Publicidade

André Torbey

Home > Opiniao > Andre-torbey
André Torbey

Como usar um dinheiro inesperado para empreender

“Na última semana, tivemos a notícia sobre o interesse do governo em liberar uma parte dos valores depositados no FGTS para os trabalhadores. Que tal usar para empreender?”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Na última semana tivemos a notícia sobre o interesse do governo em liberar uma parte dos valores depositados no FGTS para os trabalhadores. Uma tentativa de fazer o dinheiro girar e impulsionar, mesmo que de forma discreta, a economia. 

 

Nessa hora, muita gente começa a pensar no que fazer com esse dinheiro. No pódio podemos dizer que estão os pagamentos de dívidas, comprar algo que estava “precisando” e investir. 

 

Vale a reflexão que, na maioria das vezes, o resgate do valor no FGTS fica limitado a alguns fatores, como demissão, desastres naturais e outros. Isso faz com que a possibilidade de sacar parte desse valor já seja uma janela interessante a ser aproveitada.

 

Antes de tudo, é importante frisar que o dinheiro depositado no fundo de garantia tem uma rentabilidade super baixa, 3% ao ano. O que é bem pouco, perde até para a poupança. Então é bem melhor resgatar o valor permitido, ainda mais se você tiver um objetivo bem específico para o usá-lo. 

 

Outra coisa fundamental para ter em mente é que esse dinheiro estava “esquecido”. Ou seja, não é legal desperdiçar a oportunidade de rentabilizar esse capital gastando com supérfluos. 

 

Mesmo sem saber especificamente as regras para o resgate e o valor que será liberado, esse dinheiro também pode ser usado para empreender. Dependendo da ideia, pode ser o capital inicial para testar uma estratégia, um serviço, comprar produtos ou otimizar algo que já existe.

 

Não pode esquecer de ter um planejamento. Não dá para ficar jogando dinheiro fora, não é mesmo?

 

No cerne da sua decisão é essencial levar em conta as possibilidades desse dinheiro ser necessário no futuro. Afinal de contas, desde o começo o FGTS serviu como uma reserva compulsória dos trabalhadores. Em caso de demissão, é possível contar com esse dinheiro para manter o custo de vida por tempo determinado enquanto espera uma recolocação no mercado de trabalho. 

 

Mas, se você está em uma situação estável e já possui uma estrutura financeira organizada, a utilização desse dinheiro passa a ser bem válida. 

 

Pare um pouco e pense nas possibilidades em que você pode investir o seu dinheiro e encontre alternativas para fazê-lo prosperar.

 

Um dinheiro inesperado é uma mão na roda para fazer mais dinheiro. Esse é o jeito baré de empreender.

 


Como usar um dinheiro inesperado para empreender

“Na última semana, tivemos a notícia sobre o interesse do governo em liberar uma parte dos valores depositados no FGTS para os trabalhadores. Que tal usar para empreender?”

André Torbey

torbey.andre@gmail.com


Na última semana tivemos a notícia sobre o interesse do governo em liberar uma parte dos valores depositados no FGTS para os trabalhadores. Uma tentativa de fazer o dinheiro girar e impulsionar, mesmo que de forma discreta, a economia. 

 

Nessa hora, muita gente começa a pensar no que fazer com esse dinheiro. No pódio podemos dizer que estão os pagamentos de dívidas, comprar algo que estava “precisando” e investir. 

 

Vale a reflexão que, na maioria das vezes, o resgate do valor no FGTS fica limitado a alguns fatores, como demissão, desastres naturais e outros. Isso faz com que a possibilidade de sacar parte desse valor já seja uma janela interessante a ser aproveitada.

 

Antes de tudo, é importante frisar que o dinheiro depositado no fundo de garantia tem uma rentabilidade super baixa, 3% ao ano. O que é bem pouco, perde até para a poupança. Então é bem melhor resgatar o valor permitido, ainda mais se você tiver um objetivo bem específico para o usá-lo. 

 

Outra coisa fundamental para ter em mente é que esse dinheiro estava “esquecido”. Ou seja, não é legal desperdiçar a oportunidade de rentabilizar esse capital gastando com supérfluos. 

 

Mesmo sem saber especificamente as regras para o resgate e o valor que será liberado, esse dinheiro também pode ser usado para empreender. Dependendo da ideia, pode ser o capital inicial para testar uma estratégia, um serviço, comprar produtos ou otimizar algo que já existe.

 

Não pode esquecer de ter um planejamento. Não dá para ficar jogando dinheiro fora, não é mesmo?

 

No cerne da sua decisão é essencial levar em conta as possibilidades desse dinheiro ser necessário no futuro. Afinal de contas, desde o começo o FGTS serviu como uma reserva compulsória dos trabalhadores. Em caso de demissão, é possível contar com esse dinheiro para manter o custo de vida por tempo determinado enquanto espera uma recolocação no mercado de trabalho. 

 

Mas, se você está em uma situação estável e já possui uma estrutura financeira organizada, a utilização desse dinheiro passa a ser bem válida. 

 

Pare um pouco e pense nas possibilidades em que você pode investir o seu dinheiro e encontre alternativas para fazê-lo prosperar.

 

Um dinheiro inesperado é uma mão na roda para fazer mais dinheiro. Esse é o jeito baré de empreender.

 

TAG dicas para empreenderEmpreendedorismoFGTSo jeito bare de empreenderandre torbey