Publicidade

André Torbey

Home > Opiniao > Andre-torbey
André Torbey

Maternidade e empreendedorismo

“O nicho maternidade e bebês é bem promissor. Já que abre portas no ramo de confecção, alimentação, transporte, serviços e outros”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


O ano de 2018 teve vários altos e baixos. Um ano de eleições, mudanças políticas, muita discussão sobre o futuro e incertezas. Mas, mesmo com tudo isso, o Brasil criou 2,5 milhões de empresas. O Brasil não, os brasileiros. Segundo um estudo da Serasa Experian, a maior parte dos novos negócios surgiram por causa da necessidade. 

 

Milhões de desempregados, com a obrigação de levar comida para casa foi o grande impulsionador para que as pessoas se movessem em prol de uma ideia, de um negócio, de uma empresa. 

 

Outro motivo que levou muitas pessoas a empreenderem foi a maternidade. Esse que é um dos grandes catalisadores de mudança na vida das pessoas. 

 

Com a maternidade, surge a necessidade e o desejo de ter mais tempo com o bebê, o que demanda e estimula a criação de uma estrutura mais flexível para tornar isso realidade. 

 

Olha que grande desafio as mulheres têm: gerar renda e manter a atenção com os filhos. De fato, as mulheres devem ser empreendedoras por natureza. Não é simples fazer isso tudo. 

 

E ainda assim elas não param. Aposto que você, ou tem na sua família alguém com esse histórico de superação ou conhece alguém que é mãe e empreende.

 

Sem dúvidas que existem vários obstáculos nessa jornada, mas o números mostram o quanto as mães estão abrindo novos negócios. Um estudo recente da Rede Mulher, apresentou que 7 em cada 10 mulheres buscam o empreendedorismo por conta da maternidade. 

 

E, como sabemos, o nicho maternidade e bebês é bem promissor. Já que abre portas no ramo de confecção, alimentação, transporte, serviços e outros. 

 

Dá pra fazer roupas tanto para as mães quanto para os bebês, com toda a onda sustentável e de alimentação mais consciente é possível criar produtos com essa pegada. Da pra oferecer transporte e atividades de lazer exclusivas para esse público também. Não faltam alternativas. 

 

Eu sei que para quem está de fora é muito fácil falar que é só organizar direitinho e que com disciplina e disposição fica acessível empreender. 

 

Mas, como sabemos, a necessidade é a mãe da criatividade. E a nossa própria experiência pode trazer aquele estalo de uma nova ideia. E essa ideia pode gerar um negócio bem lucrativo no futuro. 

 

A dica principal hoje é planejamento. Os desafios se tornam mais contornáveis se você tiver uma visão clara do que precisa ser feito. O seu esforço em prol de uma estrutura mais flexível servirá de combustível para a superação das barreiras.

 

Você que é mãe, já pensou em começar um negócio? Como você enxerga esse desafio? Comenta aqui e vamos conversar mais sobre isso.

 

Esse é o jeito baré de empreender.

 

     

Maternidade e empreendedorismo

“O nicho maternidade e bebês é bem promissor. Já que abre portas no ramo de confecção, alimentação, transporte, serviços e outros”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


O ano de 2018 teve vários altos e baixos. Um ano de eleições, mudanças políticas, muita discussão sobre o futuro e incertezas. Mas, mesmo com tudo isso, o Brasil criou 2,5 milhões de empresas. O Brasil não, os brasileiros. Segundo um estudo da Serasa Experian, a maior parte dos novos negócios surgiram por causa da necessidade. 

 

Milhões de desempregados, com a obrigação de levar comida para casa foi o grande impulsionador para que as pessoas se movessem em prol de uma ideia, de um negócio, de uma empresa. 

 

Outro motivo que levou muitas pessoas a empreenderem foi a maternidade. Esse que é um dos grandes catalisadores de mudança na vida das pessoas. 

 

Com a maternidade, surge a necessidade e o desejo de ter mais tempo com o bebê, o que demanda e estimula a criação de uma estrutura mais flexível para tornar isso realidade. 

 

Olha que grande desafio as mulheres têm: gerar renda e manter a atenção com os filhos. De fato, as mulheres devem ser empreendedoras por natureza. Não é simples fazer isso tudo. 

 

E ainda assim elas não param. Aposto que você, ou tem na sua família alguém com esse histórico de superação ou conhece alguém que é mãe e empreende.

 

Sem dúvidas que existem vários obstáculos nessa jornada, mas o números mostram o quanto as mães estão abrindo novos negócios. Um estudo recente da Rede Mulher, apresentou que 7 em cada 10 mulheres buscam o empreendedorismo por conta da maternidade. 

 

E, como sabemos, o nicho maternidade e bebês é bem promissor. Já que abre portas no ramo de confecção, alimentação, transporte, serviços e outros. 

 

Dá pra fazer roupas tanto para as mães quanto para os bebês, com toda a onda sustentável e de alimentação mais consciente é possível criar produtos com essa pegada. Da pra oferecer transporte e atividades de lazer exclusivas para esse público também. Não faltam alternativas. 

 

Eu sei que para quem está de fora é muito fácil falar que é só organizar direitinho e que com disciplina e disposição fica acessível empreender. 

 

Mas, como sabemos, a necessidade é a mãe da criatividade. E a nossa própria experiência pode trazer aquele estalo de uma nova ideia. E essa ideia pode gerar um negócio bem lucrativo no futuro. 

 

A dica principal hoje é planejamento. Os desafios se tornam mais contornáveis se você tiver uma visão clara do que precisa ser feito. O seu esforço em prol de uma estrutura mais flexível servirá de combustível para a superação das barreiras.

 

Você que é mãe, já pensou em começar um negócio? Como você enxerga esse desafio? Comenta aqui e vamos conversar mais sobre isso.

 

Esse é o jeito baré de empreender.

 

     

TAG Empreendedorismoandre torbeyo jeito bare de empreenderartigo