Cidades

Polícia reforça segurança e investiga mortes no município de Pau D’Arco

De acordo com o comandante da PM do Pará, policiais foram recebidos a tiros por grupo fortemente armado e que já vinha sendo investigado por diversas ocorrências


O Governo do Pará enviou para o município de Pau D’Arco, no sudeste do estado, uma equipe do Comando de Missões Especiais da Polícia Militar e policiais civis de Belém, incluindo a Corregedoria das Polícias Civil e Militar, para intensificar as investigações e reforçar a segurança na região da Fazenda Santa Lúcia, a 60 quilômetros de Redenção.
 

 

Em entrevista coletiva, o titular da Segup, coronel Jeannot Jansen, explicou os procedimentos que o Sistema de Segurança Publica está tomando em relação ao caso. Foto:Reprodução/Agência Pará

 

Na manhã da última quarta-feira (24), ao tentar cumprir 16 mandados judiciais (prisão preventiva, temporária e buscas e apreensões), policiais foram recebidos a tiros por um grupo fortemente armado e que já vinha sendo investigado por diversas ocorrências. No confronto com a polícia, nove homens e uma mulher foram mortos.

O secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, coronel Jeannot Jansen, o coronel Hilton Benigno, comandante da Policia Militar, o delegado João Bosco Rodrigues, diretor de Polícia do Interior, e o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans, concederam entrevista coletiva, na tarde desta quarta-feira, para explicar os procedimentos que o Sistema de Segurança Publica está tomando em relação ao caso. O inquérito será presidido pelo Departamento de Investigações Especiais da Polícia Civil.

Segundo o delegado João Bosco, foram apreendidas 11 armas de grosso calibre, incluindo um fuzil 762 e uma pistola Glock modelo G25.

O secretário adjunto de inteligência da Segup, Rogério Moraes, informou que a Polícia recebeu a denúncia de que no dia 23 de abril um funcionário da fazenda e familiares do proprietário também foram vítimas de tentativa de homicídio em ações atribuídas ao referido grupo, conforme consta em investigação. “Os mandados de prisão foram emitidos justamente por conta de investigação sobre homicídio que vitimou um funcionário da empresa Elmo, que fazia a segurança da propriedade, ocorrido no dia 30 de abril”, explicou.

No último dia 19, o grupo teria sido responsável também por nova investida contra os seguranças da fazenda, ateando fogo nas dependências da sede e intimidando os funcionários, fazendo com que abandonassem seus postos. “Seria prematuro qualquer conclusão sobre a operação antes que se concluam as investigações e perícias a cargo da Polícia Civil”, afirmou o secretário Jeanot Jansen.

Perícia

O Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, iniciou na manhã desta quinta-feira (25), o trabalho de necropsia das 10 vítimas do confronto. Para agilizar os procedimentos, cinco corpos foram encaminhados para o Núcleo Avançado do CPC em Marabá e outros cinco à unidade do Centro de Perícias em Parauapebas. O trabalho pericial em Marabá já foi concluído. Em Parauapebas, três corpos ainda estão sendo necropsiados.

Corpos identificados no CPC de Marabá:

1. Weldson Pereira da Silva

2. Nelson Souza Milhomem

3. Weclebson Pereira Milhomem

4. Ozeir Rodrigues da Silva

5. Jane Julia de Oliveira

Corpos identificados no CPC de Parauapebas:

1. Regivaldo Pereira da Silva

2. Ronaldo Pereira de Souza, 40 anos

3. Bruno Henrique Pereira Gomes

4. Antonio Pereira Milhomem, 50 anos

5. Hércules Santos de Oliveira, 20 anos


Cidades

Polícia reforça segurança e investiga mortes no município de Pau D’Arco

De acordo com o comandante da PM do Pará, policiais foram recebidos a tiros por grupo fortemente armado e que já vinha sendo investigado por diversas ocorrências

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


O Governo do Pará enviou para o município de Pau D’Arco, no sudeste do estado, uma equipe do Comando de Missões Especiais da Polícia Militar e policiais civis de Belém, incluindo a Corregedoria das Polícias Civil e Militar, para intensificar as investigações e reforçar a segurança na região da Fazenda Santa Lúcia, a 60 quilômetros de Redenção.
 

 

Em entrevista coletiva, o titular da Segup, coronel Jeannot Jansen, explicou os procedimentos que o Sistema de Segurança Publica está tomando em relação ao caso. Foto:Reprodução/Agência Pará

 

Na manhã da última quarta-feira (24), ao tentar cumprir 16 mandados judiciais (prisão preventiva, temporária e buscas e apreensões), policiais foram recebidos a tiros por um grupo fortemente armado e que já vinha sendo investigado por diversas ocorrências. No confronto com a polícia, nove homens e uma mulher foram mortos.

O secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, coronel Jeannot Jansen, o coronel Hilton Benigno, comandante da Policia Militar, o delegado João Bosco Rodrigues, diretor de Polícia do Interior, e o secretário de Estado de Justiça e Direitos Humanos, Michel Durans, concederam entrevista coletiva, na tarde desta quarta-feira, para explicar os procedimentos que o Sistema de Segurança Publica está tomando em relação ao caso. O inquérito será presidido pelo Departamento de Investigações Especiais da Polícia Civil.

Segundo o delegado João Bosco, foram apreendidas 11 armas de grosso calibre, incluindo um fuzil 762 e uma pistola Glock modelo G25.

O secretário adjunto de inteligência da Segup, Rogério Moraes, informou que a Polícia recebeu a denúncia de que no dia 23 de abril um funcionário da fazenda e familiares do proprietário também foram vítimas de tentativa de homicídio em ações atribuídas ao referido grupo, conforme consta em investigação. “Os mandados de prisão foram emitidos justamente por conta de investigação sobre homicídio que vitimou um funcionário da empresa Elmo, que fazia a segurança da propriedade, ocorrido no dia 30 de abril”, explicou.

No último dia 19, o grupo teria sido responsável também por nova investida contra os seguranças da fazenda, ateando fogo nas dependências da sede e intimidando os funcionários, fazendo com que abandonassem seus postos. “Seria prematuro qualquer conclusão sobre a operação antes que se concluam as investigações e perícias a cargo da Polícia Civil”, afirmou o secretário Jeanot Jansen.

Perícia

O Centro de Perícias Científicas “Renato Chaves”, iniciou na manhã desta quinta-feira (25), o trabalho de necropsia das 10 vítimas do confronto. Para agilizar os procedimentos, cinco corpos foram encaminhados para o Núcleo Avançado do CPC em Marabá e outros cinco à unidade do Centro de Perícias em Parauapebas. O trabalho pericial em Marabá já foi concluído. Em Parauapebas, três corpos ainda estão sendo necropsiados.

Corpos identificados no CPC de Marabá:

1. Weldson Pereira da Silva

2. Nelson Souza Milhomem

3. Weclebson Pereira Milhomem

4. Ozeir Rodrigues da Silva

5. Jane Julia de Oliveira

Corpos identificados no CPC de Parauapebas:

1. Regivaldo Pereira da Silva

2. Ronaldo Pereira de Souza, 40 anos

3. Bruno Henrique Pereira Gomes

4. Antonio Pereira Milhomem, 50 anos

5. Hércules Santos de Oliveira, 20 anos

TAG