Publicidade

Ciência e Tecnologia

Home > Noticias > null

Pesquisadores descrevem duas novas espécies de peixe-elétrico na Amazônia

Pesquisadores do Brasil, EUA e Suécia, incluindo especialistas do Museu Goeldi, rompem com a hipótese da espécie única de poraquê na região

Redação

jornalismo@portalamazonia.com



O curioso Electrophorus electricus, o popular poraquê, conhecido pela descarga elétrica de 650 volts que é capaz de gerar, já não é mais considerado pela ciência como a única espécie de enguia elétrica distribuída na Pan-Amazônia. Dois séculos e meio desde sua descrição pelo naturalista sueco Carl Linnaeus, 24 pesquisadores do Brasil, Estados Unidos e Suécia assinam artigo publicado pela revista Nature e confirmam hipóteses lançadas por estudos originados no Museu Paraense Emílio Goeldi: existem, sim, outros peixes-elétricos na região.

No artigo, os cientistas apresentam o Electrophorus varii e o Electrophorus voltai, com um detalhe surpreendente: um deles, o E. voltai, tem capacidade de gerar uma descarga elétrica de 860 volts, tornando-se o mais forte gerador de bioeletricidade até o momento.
  
       
Foto: Divulgação
   


O artigo indica que as três linhagens principais da espécie se diferenciaram no transcurso de milhões de anos, mais especificamente nas eras geológicas conhecidas por Mioceno e Plioceno. Mas apenas uma delas havia sido descrita pela ciência até então.



O trabalho teve início com o projeto de pesquisa de Wolmar B. Wosiacki, curador do Acervo Ictiológico do Museu Goeldi e co-autor do artigo, e foi tema de estudo no mestrado da estudante Natália Castro, em 2011, também co-autora. O primeiro autor, David de Santana, deu prosseguimento a esse estudo com o grupo de cientistas da instituição há cinco anos, como bolsista do Programa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional (DCR), sob a orientação de Wosiacki.




Além da importância da descrição dos novos peixes-elétricos, orientador diz que “o entendimento da diversidade de poraquês pode revelar um amplo espectro de variedades de enzimas com função bioeletrogênicas de grande interesse para a ciência, como produção de nanocondutores naturais e capacitores naturais e baterias de hidrogel, que podem energizar implantes médicos”.



As etapas de pesquisa levaram em conta padrões de dados genéticos, morfológicos e ecológicos das espécies, proporcionando descrições que servem agora de referência para futuros estudos e possíveis aplicações desses conhecimentos.


 

Coleção Ictiológica


Os holótipos, exemplares usados como modelo para a descrição das novas espécies descritas no artigo da revista Nature, estão depositados no Museu Goeldi, que possui um acervo de abrangência neotropical - região biogeográfica que se estende do sul do México, passando pelas Ilhas do Caribe até o sul da América do Sul. A coleção é composta por cerca de 35 mil lotes, representando mais enfaticamente a Bacia Amazônica, com exemplares de peixes ósseos e cartilaginosos.


O acervo científico é de acesso restrito a pesquisadores, mas os visitantes do Parque Zoobotâncio do Museu Goeldi têm a oportunidade de ver de perto um exemplar vivo de um poraquê, no Aquário Jacques Huber, que reabre, em outubro, durante as celebrações do aniversário de 153 anos da instituição.

Ciência e Tecnologia

Pesquisadores descrevem duas novas espécies de peixe-elétrico na Amazônia

Pesquisadores do Brasil, EUA e Suécia, incluindo especialistas do Museu Goeldi, rompem com a hipótese da espécie única de poraquê na região



O curioso Electrophorus electricus, o popular poraquê, conhecido pela descarga elétrica de 650 volts que é capaz de gerar, já não é mais considerado pela ciência como a única espécie de enguia elétrica distribuída na Pan-Amazônia. Dois séculos e meio desde sua descrição pelo naturalista sueco Carl Linnaeus, 24 pesquisadores do Brasil, Estados Unidos e Suécia assinam artigo publicado pela revista Nature e confirmam hipóteses lançadas por estudos originados no Museu Paraense Emílio Goeldi: existem, sim, outros peixes-elétricos na região.

No artigo, os cientistas apresentam o Electrophorus varii e o Electrophorus voltai, com um detalhe surpreendente: um deles, o E. voltai, tem capacidade de gerar uma descarga elétrica de 860 volts, tornando-se o mais forte gerador de bioeletricidade até o momento.
  
       
Foto: Divulgação
   


O artigo indica que as três linhagens principais da espécie se diferenciaram no transcurso de milhões de anos, mais especificamente nas eras geológicas conhecidas por Mioceno e Plioceno. Mas apenas uma delas havia sido descrita pela ciência até então.



O trabalho teve início com o projeto de pesquisa de Wolmar B. Wosiacki, curador do Acervo Ictiológico do Museu Goeldi e co-autor do artigo, e foi tema de estudo no mestrado da estudante Natália Castro, em 2011, também co-autora. O primeiro autor, David de Santana, deu prosseguimento a esse estudo com o grupo de cientistas da instituição há cinco anos, como bolsista do Programa de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Regional (DCR), sob a orientação de Wosiacki.




Além da importância da descrição dos novos peixes-elétricos, orientador diz que “o entendimento da diversidade de poraquês pode revelar um amplo espectro de variedades de enzimas com função bioeletrogênicas de grande interesse para a ciência, como produção de nanocondutores naturais e capacitores naturais e baterias de hidrogel, que podem energizar implantes médicos”.



As etapas de pesquisa levaram em conta padrões de dados genéticos, morfológicos e ecológicos das espécies, proporcionando descrições que servem agora de referência para futuros estudos e possíveis aplicações desses conhecimentos.


 

Coleção Ictiológica


Os holótipos, exemplares usados como modelo para a descrição das novas espécies descritas no artigo da revista Nature, estão depositados no Museu Goeldi, que possui um acervo de abrangência neotropical - região biogeográfica que se estende do sul do México, passando pelas Ilhas do Caribe até o sul da América do Sul. A coleção é composta por cerca de 35 mil lotes, representando mais enfaticamente a Bacia Amazônica, com exemplares de peixes ósseos e cartilaginosos.


O acervo científico é de acesso restrito a pesquisadores, mas os visitantes do Parque Zoobotâncio do Museu Goeldi têm a oportunidade de ver de perto um exemplar vivo de um poraquê, no Aquário Jacques Huber, que reabre, em outubro, durante as celebrações do aniversário de 153 anos da instituição.


TAG parabelempuraquenova especiepesquisa