Publicidade

Atualidades

Tambaqui em conserva já é uma realidade graças a pesquisadores da Ufam

A conserva de tambaqui em lata foi criada por pesquisadores da Ufam, usando o mesmo processo da sardinha em lata


Criada nos laboratórios da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a Conserva de Tambaqui em lata foi apresentada durante a última edição do projeto VIP, que visa aproximar a Universidade da Imprensa. O produto é feito seguindo os métodos já conhecidos da Sardinha em Lata, mas trocando o azeite pelo molho de tucupi.
   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 

A inovação foi desenvolvida por alunos da FCA, e teve a coordenação do professor doutor Antonio José Inhamuns da Silva, que mostrou como a conserva é preparada.


"É necessário termos um tambaqui curumim, com cerca de 350 gramas, o ideal para fazermos o produto enlatado. O tambaqui precisa ser de viveiro, pois é sustentável, e, após limparmos ele, tirando cabeça, vísceras, escamas e nadadeiras, o cortamos em postas, como se fosse fazer um cozido. Com as postas cortadas, colocamos o tambaqui dentro da lata e adicionamos, nesse caso, o molho de tucupi, temperado a seu gosto, e lacramos a lata. Após isso, colocamos o produto no processo de esterilização, que fará o cozimento durante alguns minutos, e está pronto", conta o professor.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 


Depois de pronto, o professor Inhamuns lembra que todo produto enlato precisa ficar 40 dias em observação antes do consumo, para verificar se não teve vazamento ou estufamento da lata.


"Depois dos 40 dias, se o enlatado não apresentar o vazamento ou estufamento, estará liberado para o consumo, que após aberto, o tambaqui no molho de tucupi pode ser esquentado normalmente antes do consumo. A validade desse é de 2 anos, não pelo produto, mas pela lata, que depois desse período pode apresentar ferrugem e comprometer o alimento", ressalta.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 


Além do tambaqui curumim, outras espécies de peixes amazônicos podem ser enlatados, e com tipos de molhos diferentes, como já é feito com a sardinha. "A conserva do tambaqui é fruto de um de nossos projetos de pesquisa. Mas nossos testes mostram que podemos fazer com a matrinxã e com outros peixes também, além de verduras e legumes, e com molhos como de tomate, salmoura e tucupi", finalizou o professor.


A conserva de tambaqui em lata ainda não é comercializada, mas o projeto está disponível para a indústria que queira investir na ideia,  e desenvolver em maior escala.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 

Atualidades

Home > Noticias > null

Tambaqui em conserva já é uma realidade graças a pesquisadores da Ufam

A conserva de tambaqui em lata foi criada por pesquisadores da Ufam, usando o mesmo processo da sardinha em lata

William Costa

william.costa@portalamazonia.com


Criada nos laboratórios da Faculdade de Ciências Agrárias (FCA) da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a Conserva de Tambaqui em lata foi apresentada durante a última edição do projeto VIP, que visa aproximar a Universidade da Imprensa. O produto é feito seguindo os métodos já conhecidos da Sardinha em Lata, mas trocando o azeite pelo molho de tucupi.
   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 

A inovação foi desenvolvida por alunos da FCA, e teve a coordenação do professor doutor Antonio José Inhamuns da Silva, que mostrou como a conserva é preparada.


"É necessário termos um tambaqui curumim, com cerca de 350 gramas, o ideal para fazermos o produto enlatado. O tambaqui precisa ser de viveiro, pois é sustentável, e, após limparmos ele, tirando cabeça, vísceras, escamas e nadadeiras, o cortamos em postas, como se fosse fazer um cozido. Com as postas cortadas, colocamos o tambaqui dentro da lata e adicionamos, nesse caso, o molho de tucupi, temperado a seu gosto, e lacramos a lata. Após isso, colocamos o produto no processo de esterilização, que fará o cozimento durante alguns minutos, e está pronto", conta o professor.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 


Depois de pronto, o professor Inhamuns lembra que todo produto enlato precisa ficar 40 dias em observação antes do consumo, para verificar se não teve vazamento ou estufamento da lata.


"Depois dos 40 dias, se o enlatado não apresentar o vazamento ou estufamento, estará liberado para o consumo, que após aberto, o tambaqui no molho de tucupi pode ser esquentado normalmente antes do consumo. A validade desse é de 2 anos, não pelo produto, mas pela lata, que depois desse período pode apresentar ferrugem e comprometer o alimento", ressalta.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 


Além do tambaqui curumim, outras espécies de peixes amazônicos podem ser enlatados, e com tipos de molhos diferentes, como já é feito com a sardinha. "A conserva do tambaqui é fruto de um de nossos projetos de pesquisa. Mas nossos testes mostram que podemos fazer com a matrinxã e com outros peixes também, além de verduras e legumes, e com molhos como de tomate, salmoura e tucupi", finalizou o professor.


A conserva de tambaqui em lata ainda não é comercializada, mas o projeto está disponível para a indústria que queira investir na ideia,  e desenvolver em maior escala.

   
Foto:William Costa/Portal Amazônia
 

TAG tambaqui ufamtambaqui com tucupitambaqui conversaconserva tambaqui em latatambaquimatrinxaufam