Publicidade

André Torbey

Home > Opiniao > Andre-torbey
André Torbey

Os pilares para uma gestão financeira sustentável

Uma vida financeira sustentável é manter um padrão, organização e controle dos aspectos financeiros que permita uma longevidade maior das condições financeiras

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Se você já leu o livro “os segredos da mente milionária”, vai entender bem sobre o que quero falar na coluna de hoje. Se você não leu, já fica a dica para uma leitura boa e legal de fazer. Para começar, na sua opinião, o que é uma vida financeira sustentável? 

 

Partindo do princípio que sustentável é o que se mantém ao longo do tempo, fica mais fácil entender que uma vida financeira sustentável é manter um padrão, organização e controle dos aspectos financeiros que permita uma longevidade maior das condições financeiras. 

 

Os quatro pilares são: rendimento, poupança, investimentos e simplificação. 

 

O primeiro já tem sido tema recorrente nessa coluna. Rendimento é todo e qualquer dinheiro que você recebe. Salários, bonificações, dividendos e outros. Essa renda também pode ser ativa ou passiva. A renda é ativa quando demanda o seu labor, a sua execução e atuação. Já a renda passiva não demanda mais esforço. 

 

Todo mundo quer aumentar a renda passiva, isso é um fato. Mas antes dela chegar, é fundamental criar as condições para que ela seja regular e duradoura. 

 

O segundo pilar é a poupança. Não confunda com a poupança do banco que a cada ano rende menos. Mas sim, a capacidade de poupar/reter uma parte do dinheiro que você ganha. Um dos maiores desafios da humanidade hoje é justamente abrir mão de alguma coisa. 

 

O terceiro pilar são os investimentos. Aqui estamos falando da capacidade em alocar bem o dinheiro poupado. Para que ele aumente o capital e a geração de renda. Investir com inteligência permite uma otimização do fluxo de caixa e a aproximação do cenário onde a renda passiva é maior. 

 

A simplificação, talvez o pilar mais complicado, é a capacidade em viver de forma mais simples, somente com o necessário e se afastando do viés da acumulação. Em um mundo que grita para que você tenha mais coisas e, principalmente, que mostre ter essas coisas fica bem difícil manter um estilo de vida frugal que priorize o acúmulo de dinheiro para alcançar uma independência financeira antecipada. 

 

Qual pilar você considera mais difícil de desenvolver? 

 

Esses pilares podem ser aplicados tanto à sua vida "pessoa física", quanto ao seu negócio. Afinal de contas, todo negócio precisa gerar mais dinheiro, reter uma parte do capital para novos investimentos e diminuir custos. 

 

Esse é o jeito baré de empreender.

 


Os pilares para uma gestão financeira sustentável

Uma vida financeira sustentável é manter um padrão, organização e controle dos aspectos financeiros que permita uma longevidade maior das condições financeiras

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Se você já leu o livro “os segredos da mente milionária”, vai entender bem sobre o que quero falar na coluna de hoje. Se você não leu, já fica a dica para uma leitura boa e legal de fazer. Para começar, na sua opinião, o que é uma vida financeira sustentável? 

 

Partindo do princípio que sustentável é o que se mantém ao longo do tempo, fica mais fácil entender que uma vida financeira sustentável é manter um padrão, organização e controle dos aspectos financeiros que permita uma longevidade maior das condições financeiras. 

 

Os quatro pilares são: rendimento, poupança, investimentos e simplificação. 

 

O primeiro já tem sido tema recorrente nessa coluna. Rendimento é todo e qualquer dinheiro que você recebe. Salários, bonificações, dividendos e outros. Essa renda também pode ser ativa ou passiva. A renda é ativa quando demanda o seu labor, a sua execução e atuação. Já a renda passiva não demanda mais esforço. 

 

Todo mundo quer aumentar a renda passiva, isso é um fato. Mas antes dela chegar, é fundamental criar as condições para que ela seja regular e duradoura. 

 

O segundo pilar é a poupança. Não confunda com a poupança do banco que a cada ano rende menos. Mas sim, a capacidade de poupar/reter uma parte do dinheiro que você ganha. Um dos maiores desafios da humanidade hoje é justamente abrir mão de alguma coisa. 

 

O terceiro pilar são os investimentos. Aqui estamos falando da capacidade em alocar bem o dinheiro poupado. Para que ele aumente o capital e a geração de renda. Investir com inteligência permite uma otimização do fluxo de caixa e a aproximação do cenário onde a renda passiva é maior. 

 

A simplificação, talvez o pilar mais complicado, é a capacidade em viver de forma mais simples, somente com o necessário e se afastando do viés da acumulação. Em um mundo que grita para que você tenha mais coisas e, principalmente, que mostre ter essas coisas fica bem difícil manter um estilo de vida frugal que priorize o acúmulo de dinheiro para alcançar uma independência financeira antecipada. 

 

Qual pilar você considera mais difícil de desenvolver? 

 

Esses pilares podem ser aplicados tanto à sua vida "pessoa física", quanto ao seu negócio. Afinal de contas, todo negócio precisa gerar mais dinheiro, reter uma parte do capital para novos investimentos e diminuir custos. 

 

Esse é o jeito baré de empreender.

 

TAG dicas para empreenderEmpreendedorismoo jeito bare de empreendereducação financeira