Publicidade

Amazônia

Professor do Pará lança livro sobre a relação entre desmatamento da Amazônia e pobreza

O livro sustenta que a pobreza não é um dos determinantes do desmatamento, mas faz parte do processo que mantém a população pobre


Para suprir a lacuna existente na literatura econômica quanto ao estudo da relação entre o desmatamento da Amazônia e a pobreza, o professor de Economia Marcelo Bentes Diniz, da Faculdade de Ciências Econômicas da UFPA, escreveu o livro "Desmatamento e Ausência de Riqueza na Amazônia".

Leia também: Jogo sensibiliza crianças sobre problemas ambientais do Pará; conheça

A obra aborda o que se chama, na literatura, paradoxo da abundância, uma vez que trata sobre a abundância de recursos naturais da Região Amazônica, como minerais e outros serviços ecossistêmicos, com destaque para a sua biodiversidade, mas como isso não se traduz em desenvolvimento econômico dos municípios da região ou em melhoria das condições de vida para a população residente.

A lógica deste processo está conectada com as atividades econômicas promotoras do desmatamento na região, seja pela disputa, seja pelo uso e pela ocupação da terra, pela concentração de renda relacionada com a exploração dessas atividades e, ainda, pelos elementos de natureza institucional, ligados à condução das políticas de promoção de desenvolvimento e ambientais, em geral, conflitantes.
 
 
Foto: Divulgação 
Marcelo Bentes Diniz conta que o motivo da escolha da temática tem duas perspectivas. Primeiramente, acadêmica, sendo que um dos focos de estudo é a discussão do desenvolvimento econômico, que tem entre suas dimensões relevantes o Capital Natural.

“A literatura acadêmica que discute a relação entre formas de degradação ambiental - o que inclui depleção do Capital Natural, como o desmatamento - e pobreza (insuficiência de renda), não é conclusiva acerca da causalidade entre essas variáveis, seus canais de transmissão, entre outros.”

Levantamento: Crescimento do garimpo ilegal na Amazônia atinge áreas indígenas

A outra perspectiva tem caráter social. De acordo com Marcelo Diniz, é preciso entender quais os nexos existentes entre o desmatamento da região e a sua condição permanente de "armadilha da pobreza", que mantém grande parte dos municípios e sua população com uma renda muito abaixo da média nacional e sem acesso a recursos de saúde, saneamento, educação, segurança, entre outros.

“Este, certamente, é um passo importante no direcionamento de políticas públicas que permitam conciliar a exploração sustentável dos recursos naturais da Amazônia, como vetores de crescimento, e desenvolvimento econômico para a maioria da população”, completa o professor.

O livro, ao contrário do que convencionalmente a literatura econômica aponta, sustenta que a pobreza não é um dos determinantes do desmatamento na Amazônia, mas faz parte do mesmo processo que mantém a maioria dos municípios e, ao mesmo tempo, sua população pobre.

Sobre o autor

Marcelo Bentes Diniz é formado em Economia pela UFPA, com mestrado em Teoria Econômica no Programa de Pós-Graduação em Economia (CAEN) da Universidade Federal do Ceará, na qual também obteve o doutorado, com concentração em Crescimento e Desenvolvimento Econômico Regional. Possui Pós-Doutorado no Center for Latin American Studies na University of Florida. Atualmente, é professor Associado da UFPA, com mais de vinte anos de experiência profissional como docente e pesquisador.

Atua na área de Economia, com ênfase em Recursos Naturais e Desenvolvimento Econômico, centrando suas pesquisas nas temáticas da desigualdade econômica, pobreza, exploração dos recursos naturais e uso da terra, desmatamento e valoração do meio ambiente, tendo como foco principal a realidade amazônica. É autor de diversos artigos acadêmicos e organizador do livro Desafios e Potencialidades para a Amazônia do Século XXI.

Amazônia

Home > Noticias > null

Professor do Pará lança livro sobre a relação entre desmatamento da Amazônia e pobreza

O livro sustenta que a pobreza não é um dos determinantes do desmatamento, mas faz parte do processo que mantém a população pobre

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Para suprir a lacuna existente na literatura econômica quanto ao estudo da relação entre o desmatamento da Amazônia e a pobreza, o professor de Economia Marcelo Bentes Diniz, da Faculdade de Ciências Econômicas da UFPA, escreveu o livro "Desmatamento e Ausência de Riqueza na Amazônia".

Leia também: Jogo sensibiliza crianças sobre problemas ambientais do Pará; conheça

A obra aborda o que se chama, na literatura, paradoxo da abundância, uma vez que trata sobre a abundância de recursos naturais da Região Amazônica, como minerais e outros serviços ecossistêmicos, com destaque para a sua biodiversidade, mas como isso não se traduz em desenvolvimento econômico dos municípios da região ou em melhoria das condições de vida para a população residente.

A lógica deste processo está conectada com as atividades econômicas promotoras do desmatamento na região, seja pela disputa, seja pelo uso e pela ocupação da terra, pela concentração de renda relacionada com a exploração dessas atividades e, ainda, pelos elementos de natureza institucional, ligados à condução das políticas de promoção de desenvolvimento e ambientais, em geral, conflitantes.
 
 
Foto: Divulgação 
Marcelo Bentes Diniz conta que o motivo da escolha da temática tem duas perspectivas. Primeiramente, acadêmica, sendo que um dos focos de estudo é a discussão do desenvolvimento econômico, que tem entre suas dimensões relevantes o Capital Natural.

“A literatura acadêmica que discute a relação entre formas de degradação ambiental - o que inclui depleção do Capital Natural, como o desmatamento - e pobreza (insuficiência de renda), não é conclusiva acerca da causalidade entre essas variáveis, seus canais de transmissão, entre outros.”

Levantamento: Crescimento do garimpo ilegal na Amazônia atinge áreas indígenas

A outra perspectiva tem caráter social. De acordo com Marcelo Diniz, é preciso entender quais os nexos existentes entre o desmatamento da região e a sua condição permanente de "armadilha da pobreza", que mantém grande parte dos municípios e sua população com uma renda muito abaixo da média nacional e sem acesso a recursos de saúde, saneamento, educação, segurança, entre outros.

“Este, certamente, é um passo importante no direcionamento de políticas públicas que permitam conciliar a exploração sustentável dos recursos naturais da Amazônia, como vetores de crescimento, e desenvolvimento econômico para a maioria da população”, completa o professor.

O livro, ao contrário do que convencionalmente a literatura econômica aponta, sustenta que a pobreza não é um dos determinantes do desmatamento na Amazônia, mas faz parte do mesmo processo que mantém a maioria dos municípios e, ao mesmo tempo, sua população pobre.

Sobre o autor

Marcelo Bentes Diniz é formado em Economia pela UFPA, com mestrado em Teoria Econômica no Programa de Pós-Graduação em Economia (CAEN) da Universidade Federal do Ceará, na qual também obteve o doutorado, com concentração em Crescimento e Desenvolvimento Econômico Regional. Possui Pós-Doutorado no Center for Latin American Studies na University of Florida. Atualmente, é professor Associado da UFPA, com mais de vinte anos de experiência profissional como docente e pesquisador.

Atua na área de Economia, com ênfase em Recursos Naturais e Desenvolvimento Econômico, centrando suas pesquisas nas temáticas da desigualdade econômica, pobreza, exploração dos recursos naturais e uso da terra, desmatamento e valoração do meio ambiente, tendo como foco principal a realidade amazônica. É autor de diversos artigos acadêmicos e organizador do livro Desafios e Potencialidades para a Amazônia do Século XXI.

TAG desmatamentoamazoniapobrezalivroUFPA