Publicidade

Mazé Mourão

Home > Opiniao > Maze-mourao
Mazé Mourão

Céu Amazônico

“Vem uma tromba-d’água, a balde e, 15 minutos depois, céu limpo, lindo e azulzinho. Bem mágico isso”

Mazé Mourão

mazemanaus@gmail.com


Sempre me encanta o nosso céu amazônico. Até, mesmo bravo, com nuvens carregadas anunciando, ou não (às vezes nem chove, é só para marcar presença), uma tempestade.

 

Aliás, sempre digo que, se chovesse em outro lugar, que não seja em solo manauara, a cidade que fosse acometida com a nossa chuvarada, acabaria, certamente. Aqui, não. Vem uma tromba-d’água, a balde e, 15 minutos depois, céu limpo, lindo e azulzinho. Bem mágico isso.

 

Foto: Mazé Mourão/Portal Amazônia

Quando eu era menina pequena, e olhava para o nosso céu repleto de nuvens, procurava formas, às vezes, rosto de anjos e santos. Não que eu fosse santa, era para pedir socorro, perdão, essas coisas que menina sempre acha que está em pecado. Eu, ao menos, acho que era isso. De verdade.

 

Hoje em dia, olho e não passam mais esses pensamentos infantis. Meu olhar é de agradecimento por estar bem, a família com saúde, todos trabalhando e, lá no fundo, mesmo, bem no fundo da gaveta da memória do céu amazônico, agradeço por toda beleza natural que só aqui, no Amazonas existe. Até!

 

     

Céu Amazônico

“Vem uma tromba-d’água, a balde e, 15 minutos depois, céu limpo, lindo e azulzinho. Bem mágico isso”

Mazé Mourão

mazemanaus@gmail.com


Sempre me encanta o nosso céu amazônico. Até, mesmo bravo, com nuvens carregadas anunciando, ou não (às vezes nem chove, é só para marcar presença), uma tempestade.

 

Aliás, sempre digo que, se chovesse em outro lugar, que não seja em solo manauara, a cidade que fosse acometida com a nossa chuvarada, acabaria, certamente. Aqui, não. Vem uma tromba-d’água, a balde e, 15 minutos depois, céu limpo, lindo e azulzinho. Bem mágico isso.

 

Foto: Mazé Mourão/Portal Amazônia

Quando eu era menina pequena, e olhava para o nosso céu repleto de nuvens, procurava formas, às vezes, rosto de anjos e santos. Não que eu fosse santa, era para pedir socorro, perdão, essas coisas que menina sempre acha que está em pecado. Eu, ao menos, acho que era isso. De verdade.

 

Hoje em dia, olho e não passam mais esses pensamentos infantis. Meu olhar é de agradecimento por estar bem, a família com saúde, todos trabalhando e, lá no fundo, mesmo, bem no fundo da gaveta da memória do céu amazônico, agradeço por toda beleza natural que só aqui, no Amazonas existe. Até!

 

     

TAG verao amazonicoinverno amazonicoamazoniamanausMaze Mouraocronica