Publicidade

André Torbey

Home > Opiniao > Andre-torbey
André Torbey

Dá pra empreender sem dinheiro?

“O capital é fator primordial para a maioria dos negócios, mas nem sempre é o principal”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Um dos maiores desafios para quem tem uma ideia para empreender é a falta de dinheiro. O capital é fator primordial para a maioria dos negócios. Nem sempre é o principal, mas quem tem dinheiro acaba tendo, também, uma maior chance de multiplicar o patrimônio.

 

Até porque o dinheiro serve tanto como impulso inicial para o início da atividade – compra de matéria prima, pagamento de funcionários, impostos e outras despesas fixas – como para a sustentação do negócio no médio prazo. Esse capital de giro é extremamente importante, principalmente devido ao fato de que o negócio pode não apresentar os resultados esperados em determinado período de tempo. 

 

E aí aparece aquela pergunta “como colocar um negócio em funcionamento se eu não tiver dinheiro?”. 

 

Quando eu decidi abrir a minha empresa, eu já vinha há alguns anos juntando dinheiro e me preparando para ter capital e, assim, arriscar em um negócio. Esse é um risco alto, afinal de contas, se o negócio desse errado, todo o dinheiro que eu tinha poupado seria “jogado fora”. 

 

Uma opção que tem se tornado cada vez mais viável, e que o novo governo parece estar disposto a incentivar, é a captação de incentivos financeiros através das agências de fomento e o BDNES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). 

 

Para isso, você precisa ter uma boa ideia do que será o seu negócio e um bom projeto. Haja vista que todo o processo de aprovação ou não será baseado no seu plano de negócios. O que eu tenho visto hoje é que as agências de fomento estão mais flexíveis na hora da aprovação e isso facilita muito a tomada de crédito por partes dos novos empreendedores. 

 

Sem falar que hoje já existem canais de comunicação mais acessíveis também. Dá para tirar dúvidas pelo site, pelas centrais de informações e também pelo WhatsApp. Ou seja, você pode entrar em contato e tirar todas as suas dúvidas antes de submeter o processo de captação. 

 

Ainda existem as rodadas de negócios com investidores anjos e outras plataformas de financiamento e captação. Se tiver interesse pode pesquisar por plataformas P2P Lending, que juntam o dinheiro de pessoas físicas para emprestar para empresas. 

 

Vale ressaltar que é importantíssimo ter um bom controle e planejamento do que fazer com o dinheiro captado para que você possa, realmente, usá-lo para alavancar o seu negócio e aumentar os seus resultados. 

 

Cuidado para não deixar sua ideia muito tempo na gaveta pela falta de capital disponível, existem alternativas por aí, você só precisa ficar de olho nas oportunidades. Esse é o jeito baré de empreender.

 

     

Dá pra empreender sem dinheiro?

“O capital é fator primordial para a maioria dos negócios, mas nem sempre é o principal”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Um dos maiores desafios para quem tem uma ideia para empreender é a falta de dinheiro. O capital é fator primordial para a maioria dos negócios. Nem sempre é o principal, mas quem tem dinheiro acaba tendo, também, uma maior chance de multiplicar o patrimônio.

 

Até porque o dinheiro serve tanto como impulso inicial para o início da atividade – compra de matéria prima, pagamento de funcionários, impostos e outras despesas fixas – como para a sustentação do negócio no médio prazo. Esse capital de giro é extremamente importante, principalmente devido ao fato de que o negócio pode não apresentar os resultados esperados em determinado período de tempo. 

 

E aí aparece aquela pergunta “como colocar um negócio em funcionamento se eu não tiver dinheiro?”. 

 

Quando eu decidi abrir a minha empresa, eu já vinha há alguns anos juntando dinheiro e me preparando para ter capital e, assim, arriscar em um negócio. Esse é um risco alto, afinal de contas, se o negócio desse errado, todo o dinheiro que eu tinha poupado seria “jogado fora”. 

 

Uma opção que tem se tornado cada vez mais viável, e que o novo governo parece estar disposto a incentivar, é a captação de incentivos financeiros através das agências de fomento e o BDNES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). 

 

Para isso, você precisa ter uma boa ideia do que será o seu negócio e um bom projeto. Haja vista que todo o processo de aprovação ou não será baseado no seu plano de negócios. O que eu tenho visto hoje é que as agências de fomento estão mais flexíveis na hora da aprovação e isso facilita muito a tomada de crédito por partes dos novos empreendedores. 

 

Sem falar que hoje já existem canais de comunicação mais acessíveis também. Dá para tirar dúvidas pelo site, pelas centrais de informações e também pelo WhatsApp. Ou seja, você pode entrar em contato e tirar todas as suas dúvidas antes de submeter o processo de captação. 

 

Ainda existem as rodadas de negócios com investidores anjos e outras plataformas de financiamento e captação. Se tiver interesse pode pesquisar por plataformas P2P Lending, que juntam o dinheiro de pessoas físicas para emprestar para empresas. 

 

Vale ressaltar que é importantíssimo ter um bom controle e planejamento do que fazer com o dinheiro captado para que você possa, realmente, usá-lo para alavancar o seu negócio e aumentar os seus resultados. 

 

Cuidado para não deixar sua ideia muito tempo na gaveta pela falta de capital disponível, existem alternativas por aí, você só precisa ficar de olho nas oportunidades. Esse é o jeito baré de empreender.

 

     

TAG Empreendedorismoo jeito bare de empreenderandre torbeyartigo