Publicidade

Dan Holanda

Home > Opiniao > Dan-holanda
Dan Holanda

Constelação Sistêmica: ferramenta auxilia no processo de autoconhecimento

A constelação, familiar ou sistêmica, auxilia neste processo de compreensão de repetição de padrões sistêmicos, os quais muitas vezes nós não temos nem consciência


Olá Buscadores! Hoje vamos com um exercício.  Eu te convido a  observar de uma maneira mais ampla e atenta alguns aspectos da sua vida.

 

Observe se há repetições de histórias. Você já percebeu que algumas coisas se repetem na sua vida? Muitas vezes trocam apenas o personagem mas no fundo a situação é a mesma, não é?

 

Observe o campo dos relacionamentos – Veja se você pode se considerar um “dedo podre” para escolher relacionamentos. Veja também se você não está sempre insatisfeito e sempre termina (ou cria condições indiretas para que isso aconteça) um relacionamento, porque idealiza algo melhor.

 

Foto: Divulgação

Vamos olhar para o aspecto profissional – Você trabalha muito, mas não se sente realizado e não tem o recurso financeiro que deseja? Ou talvez nesse momento você esteja sendo consumido por uma dúvida quanto aos rumos a tomar em sua carreira.

 

Talvez você já consiga observar padrões de doenças físicas, emocionais ou psíquicas que se repetem em sua linhagem ancestral até hoje. Aquelas situações que aconteceram com sua bisavó, avó, mãe e que agora está chegando a você. 

 

Conseguiu identificar alguma dessas situações? Talvez seja a hora de tentar compreender o porque destas questões se repetirem em sua vida.

 

O primeiro ponto é saber que muitas das questões e desafios que lidamos hoje são problemas antigos, ancestrais, que vêm de outras gerações. São padrões e hábitos enraizados na nossa família e que vão sendo transferidos de geração para geração. Nesse momento eu, ainda, não estou entrando no mérito se são padrões bons ou ruins, tá? Estou apenas dizendo que esse movimento precisa ser compreendido com carinho e respeito, para que seja possível curar essas questões, aprender e evoluir. 

 

A constelação, familiar ou sistêmica, auxilia neste processo de compreensão de repetição de padrões sistêmicos, os quais muitas vezes nós não temos nem consciência. São cargas, padrões cristalizados de comportamentos ou emoções que carregamos como se fossem nossos mas que na verdade não são. Esse é o processo de olhar para essas cargas, entender e, se for o caso, devolve-las ao verdadeiro dono e assim seguir mais livre e tranquilo. 

 

Por se tratar de algo subconsciente faltam palavras para expressar o funcionamento do campo psico-energético ou morfológico e a experiência se torna a melhor forma para compreender o alcance desta terapia fenomenológica. É por isso que sempre falo que Constelação Sistêmica é uma experiência sensorial e não só da mente. 

 

Foto: Divulgação

Atualmente as constelações são utilizadas, por exemplo,  no Ministério da Saúde para a manutenção e prevenção da saúde, onde é oferecida gratuitamente pelo SUS assim como outras 29 práticas integrativas: reiki, meditação, yoga. No entanto, no Estado do Amazonas ainda não dispomos desses serviços de forma gratuita. 

 

Além do Ministério da Saúde, a Constelação também está presente no Ministério da Justiça, e vem auxiliando muito na vara da família, antes da “sentença” ou “julgamento” de certo ou errado, afinal ambos têm participação e responsabilidades em relação a questão levada à justiça. Sendo uma justiça integrativa e considerando que o dano já aconteceu, então a questão é como reparar da melhor forma possível, respeitando todos que participaram. 

 

Quando existe uma conciliação, através da constelação sistêmica, chamada muitas vezes de “direito sistêmico”, a família consegue compreender os fatos ocorridos, sem julgar uns aos outros, buscando a harmonia e desta forma a probabilidade de reincidência diminui drasticamente e as relações interpessoais se tornam mais amorosas. 

 

Como não sou bobo nem nada fui falar com a Cibele Mazo, consteladora sistêmica e especialista no assunto. Cibele nos fala que: “A constelação familiar, ou sistêmica, foi desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger e é um tipo de abordagem que parte do pressuposto de que todo ser humano pertence a um sistema, como se fosse uma constelação de estrelas. Essa ferramenta é aplicada considerando os padrões pessoais ou os familiares que se repetem ao longo de gerações e mostra claramente como o indivíduo pode estar atuando mais em função da consciência familiar do que da própria.”

 

Cibele Mazzo. Foto: Divulgação

Cibele Mazzo continua e nos diz que: a Constelação tem 3 pilares básicos, que são conhecidos como as chamadas ordens do amor, sendo elas:

 

Hierarquia: existe uma hierarquia que deve sempre ser respeitada. É uma ordem cronológica, que coloca os pais antes dos filhos, o primeiro filho antes do segundo, e o amor entre pai e mãe antes do amor entre pais e filhos. 

 

Equilíbrio entre dar e receber: para ser pleno o ser humano precisa estar atento ao equilíbrio de suas relações, deve sempre haver equilíbrio entre o dar e o receber, isso gera respeito e igualdade de condições.

 

Pertencimento a um clã familiar: ninguém, nenhum membro, pode ser excluído do sistema familiar, todos têm o direito e devem participar e serem reconhecidos como pertencentes à família. E isso é válido, inclusive, para quem já morreu. Filhos abortados ou adotados também entram nessa regrinha.

 

“Na constelação, essas ordens existem para que cada membro ocupe o seu lugar e assim, se construa um equilíbrio entre as relações”, nos diz Cibele.

 

Buscadores, eu afirmo que a constelação é uma ferramenta de cura profunda através do autoconhecimento, é conhecida como um método de ampliação de visão e de mudança de consciência. Com a visão ampliada, a pessoa (constelada), deixa de se ver como uma vítima ou juiz naquela questão e passa a entender a responsabilidade de seus atos, passa a entender como suas atitudes reverberam em todo o seu sistema. 

 

A constelação pode ajudar trazendo mais clareza, compreensão, entendimento. Constelação pode auxiliar em questões de saúde, relações interpessoais, relações profissionais, compreensão da própria história e a entender aquelas “heranças genéticas” que estão ressoando e se repetindo em sua vida. 

 

Você já tinha pensado sobre isso? Tem vontade de experimentar e expandir o seu autoconhecimento? 

 

Escreve para mim ou para a Consteladora Cibele Mazzo se quiser saber mais sobre o assunto. 

 

Instagram: mestredanholanda /e-mail: daniel_holanda@hotmail.com

 

Instagram: cibele_mazzo /e-mail: cibele_mazzo@yahoo.com.br 


Constelação Sistêmica: ferramenta auxilia no processo de autoconhecimento

A constelação, familiar ou sistêmica, auxilia neste processo de compreensão de repetição de padrões sistêmicos, os quais muitas vezes nós não temos nem consciência

Dan Holanda

daniel_holanda@hotmail.com


Olá Buscadores! Hoje vamos com um exercício.  Eu te convido a  observar de uma maneira mais ampla e atenta alguns aspectos da sua vida.

 

Observe se há repetições de histórias. Você já percebeu que algumas coisas se repetem na sua vida? Muitas vezes trocam apenas o personagem mas no fundo a situação é a mesma, não é?

 

Observe o campo dos relacionamentos – Veja se você pode se considerar um “dedo podre” para escolher relacionamentos. Veja também se você não está sempre insatisfeito e sempre termina (ou cria condições indiretas para que isso aconteça) um relacionamento, porque idealiza algo melhor.

 

Foto: Divulgação

Vamos olhar para o aspecto profissional – Você trabalha muito, mas não se sente realizado e não tem o recurso financeiro que deseja? Ou talvez nesse momento você esteja sendo consumido por uma dúvida quanto aos rumos a tomar em sua carreira.

 

Talvez você já consiga observar padrões de doenças físicas, emocionais ou psíquicas que se repetem em sua linhagem ancestral até hoje. Aquelas situações que aconteceram com sua bisavó, avó, mãe e que agora está chegando a você. 

 

Conseguiu identificar alguma dessas situações? Talvez seja a hora de tentar compreender o porque destas questões se repetirem em sua vida.

 

O primeiro ponto é saber que muitas das questões e desafios que lidamos hoje são problemas antigos, ancestrais, que vêm de outras gerações. São padrões e hábitos enraizados na nossa família e que vão sendo transferidos de geração para geração. Nesse momento eu, ainda, não estou entrando no mérito se são padrões bons ou ruins, tá? Estou apenas dizendo que esse movimento precisa ser compreendido com carinho e respeito, para que seja possível curar essas questões, aprender e evoluir. 

 

A constelação, familiar ou sistêmica, auxilia neste processo de compreensão de repetição de padrões sistêmicos, os quais muitas vezes nós não temos nem consciência. São cargas, padrões cristalizados de comportamentos ou emoções que carregamos como se fossem nossos mas que na verdade não são. Esse é o processo de olhar para essas cargas, entender e, se for o caso, devolve-las ao verdadeiro dono e assim seguir mais livre e tranquilo. 

 

Por se tratar de algo subconsciente faltam palavras para expressar o funcionamento do campo psico-energético ou morfológico e a experiência se torna a melhor forma para compreender o alcance desta terapia fenomenológica. É por isso que sempre falo que Constelação Sistêmica é uma experiência sensorial e não só da mente. 

 

Foto: Divulgação

Atualmente as constelações são utilizadas, por exemplo,  no Ministério da Saúde para a manutenção e prevenção da saúde, onde é oferecida gratuitamente pelo SUS assim como outras 29 práticas integrativas: reiki, meditação, yoga. No entanto, no Estado do Amazonas ainda não dispomos desses serviços de forma gratuita. 

 

Além do Ministério da Saúde, a Constelação também está presente no Ministério da Justiça, e vem auxiliando muito na vara da família, antes da “sentença” ou “julgamento” de certo ou errado, afinal ambos têm participação e responsabilidades em relação a questão levada à justiça. Sendo uma justiça integrativa e considerando que o dano já aconteceu, então a questão é como reparar da melhor forma possível, respeitando todos que participaram. 

 

Quando existe uma conciliação, através da constelação sistêmica, chamada muitas vezes de “direito sistêmico”, a família consegue compreender os fatos ocorridos, sem julgar uns aos outros, buscando a harmonia e desta forma a probabilidade de reincidência diminui drasticamente e as relações interpessoais se tornam mais amorosas. 

 

Como não sou bobo nem nada fui falar com a Cibele Mazo, consteladora sistêmica e especialista no assunto. Cibele nos fala que: “A constelação familiar, ou sistêmica, foi desenvolvida pelo alemão Bert Hellinger e é um tipo de abordagem que parte do pressuposto de que todo ser humano pertence a um sistema, como se fosse uma constelação de estrelas. Essa ferramenta é aplicada considerando os padrões pessoais ou os familiares que se repetem ao longo de gerações e mostra claramente como o indivíduo pode estar atuando mais em função da consciência familiar do que da própria.”

 

Cibele Mazzo. Foto: Divulgação

Cibele Mazzo continua e nos diz que: a Constelação tem 3 pilares básicos, que são conhecidos como as chamadas ordens do amor, sendo elas:

 

Hierarquia: existe uma hierarquia que deve sempre ser respeitada. É uma ordem cronológica, que coloca os pais antes dos filhos, o primeiro filho antes do segundo, e o amor entre pai e mãe antes do amor entre pais e filhos. 

 

Equilíbrio entre dar e receber: para ser pleno o ser humano precisa estar atento ao equilíbrio de suas relações, deve sempre haver equilíbrio entre o dar e o receber, isso gera respeito e igualdade de condições.

 

Pertencimento a um clã familiar: ninguém, nenhum membro, pode ser excluído do sistema familiar, todos têm o direito e devem participar e serem reconhecidos como pertencentes à família. E isso é válido, inclusive, para quem já morreu. Filhos abortados ou adotados também entram nessa regrinha.

 

“Na constelação, essas ordens existem para que cada membro ocupe o seu lugar e assim, se construa um equilíbrio entre as relações”, nos diz Cibele.

 

Buscadores, eu afirmo que a constelação é uma ferramenta de cura profunda através do autoconhecimento, é conhecida como um método de ampliação de visão e de mudança de consciência. Com a visão ampliada, a pessoa (constelada), deixa de se ver como uma vítima ou juiz naquela questão e passa a entender a responsabilidade de seus atos, passa a entender como suas atitudes reverberam em todo o seu sistema. 

 

A constelação pode ajudar trazendo mais clareza, compreensão, entendimento. Constelação pode auxiliar em questões de saúde, relações interpessoais, relações profissionais, compreensão da própria história e a entender aquelas “heranças genéticas” que estão ressoando e se repetindo em sua vida. 

 

Você já tinha pensado sobre isso? Tem vontade de experimentar e expandir o seu autoconhecimento? 

 

Escreve para mim ou para a Consteladora Cibele Mazzo se quiser saber mais sobre o assunto. 

 

Instagram: mestredanholanda /e-mail: daniel_holanda@hotmail.com

 

Instagram: cibele_mazzo /e-mail: cibele_mazzo@yahoo.com.br 

   

TAG autoconhecimentoDan Holanda