Publicidade

Flavio Guimarães

Home > Opiniao > Flavio-guimaraes
Flavio Guimarães

Como buscar recolocação profissional para cargos executivos

Diferente da busca por oportunidades operacionais, o nível executivo requer mais networking do que envios aleatórios de currículos

Flávio Guimarães

flavioguimaraesjr@hotmail.com


O processo de recolocação para um(a) profissional executivo(a) requer algumas ações pontuais e cirúrgicas. Diferente da busca por oportunidades operacionais, o nível executivo requer mais networking do que envios aleatórios de currículos.

Normalmente vagas executivas não são divulgadas de maneira pública através de anúncios, mas sim por buscas internas ou através de indicações de pessoas-chaves em determinados setores da sociedade.

Para alcançar o sucesso nesse tipo de busca por recolocação, nesse artigo vou listar alguns pontos cruciais para trabalharmos de forma estratégica.

Mapeamento de ex-chefes

É muito importante saber onde os antigos chefes estão hoje em dia. A probabilidade maior é que essas pessoas estejam sempre a um cargo acima do(a) profissional em questão. Por exemplo: João era Analista de Logística e tinha como chefe na época a Mariana, que era supervisora de logística. Com o passar do tempo, a maior tendência é que a Mariana hoje seja coordenadora ou gerente, enquanto João seja Supervisor ou Coordenador. Com esse mapeamento, vamos conseguir saber onde exatamente estão os nossos antigos superiores, que são pessoas que podem possuir o poder de contratação.

A probabilidade de sucesso aumenta quando esse(a) ex-chefe(a) já conhece o nosso trabalho. É diferente de uma abordagem fria (quando não se conhece a pessoa). Por isso, as primeiras pessoas que precisam saber que estamos em busca de oportunidades são eles(as): os ex-chefes.

Esse levantamento pode ser feito através de várias formas: por telefone (ligação), redes sociais ou através de conhecidos relacionados à pessoa. Com uma folha em branco, devemos listar todas elas, e assim, criamos um mapeamento para saber onde e como podemos criar abordagens de avisos sobre a nossa disponibilidade para contratações.

Mapeamento de ex-professores

Os ex-professores também são pessoas ideias para procurarmos. Mesmo que alguns deles sejam somente profissionais da docência, normalmente são pessoas-chaves que conhecem muitos gestores de empresas que foram ex-alunos, amigos ou conhecidos. Além disso, por serem pessoas que trabalham com informações, são antenados(as) a tudo que acontece no mercado e sociedade de uma forma geral. Ou seja, podem possuir informações privilegiadas (vagas ou oportunidades).

O ideal para esse tipo de busca é que seja feita com professores da graduação ou pós-graduações, que normalmente são pessoas ligadas em nossas áreas. Se procurarmos um(a) professor(a) do ensino médio, por exemplo, estaremos falando com um profissional com o perfil específico como Matemática, Geografia, História, Português, Sociologia ou afins. Se atuarmos na área de Engenharia Mecânica, por exemplo, professores dessas áreas não conseguirão muito contribuir, afinal os seus contatos não são especificamente da nossa área.

Mapeamento de ex-fornecedores

Todas as empresas possuem fornecedores de produtos ou serviços. Normalmente cargos executivos possuem relacionamento com fornecedores nacionais ou internacionais. Nesse caso, é possível que se conheça muitas pessoas que podem gerar oportunidades. Assim, se torna necessário listarmos todos elas.

Mesmo que, até então, os contatos tenham sido apenas com vendedores ou representantes comerciais, essas pessoas também possuem informações sobre suas empresas. Se há uma ou outra demanda de contratação, elas podem saber, e assim intervirem ao nosso favor através de contatos com gestores de outras áreas internas.

Se os contatos que tínhamos eram com pessoas do mesmo setor que o nosso, melhor ainda. Assim, facilita o contato e aproximação.

Headhunter ou Jobhunters

Os contatos com profissionais da área de RH também são interessantes, sejam eles Headhunters ou Jobhunters, que são conceitos confundidos em alguns casos. O Headhunter trabalha especificamente para a empresa. Ou seja, ele busca profissionais no mercado e recebe da empresa pelo trabalho exercido. Normalmente são profissionais que buscam talentos para vagas de médio e grande porte. O Jobhunter, por sua vez, é o profissional que trabalha para o profissional. Exemplo: Maria contratou José para que ele busque suas oportunidades no mercado. Assim, José será pago diretamente pela Maria.

Os Headhunters são especialistas que atuam com vagas confidenciais e públicas. Dependendo do nível da vaga, faz a caça de talentos de forma silenciosa. Isso significa que são pessoas que possuem informações não divulgadas publicamente. Normalmente selecionam profissionais no mercado para cargos de Supervisão para cima. Existe, sim, muitos casos que outros tipos de cargos são selecionados, entretanto normalmente as empresas investem nesse tipo de serviço para funções mais específicas.

Os Jobhunters são pessoas que caçam as vagas para os profissionais. Ou seja, eles vão para o campo para fazerem pesquisas, buscarem informações, contatos, visitas e afins. Para fazer a contratação de um(a) especialista dessa área é fundamental que façamos pesquisas sobre referências, credibilidade e resultados. Se constatarmos que são pessoas com acesso ao mercado, reconhecimento popular e de fácil relacionamento público, pode ser uma excelente aquisição. Pessoas com esse perfil conseguem entrar e sair nos círculos de gestores que falam sobre vagas confidenciais. Assim, a oportunidade pode ser achada de maneira mais fácil.

Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista de Carreira, Emprego e Oportunidade dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazônia, Portal Amazônia e Consultor em Avaliação/Reelaboração Curricular.  


Como buscar recolocação profissional para cargos executivos

Diferente da busca por oportunidades operacionais, o nível executivo requer mais networking do que envios aleatórios de currículos

Flávio Guimarães

flavioguimaraesjr@hotmail.com


O processo de recolocação para um(a) profissional executivo(a) requer algumas ações pontuais e cirúrgicas. Diferente da busca por oportunidades operacionais, o nível executivo requer mais networking do que envios aleatórios de currículos.

Normalmente vagas executivas não são divulgadas de maneira pública através de anúncios, mas sim por buscas internas ou através de indicações de pessoas-chaves em determinados setores da sociedade.

Para alcançar o sucesso nesse tipo de busca por recolocação, nesse artigo vou listar alguns pontos cruciais para trabalharmos de forma estratégica.

Mapeamento de ex-chefes

É muito importante saber onde os antigos chefes estão hoje em dia. A probabilidade maior é que essas pessoas estejam sempre a um cargo acima do(a) profissional em questão. Por exemplo: João era Analista de Logística e tinha como chefe na época a Mariana, que era supervisora de logística. Com o passar do tempo, a maior tendência é que a Mariana hoje seja coordenadora ou gerente, enquanto João seja Supervisor ou Coordenador. Com esse mapeamento, vamos conseguir saber onde exatamente estão os nossos antigos superiores, que são pessoas que podem possuir o poder de contratação.

A probabilidade de sucesso aumenta quando esse(a) ex-chefe(a) já conhece o nosso trabalho. É diferente de uma abordagem fria (quando não se conhece a pessoa). Por isso, as primeiras pessoas que precisam saber que estamos em busca de oportunidades são eles(as): os ex-chefes.

Esse levantamento pode ser feito através de várias formas: por telefone (ligação), redes sociais ou através de conhecidos relacionados à pessoa. Com uma folha em branco, devemos listar todas elas, e assim, criamos um mapeamento para saber onde e como podemos criar abordagens de avisos sobre a nossa disponibilidade para contratações.

Mapeamento de ex-professores

Os ex-professores também são pessoas ideias para procurarmos. Mesmo que alguns deles sejam somente profissionais da docência, normalmente são pessoas-chaves que conhecem muitos gestores de empresas que foram ex-alunos, amigos ou conhecidos. Além disso, por serem pessoas que trabalham com informações, são antenados(as) a tudo que acontece no mercado e sociedade de uma forma geral. Ou seja, podem possuir informações privilegiadas (vagas ou oportunidades).

O ideal para esse tipo de busca é que seja feita com professores da graduação ou pós-graduações, que normalmente são pessoas ligadas em nossas áreas. Se procurarmos um(a) professor(a) do ensino médio, por exemplo, estaremos falando com um profissional com o perfil específico como Matemática, Geografia, História, Português, Sociologia ou afins. Se atuarmos na área de Engenharia Mecânica, por exemplo, professores dessas áreas não conseguirão muito contribuir, afinal os seus contatos não são especificamente da nossa área.

Mapeamento de ex-fornecedores

Todas as empresas possuem fornecedores de produtos ou serviços. Normalmente cargos executivos possuem relacionamento com fornecedores nacionais ou internacionais. Nesse caso, é possível que se conheça muitas pessoas que podem gerar oportunidades. Assim, se torna necessário listarmos todos elas.

Mesmo que, até então, os contatos tenham sido apenas com vendedores ou representantes comerciais, essas pessoas também possuem informações sobre suas empresas. Se há uma ou outra demanda de contratação, elas podem saber, e assim intervirem ao nosso favor através de contatos com gestores de outras áreas internas.

Se os contatos que tínhamos eram com pessoas do mesmo setor que o nosso, melhor ainda. Assim, facilita o contato e aproximação.

Headhunter ou Jobhunters

Os contatos com profissionais da área de RH também são interessantes, sejam eles Headhunters ou Jobhunters, que são conceitos confundidos em alguns casos. O Headhunter trabalha especificamente para a empresa. Ou seja, ele busca profissionais no mercado e recebe da empresa pelo trabalho exercido. Normalmente são profissionais que buscam talentos para vagas de médio e grande porte. O Jobhunter, por sua vez, é o profissional que trabalha para o profissional. Exemplo: Maria contratou José para que ele busque suas oportunidades no mercado. Assim, José será pago diretamente pela Maria.

Os Headhunters são especialistas que atuam com vagas confidenciais e públicas. Dependendo do nível da vaga, faz a caça de talentos de forma silenciosa. Isso significa que são pessoas que possuem informações não divulgadas publicamente. Normalmente selecionam profissionais no mercado para cargos de Supervisão para cima. Existe, sim, muitos casos que outros tipos de cargos são selecionados, entretanto normalmente as empresas investem nesse tipo de serviço para funções mais específicas.

Os Jobhunters são pessoas que caçam as vagas para os profissionais. Ou seja, eles vão para o campo para fazerem pesquisas, buscarem informações, contatos, visitas e afins. Para fazer a contratação de um(a) especialista dessa área é fundamental que façamos pesquisas sobre referências, credibilidade e resultados. Se constatarmos que são pessoas com acesso ao mercado, reconhecimento popular e de fácil relacionamento público, pode ser uma excelente aquisição. Pessoas com esse perfil conseguem entrar e sair nos círculos de gestores que falam sobre vagas confidenciais. Assim, a oportunidade pode ser achada de maneira mais fácil.

Flávio Guimarães é diretor da Guimarães Consultoria, Administrador de Empresas, Especializado em Negócios, Comportamento e Recursos Humanos, Articulista de Carreira, Emprego e Oportunidade dos Jornais Bom Dia Amazônia e Jornal do Amazonas 1ª Edição, CBN Amazônia, Portal Amazônia e Consultor em Avaliação/Reelaboração Curricular.  

TAG recolocação profissionalmercado de trabalhoempregovaga de empregocarreira