Publicidade

Luciana Frazão

Home > Opiniao > Luciana-frazao
Luciana Frazão

Os coloridos sapos-ponta-de-flecha e o grande cuidado com seus girinos

Um dos comportamentos mais fascinantes desses sapinhos é o cuidado parental. Sim, se engana quem acha que apenas os mamíferos, como o ser humano, são capazes de cuidar dos seus filhos!

Luciana Frazão

luca.frazao@gmail.com


Os dendrobatídeos são exímios pais, apresentando um elaborado cuidado parental. Cuidado parental é todo comportamento, materno e/ou paterno, de cuidado com a prole (no caso, os girinos) até que eles sejam independentes. No caso dos dendrobatídeos, esse cuidado vai desde a proteção da desova ao transporte dos girinos no dorso de um dos pais até um corpo d'água e, em alguns casos, a deposição de ovos não fertilizados, que serve para alimentar e assim nutrir a prole. 

 
  Dendrobatídeo comum na Amazônia brasileira, Ameerega trivittata. Nessa espéice, o pai pode transportar até 40 girinos de uma única vez (Foto: Piotr Naskrecki/Divulgação) 

 
 
Esses sapinhos, geralmente de hábito diurno e terrestre, costumam colocar (no caso, as fêmeas) os ovos em folhas caídas no chão da floresta. Após a eclosão (“nascimento”) dos girinos, os machos ou fêmeas (dependendo da espécie) transportam seus girinos nas costas até algum corpo d’água onde eles podem completar seu desenvolvimento. Esses corpos d’água podem ser desde buraco em árvores, folhar de bromélias e poças no chão da floresta. E os pais não medem esforços para garantir que os filhos fiquem seguros e se desenvolvam com sucesso! E esse esforço vai desde do cuidado com os ovos, que os pais protegem de predadores e de ressecamento, ao cuidado com os girinos nos corpos d’água, onde as fêmeas ou ambos os pais visitam os girinos periodicamente, com a fêmea depositando ovos não fertilizados em cada visita para alimentar o girino. 

O comportamento de transportar os girinos é uma aventura e tanto! Os pais de algumas espécies, como Ameerega trivittata, podem carregar até 40 girinos de uma única vez! O transporte dos girinos permite que os pais tomem decisões flexíveis ao escolher o melhor microhabitat para seus filhos. Além disso, permite que esses sapos dispersem seus filhotes em grandes áreas e os distribuam entre vários locais, o que traz como vantagem a colonização de novas áreas, redução da competição e também distribui melhor os riscos de extinção (Tipo quando fazemos um investimento financeiro, as vezes é melhor colocar nosso dinheiro em vários locais do que em apenas um, não é mesmo?). 

 
 

A desova dos dendrobatídeos é realizada em folhas que ficam no chão da floresta e é protegida pelos pais (Foto: Andrius Pašukonis/Divulgação) 

Ao transportar os girinos os pais podem se afastar e muito, dos seus territórios. Alguns estudos mostram que eles podem percorrer até 800 metros de distância, em algumas espécies, para encontrar uma poça adequada para os filhotes, o que é muita coisa, considerando que esses animais geralmente não ultrapassam quatro centímetros de comprimento! Percorrer grandes distâncias exige esforço e é necessário não se perder no caminho, para que o sapinho possas voltar exatamente para o seu território. E não é que algumas espécies, já comprovadamente, sabem o caminho? Alguns estudos já demonstraram que os dendrobatídeos têm um bom conhecimento espacial da sua área de vida e provavelmente se lembram da localização exata das poças que visitam para deixar seus filhotes! São ou não são pais exemplares?  

Espero que tenham gostado de conhecer  um pouco mais sobre os incríveis dendrobatídeos!! Abraços de sucuri pra vocês e até ao próximo animal da nossa exuberante Amazônia! 

 

O dendrobatídeo Ranitomeya variabilis, carregando seus girinos. Nessa espécie, o macho transporta seus filhos para folhas de bromélias. Os girinos geralmente são transportados um por vez, mas às vezes dois ou três girinos podem ser transportados de uma única vez (Foto: John P. Clare/Divulgação)

  Para saber mais: 

Sobre os dendrobatídeos: http://www.herpetofauna.com.br/Dendrobatideos.htm 

Sobre a evolução do cuidado parental em anfíbios: https://www.nature.com/articles/s41467-019-12608-5      

Os coloridos sapos-ponta-de-flecha e o grande cuidado com seus girinos

Um dos comportamentos mais fascinantes desses sapinhos é o cuidado parental. Sim, se engana quem acha que apenas os mamíferos, como o ser humano, são capazes de cuidar dos seus filhos!

Luciana Frazão

luca.frazao@gmail.com


Os dendrobatídeos são exímios pais, apresentando um elaborado cuidado parental. Cuidado parental é todo comportamento, materno e/ou paterno, de cuidado com a prole (no caso, os girinos) até que eles sejam independentes. No caso dos dendrobatídeos, esse cuidado vai desde a proteção da desova ao transporte dos girinos no dorso de um dos pais até um corpo d'água e, em alguns casos, a deposição de ovos não fertilizados, que serve para alimentar e assim nutrir a prole. 

 
  Dendrobatídeo comum na Amazônia brasileira, Ameerega trivittata. Nessa espéice, o pai pode transportar até 40 girinos de uma única vez (Foto: Piotr Naskrecki/Divulgação) 

 
 
Esses sapinhos, geralmente de hábito diurno e terrestre, costumam colocar (no caso, as fêmeas) os ovos em folhas caídas no chão da floresta. Após a eclosão (“nascimento”) dos girinos, os machos ou fêmeas (dependendo da espécie) transportam seus girinos nas costas até algum corpo d’água onde eles podem completar seu desenvolvimento. Esses corpos d’água podem ser desde buraco em árvores, folhar de bromélias e poças no chão da floresta. E os pais não medem esforços para garantir que os filhos fiquem seguros e se desenvolvam com sucesso! E esse esforço vai desde do cuidado com os ovos, que os pais protegem de predadores e de ressecamento, ao cuidado com os girinos nos corpos d’água, onde as fêmeas ou ambos os pais visitam os girinos periodicamente, com a fêmea depositando ovos não fertilizados em cada visita para alimentar o girino. 

O comportamento de transportar os girinos é uma aventura e tanto! Os pais de algumas espécies, como Ameerega trivittata, podem carregar até 40 girinos de uma única vez! O transporte dos girinos permite que os pais tomem decisões flexíveis ao escolher o melhor microhabitat para seus filhos. Além disso, permite que esses sapos dispersem seus filhotes em grandes áreas e os distribuam entre vários locais, o que traz como vantagem a colonização de novas áreas, redução da competição e também distribui melhor os riscos de extinção (Tipo quando fazemos um investimento financeiro, as vezes é melhor colocar nosso dinheiro em vários locais do que em apenas um, não é mesmo?). 

 
 

A desova dos dendrobatídeos é realizada em folhas que ficam no chão da floresta e é protegida pelos pais (Foto: Andrius Pašukonis/Divulgação) 

Ao transportar os girinos os pais podem se afastar e muito, dos seus territórios. Alguns estudos mostram que eles podem percorrer até 800 metros de distância, em algumas espécies, para encontrar uma poça adequada para os filhotes, o que é muita coisa, considerando que esses animais geralmente não ultrapassam quatro centímetros de comprimento! Percorrer grandes distâncias exige esforço e é necessário não se perder no caminho, para que o sapinho possas voltar exatamente para o seu território. E não é que algumas espécies, já comprovadamente, sabem o caminho? Alguns estudos já demonstraram que os dendrobatídeos têm um bom conhecimento espacial da sua área de vida e provavelmente se lembram da localização exata das poças que visitam para deixar seus filhotes! São ou não são pais exemplares?  

Espero que tenham gostado de conhecer  um pouco mais sobre os incríveis dendrobatídeos!! Abraços de sucuri pra vocês e até ao próximo animal da nossa exuberante Amazônia! 

 

O dendrobatídeo Ranitomeya variabilis, carregando seus girinos. Nessa espécie, o macho transporta seus filhos para folhas de bromélias. Os girinos geralmente são transportados um por vez, mas às vezes dois ou três girinos podem ser transportados de uma única vez (Foto: John P. Clare/Divulgação)

  Para saber mais: 

Sobre os dendrobatídeos: http://www.herpetofauna.com.br/Dendrobatideos.htm 

Sobre a evolução do cuidado parental em anfíbios: https://www.nature.com/articles/s41467-019-12608-5      

TAG sapossapo amazoniasapo venenoso amazoniaLuciana FrazaoartigoEspecies da Amazonia