Publicidade

Amazônia

Reserva extrativista no Pará usará drone para identificar desmatamento

Monitoramento aéreo é fruto de parceria da Resex Ipaú-Anilzinho com o Instituto Federal do Pará

Portal Amazônia, com informações do ICMBio

jornalismo@portalamazonia.com


A Resex Ipaú-Anilzinho contará agora com drone para ajudar a preservar a Unidade de Conservação. O objetivo é melhorar a capacidade de monitoramento aéreo das alterações da cobertura vegetal da Resex. O trabalho é fruto da parceria entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Federal do Pará (IFPA), do Campus Tucuruí.

Na última terça-feira (2), foi realizada uma experiência piloto com o uso do Drone Phantom 4 Pro em pontos de desmatamentos priorizados pela equipe gestora da Resex para avaliar a sua utilização em proveito das ações de fiscalização. Durante os testes, registros panorâmicos e atualizados da região permitiram confirmar e mensurar desmatamentos ilegais realizados na Resex no ano de 2018. A demonstração contou com a participação do chefe da Resex e de docentes e discentes do IFPA habilitados para operá-lo.

Um dos diferenciais desse tipo de equipamento é a capacidade de capturar imagens do alto e realizar a gravação de vídeos com estabilidade. Há também o Sistema de Detecção de Obstáculos para que o quadricóptero possa desviar de objetos e evitar acidentes e a função Smart Return Home para que, com ajuda do GPS, o equipamento volte automaticamente para o ponto inicial.

De acordo com o chefe da Resex, a implementação de tecnologias de aerolevantamento no combate ao desmatamento ilegal na região da UC garante maior celeridade de atuação da equipe de trabalho e, até mesmo, otimização de recursos. E, como se trata de uma parceria com uma instituição de ensino e pesquisa, deverá ser realizado ao final do ano um seminário para apresentação e avaliação dos resultados, incluindo a elaboração e publicação de artigo científico.     

Amazônia

Home > Noticias > null

Reserva extrativista no Pará usará drone para identificar desmatamento

Monitoramento aéreo é fruto de parceria da Resex Ipaú-Anilzinho com o Instituto Federal do Pará

Portal Amazônia, com informações do ICMBio

jornalismo@portalamazonia.com


A Resex Ipaú-Anilzinho contará agora com drone para ajudar a preservar a Unidade de Conservação. O objetivo é melhorar a capacidade de monitoramento aéreo das alterações da cobertura vegetal da Resex. O trabalho é fruto da parceria entre o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e o Instituto Federal do Pará (IFPA), do Campus Tucuruí.

Na última terça-feira (2), foi realizada uma experiência piloto com o uso do Drone Phantom 4 Pro em pontos de desmatamentos priorizados pela equipe gestora da Resex para avaliar a sua utilização em proveito das ações de fiscalização. Durante os testes, registros panorâmicos e atualizados da região permitiram confirmar e mensurar desmatamentos ilegais realizados na Resex no ano de 2018. A demonstração contou com a participação do chefe da Resex e de docentes e discentes do IFPA habilitados para operá-lo.

Um dos diferenciais desse tipo de equipamento é a capacidade de capturar imagens do alto e realizar a gravação de vídeos com estabilidade. Há também o Sistema de Detecção de Obstáculos para que o quadricóptero possa desviar de objetos e evitar acidentes e a função Smart Return Home para que, com ajuda do GPS, o equipamento volte automaticamente para o ponto inicial.

De acordo com o chefe da Resex, a implementação de tecnologias de aerolevantamento no combate ao desmatamento ilegal na região da UC garante maior celeridade de atuação da equipe de trabalho e, até mesmo, otimização de recursos. E, como se trata de uma parceria com uma instituição de ensino e pesquisa, deverá ser realizado ao final do ano um seminário para apresentação e avaliação dos resultados, incluindo a elaboração e publicação de artigo científico.     

TAG ICMBioResex Ipau-Anilzinho para