Publicidade

Meio Ambiente

Quadrilha vendia gado para financiar desmatamento na Amazônia

Operação Rios Voadores, realizada no Pará, revela como o maior desmatador da Amazônia operava por meio de elaborado esquema para burlar fiscalização


O grupo do pecuarista Antônio José Junqueira Vilela Filho, apontado como o maior desmatador da Amazônia, vendia o gado criado em áreas desmatadas por meio de esquema de lavagem de dinheiro. Para burlar a fiscalização, pouco antes da comercialização, os animais criados em área desmatada eram transferidos para fazendas regularizadas. A manobra permitia que os criminosos conseguissem a documentação necessária para fazer a venda a frigoríficos. As informações constam em denúncia do Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) à Justiça Federal.

As fazendas utilizadas estavam em nome de 'laranjas', pessoas cujos nomes serviam para ocultar as identidades dos verdadeiros donos, os integrantes do grupo de Vilela Filho, também conhecido como AJ Vilela ou Jotinha. No entanto, a equipe de investigação da operação Rios Voadores, que desmontou o esquema criminoso em junho deste ano, verificou que notas fiscais emitidas por frigoríficos compradores do gado acabaram sendo registradas em nome de integrantes do grupo.

O uso de 'laranjas' como proprietários das fazendas revendedoras de gado foi comprovado também na investigação, por meio de diligências e obtenção de documentos. As investigações também constataram que uma das fazendas citadas não tinha tamanho nem infraestrutura suficientes para abrigar as cabeças de gado que, segundo os documentos fraudados, teriam sido criadas no local.

Ainda segundo a denúncia, para financiar o desmatamento e demais crimes cometidos, AJ Vilela repassava recursos para os demais integrantes do grupo por meio de uma empresa de fachada, a Sociedade Comercial do Rochedo. Também foram encontrados repasses de recursos feitos a partir das contas bancárias dos participantes do esquema.

Meio Ambiente

Home > Noticias > null

Quadrilha vendia gado para financiar desmatamento na Amazônia

Operação Rios Voadores, realizada no Pará, revela como o maior desmatador da Amazônia operava por meio de elaborado esquema para burlar fiscalização

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


O grupo do pecuarista Antônio José Junqueira Vilela Filho, apontado como o maior desmatador da Amazônia, vendia o gado criado em áreas desmatadas por meio de esquema de lavagem de dinheiro. Para burlar a fiscalização, pouco antes da comercialização, os animais criados em área desmatada eram transferidos para fazendas regularizadas. A manobra permitia que os criminosos conseguissem a documentação necessária para fazer a venda a frigoríficos. As informações constam em denúncia do Ministério Público Federal do Pará (MPF-PA) à Justiça Federal.

As fazendas utilizadas estavam em nome de 'laranjas', pessoas cujos nomes serviam para ocultar as identidades dos verdadeiros donos, os integrantes do grupo de Vilela Filho, também conhecido como AJ Vilela ou Jotinha. No entanto, a equipe de investigação da operação Rios Voadores, que desmontou o esquema criminoso em junho deste ano, verificou que notas fiscais emitidas por frigoríficos compradores do gado acabaram sendo registradas em nome de integrantes do grupo.

O uso de 'laranjas' como proprietários das fazendas revendedoras de gado foi comprovado também na investigação, por meio de diligências e obtenção de documentos. As investigações também constataram que uma das fazendas citadas não tinha tamanho nem infraestrutura suficientes para abrigar as cabeças de gado que, segundo os documentos fraudados, teriam sido criadas no local.

Ainda segundo a denúncia, para financiar o desmatamento e demais crimes cometidos, AJ Vilela repassava recursos para os demais integrantes do grupo por meio de uma empresa de fachada, a Sociedade Comercial do Rochedo. Também foram encontrados repasses de recursos feitos a partir das contas bancárias dos participantes do esquema.

TAG Amazonia Legaldesmatamentocrime ambientalParaAltamira