Publicidade

Ciência e Tecnologia

Home > Noticias > null

Workshop sobre tecnologias para o setor joalheiro está com inscrições abertas

Serão ofertadas 70 vagas por palestra e 10 vagas para o workshop. As inscrições devem ser realizadas no site


Nos dias 29 e 30 de agosto será realizado em Belém, no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, o workshop Jewelry Tech Amazônia, promovido pelo Instituto Gemológico da Amazônia (IGA). Palestras gratuitas e um workshop sobre quatro tecnologias integram a programação do evento. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas no link: https://institutoiga.org/jtechamazonia.

 

O Jewelry Tech Amazônia tem o objetivo de promover uma imersão em novas tecnologias de fabricação de joias que oferecem vantagens diversas como melhor acabamento das peças, precisão nos designs, pré-cravação da pedra, cravação de gemas na cera, melhor aproveitamento das matérias-primas como ouro e pedras preciosas da região e repetitividade das peças, um fator de competitividade comercial que pode impactar positivamente o processo produtivo e de exportação de joias locais.

 

 

Foto: Divulgação

 

Esta é a primeira capacitação oferecida pelo instituto, com o objetivo de contribuir com a verticalização do setor no estado do Pará. "Queremos promover a difusão de diferentes tecnologias, auxiliando desta forma os artesãos que desejam implementar uma produção mais significativa, com repetitividade das peças", afirma o diretor do IGA, Maurício Favacho.

 

Gratuitas, as palestras abordam temas como modelagem 3D de joias e acessórios de moda; prototipagem de joias com impressoras 3D de alta resolução DLP (Digital Light Processing); máquinas CNC (Computer Numeric Control Machinery) aplicadas na produção de joias; e fundição de joias de bancada – The Foundry.

O workshop, dividido em duas partes, abordará quatro tecnologias: modelagem 3D, prototipagem 3D de joias, CNC, e fundição de bancada. As vagas são limitadas e a taxa de inscrição é de R$ 150.

Serão ofertadas 70 vagas por palestra e 10 vagas para o workshop. As inscrições devem ser realizadas no site.

IGA 

 

O Instituto Gemológico da Amazônia (IGA) foi criado com o objetivo de contribuir tecnicamente com a cadeia produtiva de gemas, joias e metais preciosos da Amazônia. Reúne em seu quadro geólogos e gemólogos voltados essencialmente à pesquisa científica, capacitação profissional, consultorias e pareceres técnicos. Sua sede funciona no prédio Espaço Inovação, do PCT Guamá.

PCT Guamá

 

Resultante da parceria entre as Universidades Federal do Pará (UFPA) e Federal Rural da Amazônia (UFRA) e o Governo do Pará, o PCT Guamá foi o primeiro e permanece como único parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia.

Tem como principal objetivo estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

 

Situado entre a UFPA e a UFRA, em uma área de 72 mil metros quadrados, reúne pequenos e médios empreendimentos de base tecnológica, laboratórios e centros de pesquisa e desenvolvimento.

Ciência e Tecnologia

Workshop sobre tecnologias para o setor joalheiro está com inscrições abertas

Serão ofertadas 70 vagas por palestra e 10 vagas para o workshop. As inscrições devem ser realizadas no site


Nos dias 29 e 30 de agosto será realizado em Belém, no Parque de Ciência e Tecnologia (PCT) Guamá, o workshop Jewelry Tech Amazônia, promovido pelo Instituto Gemológico da Amazônia (IGA). Palestras gratuitas e um workshop sobre quatro tecnologias integram a programação do evento. As inscrições estão abertas e podem ser realizadas no link: https://institutoiga.org/jtechamazonia.

 

O Jewelry Tech Amazônia tem o objetivo de promover uma imersão em novas tecnologias de fabricação de joias que oferecem vantagens diversas como melhor acabamento das peças, precisão nos designs, pré-cravação da pedra, cravação de gemas na cera, melhor aproveitamento das matérias-primas como ouro e pedras preciosas da região e repetitividade das peças, um fator de competitividade comercial que pode impactar positivamente o processo produtivo e de exportação de joias locais.

 

 

Foto: Divulgação

 

Esta é a primeira capacitação oferecida pelo instituto, com o objetivo de contribuir com a verticalização do setor no estado do Pará. "Queremos promover a difusão de diferentes tecnologias, auxiliando desta forma os artesãos que desejam implementar uma produção mais significativa, com repetitividade das peças", afirma o diretor do IGA, Maurício Favacho.

 

Gratuitas, as palestras abordam temas como modelagem 3D de joias e acessórios de moda; prototipagem de joias com impressoras 3D de alta resolução DLP (Digital Light Processing); máquinas CNC (Computer Numeric Control Machinery) aplicadas na produção de joias; e fundição de joias de bancada – The Foundry.

O workshop, dividido em duas partes, abordará quatro tecnologias: modelagem 3D, prototipagem 3D de joias, CNC, e fundição de bancada. As vagas são limitadas e a taxa de inscrição é de R$ 150.

Serão ofertadas 70 vagas por palestra e 10 vagas para o workshop. As inscrições devem ser realizadas no site.

IGA 

 

O Instituto Gemológico da Amazônia (IGA) foi criado com o objetivo de contribuir tecnicamente com a cadeia produtiva de gemas, joias e metais preciosos da Amazônia. Reúne em seu quadro geólogos e gemólogos voltados essencialmente à pesquisa científica, capacitação profissional, consultorias e pareceres técnicos. Sua sede funciona no prédio Espaço Inovação, do PCT Guamá.

PCT Guamá

 

Resultante da parceria entre as Universidades Federal do Pará (UFPA) e Federal Rural da Amazônia (UFRA) e o Governo do Pará, o PCT Guamá foi o primeiro e permanece como único parque tecnológico a entrar em operação na Amazônia.

Tem como principal objetivo estimular a pesquisa aplicada, o empreendedorismo inovador, a prestação de serviços e a transferência de tecnologia para o desenvolvimento de produtos e serviços de maior valor agregado e fortemente competitivos.

 

Situado entre a UFPA e a UFRA, em uma área de 72 mil metros quadrados, reúne pequenos e médios empreendimentos de base tecnológica, laboratórios e centros de pesquisa e desenvolvimento.


TAG