Saúde

Sobe para seis, o número de mortes por sarampo no Amazonas

Mesmo com a queda nas notificações de sarampo, no Amazonas, a Fundação em Vigilância em Saúde confirma mais dois óbitos, um em março e outro em agosto


A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) divulgou nesta terça-feira (9) a 29ª edição do Boletim Epidemiológico do Surto de Sarampo no Estado, trazendo a confirmação de mais dois óbitos causados pela doença.

Com essas duas confirmações, já são seis o número de casos de óbitos por sarampo no Amazonas. As confirmações relatadas nesse último boletim são de um bebê de 9 meses, oriundo de Roraima, que faleceu em março, em Manaus, em decorrência de insuficiência respiratória causada pela doença; e um homem de 52 anos, de Manacapuru, portador de comorbidade (hipertensão e diabetes tipo 2), com óbito registrado em agosto, por complicações ocasionados por sarampo. Ambos os casos não havia histórico de serem vacinados com a tríplice viral (vacina que protege contra sarampo, caxumba e rubéola).

Segundo o diretor presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, a confirmação de óbitos por sarampo exige um rigoroso protocolo de exames laboratoriais realizados pelo Estado e municípios, por isso, embora em período decrescente da doença, o boletim segue informando os resultados investigados em meses anteriores. 

"A Fiocruz recebe amostras de todo o país. Além disso, mesmo sendo confirmado o caso de sarampo, são necessários exames complementares que comprovem que, de fato, a doença foi decisiva para o óbito do paciente", afirmou. Bernardino ressalta que há 18 anos o vírus não circulava no Amazonas e, portanto, é fundamental uma investigação apurada.

Dados

Ao todo, o Amazonas tinha outros quatro casos confirmados de óbito - dois em Manaus e dois em Autazes. De acordo com o boletim, o Estado tem 10.305 casos notificados da doença, distribuídos em 47 municípios. São 1.629 casos confirmados de sarampo em 29 cidades, sendo 990 em Manaus, 323 em Manacapuru, 44 em Itacoatiara, 49 em Parintins, 39 em Coari, 35 em Iranduba, 24 em Autazes, 20 em Novo Airão, 16 em Presidente Figueiredo, 13 em Rio Preto da Eva, 06 em Tapauá e 01 em Barcelos.

Os municípios com o maior número de notificações são Manaus, com 8.108 casos, e Manacapuru, com 1.024. Itacoatiara tem 237 casos notificados, Iranduba tem 115, Coari tem 108, Parintins tem 97, Juruá tem 67, Autazes tem 50, Manaquiri tem 49, Rio Preto da Eva tem 47, Careiro e Presidente Figueiredo têm 42 cada e Novo Airão tem 38.

Agenda de Visita Técnica

A FVS está nesta terça e quarta-feira (09 e 10), em Itacoatiara, para alinhamento das ações de prevenção, controle e monitoramento do sarampo. O município é o terceiro em número de casos no Estado. "Vamos reunir com as equipes de vigilância, médicos, enfermeiros para avaliarmos as condutas e as ações desenvolvidas no município voltadas para contenção de novos casos da doença, tendo em vista, a circulação viral", disse Bernadino. 

Na próxima semana será realizada Capacitação de Resposta Rápida ao Surto de Sarampo no Amazonas, em Lábrea, para os profissionais de saúde da cidade e de Canutama e Pauini; e em São Paulo de Olivença, para os profissionais do município e de Amaturá, Fonte Boa, Jutaí e Santo Antônio do Içá.

Saúde

Home > Noticias > null

Sobe para seis, o número de mortes por sarampo no Amazonas

Mesmo com a queda nas notificações de sarampo, no Amazonas, a Fundação em Vigilância em Saúde confirma mais dois óbitos, um em março e outro em agosto

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) divulgou nesta terça-feira (9) a 29ª edição do Boletim Epidemiológico do Surto de Sarampo no Estado, trazendo a confirmação de mais dois óbitos causados pela doença.

Com essas duas confirmações, já são seis o número de casos de óbitos por sarampo no Amazonas. As confirmações relatadas nesse último boletim são de um bebê de 9 meses, oriundo de Roraima, que faleceu em março, em Manaus, em decorrência de insuficiência respiratória causada pela doença; e um homem de 52 anos, de Manacapuru, portador de comorbidade (hipertensão e diabetes tipo 2), com óbito registrado em agosto, por complicações ocasionados por sarampo. Ambos os casos não havia histórico de serem vacinados com a tríplice viral (vacina que protege contra sarampo, caxumba e rubéola).

Segundo o diretor presidente da FVS, Bernardino Albuquerque, a confirmação de óbitos por sarampo exige um rigoroso protocolo de exames laboratoriais realizados pelo Estado e municípios, por isso, embora em período decrescente da doença, o boletim segue informando os resultados investigados em meses anteriores. 

"A Fiocruz recebe amostras de todo o país. Além disso, mesmo sendo confirmado o caso de sarampo, são necessários exames complementares que comprovem que, de fato, a doença foi decisiva para o óbito do paciente", afirmou. Bernardino ressalta que há 18 anos o vírus não circulava no Amazonas e, portanto, é fundamental uma investigação apurada.

Dados

Ao todo, o Amazonas tinha outros quatro casos confirmados de óbito - dois em Manaus e dois em Autazes. De acordo com o boletim, o Estado tem 10.305 casos notificados da doença, distribuídos em 47 municípios. São 1.629 casos confirmados de sarampo em 29 cidades, sendo 990 em Manaus, 323 em Manacapuru, 44 em Itacoatiara, 49 em Parintins, 39 em Coari, 35 em Iranduba, 24 em Autazes, 20 em Novo Airão, 16 em Presidente Figueiredo, 13 em Rio Preto da Eva, 06 em Tapauá e 01 em Barcelos.

Os municípios com o maior número de notificações são Manaus, com 8.108 casos, e Manacapuru, com 1.024. Itacoatiara tem 237 casos notificados, Iranduba tem 115, Coari tem 108, Parintins tem 97, Juruá tem 67, Autazes tem 50, Manaquiri tem 49, Rio Preto da Eva tem 47, Careiro e Presidente Figueiredo têm 42 cada e Novo Airão tem 38.

Agenda de Visita Técnica

A FVS está nesta terça e quarta-feira (09 e 10), em Itacoatiara, para alinhamento das ações de prevenção, controle e monitoramento do sarampo. O município é o terceiro em número de casos no Estado. "Vamos reunir com as equipes de vigilância, médicos, enfermeiros para avaliarmos as condutas e as ações desenvolvidas no município voltadas para contenção de novos casos da doença, tendo em vista, a circulação viral", disse Bernadino. 

Na próxima semana será realizada Capacitação de Resposta Rápida ao Surto de Sarampo no Amazonas, em Lábrea, para os profissionais de saúde da cidade e de Canutama e Pauini; e em São Paulo de Olivença, para os profissionais do município e de Amaturá, Fonte Boa, Jutaí e Santo Antônio do Içá.

TAG sarampomorteamazonas