama.

Como evitar? Sabe o antigo conselho de conversar é bom, cara-a-cara, melhor ainda, do que empurrar com a barriga o que esta incomodando o casal? Pois é. Até que, de vez em quando sigo os sábios conselheiros. Contudo, não deixar, hoje em dia, que o WhatsApp, o Facebook, o Messenger interfira na hora das refeições, na hora de dormir e, até na hora do sexo, juro, já é um bom começo para evitar a cornice. No mais, como diria, de novo, a dona Leonor: "use o sexto sentido, que somente as mulheres têm para ligar o radar e veja onde ele ou você está errando". E vai mais um conselho, também bem antigo para quem conta: "Em briga de marido e mulher não se mete a colher e nem sai fofocando a história mundo afora". Até.


Fui, mas quem nunca...

Que atire a primeira mágoa, ou o primeiro perdão, aquele (a) que jamais foi enganado

Mazé Mourão

jornalismo@portalamazonia.com



Imagem: Reprodução/Mazé Diz Tudo

Fico sapeando os posts no feed de notícias do Facebook e, de vez em quando, encontro alguns escritos que dá vontade de dar opinião ou, então, 'curto' e passo para o próximo. E nesse monte de postagem, dei com uma, onde a 'facefriend' escreveu: "Encontrei o namorado da minha amiga com outra, em um bar afastado da cidade, aos beijos com uma mulher. Na hora avisei a traída. Porém, a reação dela foi totalmente diferente do esperado. Não terminou com o traidor e até marcou a data do casamento".

Pensei na situação da traída e indago agora, em uma só voz: Quem nunca foi traído, traída, corna, corno, pegou chifre, seja lá como se chama o ato de enganar a outra ou o outro ... que atire a primeira mágoa? Mas, também, quem nunca, de primeira, de segunda e, às vezes até, de terceira, não perdoou o 'deslize', como dizia a dona Leonor, minha mãe... que atire o primeiro perdão?

Não, não estou fazendo apologia a operação: "Traídos, jamais serão vencidos", de jeito nenhum. Aliás, quero informar que também já fui corna. Já perdoei e, olha o que vou afirmar: também já traí! Só que, antigamente, a mulher pulava a cerca não para revidar, mas por amor! Contudo, não sei agora, com a modernidade, casamentos abertos, relações multiplurais, se a mulher trai por amor. Já o homem, muito difícil que seja por romance, geralmente é paixão, encantamento, desejo, sei lá... por sua própria natureza de macho.


Imagem: Reprodução/Mazé Diz Tudo

Difícil, minha amiga. Conheço mulheres que são lindas, maravilhosas, inteligentes, educadas, ótimas cozinheiras e levam um chifre do caramba. Autoafirmação do homem? Pode ser, mas também, pode ser que este 'conjunto de virtudes' no rala-e-rola ela seja um saco na cama, uma chata na relação sexual, um pé no saco no romantismo. Aí, espera, também, existem homens que se sentem tão incomodados com esse 'combo de virtudes' (às vezes muito elogiado por seus amigos, mui amigos), que procuram fora de casa o oposto do que têm nas mãos e na cama.

Como evitar? Sabe o antigo conselho de conversar é bom, cara-a-cara, melhor ainda, do que empurrar com a barriga o que esta incomodando o casal? Pois é. Até que, de vez em quando sigo os sábios conselheiros. Contudo, não deixar, hoje em dia, que o WhatsApp, o Facebook, o Messenger interfira na hora das refeições, na hora de dormir e, até na hora do sexo, juro, já é um bom começo para evitar a cornice. No mais, como diria, de novo, a dona Leonor: "use o sexto sentido, que somente as mulheres têm para ligar o radar e veja onde ele ou você está errando". E vai mais um conselho, também bem antigo para quem conta: "Em briga de marido e mulher não se mete a colher e nem sai fofocando a história mundo afora". Até.

TAG ManausAmazonasMazé Mourãoarticulistaartigo