Publicidade

Cidades

Pesquisa mostra que 97% de escolas rurais ribeirinhas não tem acesso a internet, no Amazonas

O ‘Censo Escolar da Floresta’ foi feito em parceira com o Unicef e a Fundação Nacional Sustentável (FAS)


Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e o Unicef publicaram, na última semana, os resultados de um levantamento feito em 83 escolas de 68 comunidades em cinco municípios do Estado. Os dados coletados resultaram na publicação intitulada “Recortes e Cenários Educacionais em Localidades Rurais Ribeirinhas do Amazonas”.  O acesso à internet é restrito a apenas 3% das escolas pesquisadas, e só há energia elétrica em 34% delas.

O levantamento foi realizado em cinco municípios amazonenses – Itapiranga, Maraã, Maués, Novo Aripuanã e Uarini – e tem o objetivo de conhecer a fundo o que existe e o que não existe sobre o ensino de crianças e adolescentes nessas localidades. 

Internet e tecnologias

Nas escolas analisadas geridas pelas Semeds internet ainda era uma realidade distante, já que 97% delas não tinham acesso à rede. Das escolas municipais que têm acesso, 3% encontram-se exclusivamente em áreas fora das UCs. “O computador é um dos principais equipamentos eletrônicos encontrados na zona rural amazonense, no entanto, é interessante constatar que muitos deles não são utilizados. Entre os 80 computadores distribuídos entre as escolas visitadas, 46% não eram utilizados”. 
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 
Censo escolar desconhecido

No estudo, um dos primeiros resultados levantados é o próprio “desconhecimento” sobre o cenário educacional no interior do Amazonas para censos escolares do País. Conforme os pesquisadores da FAS e da Unicef, há quase que uma “inexistência” das escolas rurais ribeirinhas do Amazonas para o resto do País, o que compromete justamente a adoção de políticas públicas voltadas às realidades dessas regiões.

Ao todo, são 83 escolas analisadas em cinco municípios e, respectivamente, cinco Unidades de Conservação (UC). Essas escolas ficam situadas em diversas comunidades ribeirinhas dentro das Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Anamã, que fica no município de Maraã; na RDS do Juma, em Novo Aripuanã; RDS Mamirauá, em Uarini; RDS do Uatumã, em Itapiranga; e na Floresta Estadual de Maués, no município de Maués. Das 83 escolas, quatro já estavam extintas e três paralisadas.

A análise dos dados no estudo foi dividida em três categorias: 1) perfil da escola, com infraestrutura, equipamentos, organização do ensino e localização; 2) o perfil do docente, incluindo informações sobre professores, auxiliares, gestores, assistentes e tecnologias usadas em sala de aula; e 3) o perfil da participação comunitária, sobre a participação da família e da comunidade no cotidiano escolar e a existência de associação de pais e mestres e conselhos.

Realidade da educação rural

Conforme os pesquisadores da FAS e da Unicef, fatores específicos da Amazônia fazem da educação rural na região algo bem mais desafiador que no resto do país. Extensão territorial, transporte predominantemente fluvial, alto custo logístico de viagens, além fenômenos naturais como seca e cheia dos rios fazem do ensino rural no Amazonas algo problemático. Mesmo assim, e contraditoriamente, segundo eles, as escolas ainda são uma das poucas políticas públicas que chegam aos ribeirinhos do Amazonas – há carência de saúde, segurança, entre outros.

“As grandes distâncias e o alto custo de deslocamento dificultam a capilaridade do poder público na região, e desafiam o acompanhamento das Secretarias Municipais de Educação (Semed) sobre as escolas e professores”, consta no estudo científico. “Entre os municípios pesquisados, poucos são os que conseguem encontrar soluções para as dificuldades de logística do interior. Aqueles que conseguem, obtêm melhores índices de alfabetização”.

Das escolas visitadas em atividade e gerenciadas pelas Semeds, 95% ofereciam apenas acesso à Educação Infantil e 91,6% ao Ensino Fundamental I. Somente 21% tinham o ciclo educacional completo: Educação Infantil, Ensino Fundamental séries iniciais e finais, e Ensino Médio tecnológico. Apenas 9% das escolas ofereciam a Educação de Jovens e Adultos (EJA). 
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 

Espaços físicos e séries

Outro fator importante é que 94% dessas instituições de ensino possuíam prédios escolares próprios dos órgãos regionais de educação e, desse total, 10% tinham infraestruturas complementares e que também eram usadas das como salas de aula. No entanto, 6% das escolas ainda não funcionavam em prédios escolares, mas sim em igrejas/templos, centros sociais e casas de comunitários. 

Do ensino nessas escolas, 74% das escolas organizavam o ensino em classes multisseriadas, 4% mesclavam as classes multisseriadas com classes seriadas e, apenas 22% executavam o ensino exclusivamente em classes seriadas. “É universal a existência de salas compartilhadas, isto é, salas que possuem diferentes usos em um mesmo espaço”, disse o estudo. Nesse contexto, 45% possuíam apenas uma sala de aula e 33% tinham mais de duas salas. 

Água, esgoto, lixo e energia

Ainda sobre estrutura, 70% das escolas não tinham banheiro dentro do prédio e 99% não possuíam tratamento de esgoto adequado. 76% não disponibilizavam água tratada e somente uma escola tinha esgoto correto. As outras se dividiam em modelos que não dão conta de atender exigências sanitárias mínimas. Já a coleta seletiva foi citada em apenas 1% das escolas, localizadas próximas às sedes dos municípios. “Longas distâncias, alto custo e falta de prioridade na agenda pública são fatores que inviabilizam a chegada de equipes de coleta seletiva nas comunidades rurais”.

Sobre fornecimento de energia elétrica, só 34% das escolas tinham acesso ao serviço, e mesmo aquelas com energia apresentavam problemas com o abastecimento, já que apenas 24% relataram não ter tido complicações de energia ao longo do ano letivo.
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 
Merenda escolar

Em relação à alimentação dos alunos, só 15,8% das escolas receberam integralmente merenda escolas e 84,2% ficaram algum período do ano sem receber alimentos. “Surpreende que 34% das escolas ficaram entre 160 a 180 dias sem merenda. Considerando que na média, um mês letivo tem 20 dias, em 1/3 das escolas os estudantes receberam merenda apenas um ou dois meses letivos”. Sobre a agricultura familiar e regional, que deveria abastecer alimentação escolar, só 6,6% eram recebiam merenda oriunda da culinária local e 93,4% não.

Professores e comunidade

Outro dado interessante é que 65% dos docentes tinham nível superior de escolaridade. Mais da metade (58,3%) não tinham gestor e 41,7% tinham. Além disso, em 12% das escolas visitadas a equipe escolar era composta apenas por um professor. Nas escolas visitadas só 2% declararam usar materiais didáticos regionalizados específicos que atendessem à diversidade sociocultural. Da participação na vida escolar, 92,4% dos pais eram ativos e 7,6% não eram presentes. 

O relatório conta com falas de professores, alunos e famílias, e mostra, de forma mais completa, um panorama das dificuldades e desafios para o ensino em regiões longínquas.

“Esse documento tem o propósito de mostrar de maneira clara, com números e com depoimentos, os desafios da educação ribeirinha. O nosso objetivo é que esse documento possa servir de inspiração para mudança de políticas públicas”, ressaltou o superintendente-geral da FAS, Virgílio Viana. “Vamos apresentar esse documento ao novo governo estadual e aos governos municipais para que possam ser feitas ações voltadas a enfrentar essa realidade da educação rural, que é muito desafiadora”, completou.  

Opens external link in new windowConfira o relatório completo

Cidades

Home > Noticias > null

Pesquisa mostra que 97% de escolas rurais ribeirinhas não tem acesso a internet, no Amazonas

O ‘Censo Escolar da Floresta’ foi feito em parceira com o Unicef e a Fundação Nacional Sustentável (FAS)

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Fundação Amazonas Sustentável (FAS) e o Unicef publicaram, na última semana, os resultados de um levantamento feito em 83 escolas de 68 comunidades em cinco municípios do Estado. Os dados coletados resultaram na publicação intitulada “Recortes e Cenários Educacionais em Localidades Rurais Ribeirinhas do Amazonas”.  O acesso à internet é restrito a apenas 3% das escolas pesquisadas, e só há energia elétrica em 34% delas.

O levantamento foi realizado em cinco municípios amazonenses – Itapiranga, Maraã, Maués, Novo Aripuanã e Uarini – e tem o objetivo de conhecer a fundo o que existe e o que não existe sobre o ensino de crianças e adolescentes nessas localidades. 

Internet e tecnologias

Nas escolas analisadas geridas pelas Semeds internet ainda era uma realidade distante, já que 97% delas não tinham acesso à rede. Das escolas municipais que têm acesso, 3% encontram-se exclusivamente em áreas fora das UCs. “O computador é um dos principais equipamentos eletrônicos encontrados na zona rural amazonense, no entanto, é interessante constatar que muitos deles não são utilizados. Entre os 80 computadores distribuídos entre as escolas visitadas, 46% não eram utilizados”. 
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 
Censo escolar desconhecido

No estudo, um dos primeiros resultados levantados é o próprio “desconhecimento” sobre o cenário educacional no interior do Amazonas para censos escolares do País. Conforme os pesquisadores da FAS e da Unicef, há quase que uma “inexistência” das escolas rurais ribeirinhas do Amazonas para o resto do País, o que compromete justamente a adoção de políticas públicas voltadas às realidades dessas regiões.

Ao todo, são 83 escolas analisadas em cinco municípios e, respectivamente, cinco Unidades de Conservação (UC). Essas escolas ficam situadas em diversas comunidades ribeirinhas dentro das Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Anamã, que fica no município de Maraã; na RDS do Juma, em Novo Aripuanã; RDS Mamirauá, em Uarini; RDS do Uatumã, em Itapiranga; e na Floresta Estadual de Maués, no município de Maués. Das 83 escolas, quatro já estavam extintas e três paralisadas.

A análise dos dados no estudo foi dividida em três categorias: 1) perfil da escola, com infraestrutura, equipamentos, organização do ensino e localização; 2) o perfil do docente, incluindo informações sobre professores, auxiliares, gestores, assistentes e tecnologias usadas em sala de aula; e 3) o perfil da participação comunitária, sobre a participação da família e da comunidade no cotidiano escolar e a existência de associação de pais e mestres e conselhos.

Realidade da educação rural

Conforme os pesquisadores da FAS e da Unicef, fatores específicos da Amazônia fazem da educação rural na região algo bem mais desafiador que no resto do país. Extensão territorial, transporte predominantemente fluvial, alto custo logístico de viagens, além fenômenos naturais como seca e cheia dos rios fazem do ensino rural no Amazonas algo problemático. Mesmo assim, e contraditoriamente, segundo eles, as escolas ainda são uma das poucas políticas públicas que chegam aos ribeirinhos do Amazonas – há carência de saúde, segurança, entre outros.

“As grandes distâncias e o alto custo de deslocamento dificultam a capilaridade do poder público na região, e desafiam o acompanhamento das Secretarias Municipais de Educação (Semed) sobre as escolas e professores”, consta no estudo científico. “Entre os municípios pesquisados, poucos são os que conseguem encontrar soluções para as dificuldades de logística do interior. Aqueles que conseguem, obtêm melhores índices de alfabetização”.

Das escolas visitadas em atividade e gerenciadas pelas Semeds, 95% ofereciam apenas acesso à Educação Infantil e 91,6% ao Ensino Fundamental I. Somente 21% tinham o ciclo educacional completo: Educação Infantil, Ensino Fundamental séries iniciais e finais, e Ensino Médio tecnológico. Apenas 9% das escolas ofereciam a Educação de Jovens e Adultos (EJA). 
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 

Espaços físicos e séries

Outro fator importante é que 94% dessas instituições de ensino possuíam prédios escolares próprios dos órgãos regionais de educação e, desse total, 10% tinham infraestruturas complementares e que também eram usadas das como salas de aula. No entanto, 6% das escolas ainda não funcionavam em prédios escolares, mas sim em igrejas/templos, centros sociais e casas de comunitários. 

Do ensino nessas escolas, 74% das escolas organizavam o ensino em classes multisseriadas, 4% mesclavam as classes multisseriadas com classes seriadas e, apenas 22% executavam o ensino exclusivamente em classes seriadas. “É universal a existência de salas compartilhadas, isto é, salas que possuem diferentes usos em um mesmo espaço”, disse o estudo. Nesse contexto, 45% possuíam apenas uma sala de aula e 33% tinham mais de duas salas. 

Água, esgoto, lixo e energia

Ainda sobre estrutura, 70% das escolas não tinham banheiro dentro do prédio e 99% não possuíam tratamento de esgoto adequado. 76% não disponibilizavam água tratada e somente uma escola tinha esgoto correto. As outras se dividiam em modelos que não dão conta de atender exigências sanitárias mínimas. Já a coleta seletiva foi citada em apenas 1% das escolas, localizadas próximas às sedes dos municípios. “Longas distâncias, alto custo e falta de prioridade na agenda pública são fatores que inviabilizam a chegada de equipes de coleta seletiva nas comunidades rurais”.

Sobre fornecimento de energia elétrica, só 34% das escolas tinham acesso ao serviço, e mesmo aquelas com energia apresentavam problemas com o abastecimento, já que apenas 24% relataram não ter tido complicações de energia ao longo do ano letivo.
   
Foto: Bruno Kelly/FAS
 
Merenda escolar

Em relação à alimentação dos alunos, só 15,8% das escolas receberam integralmente merenda escolas e 84,2% ficaram algum período do ano sem receber alimentos. “Surpreende que 34% das escolas ficaram entre 160 a 180 dias sem merenda. Considerando que na média, um mês letivo tem 20 dias, em 1/3 das escolas os estudantes receberam merenda apenas um ou dois meses letivos”. Sobre a agricultura familiar e regional, que deveria abastecer alimentação escolar, só 6,6% eram recebiam merenda oriunda da culinária local e 93,4% não.

Professores e comunidade

Outro dado interessante é que 65% dos docentes tinham nível superior de escolaridade. Mais da metade (58,3%) não tinham gestor e 41,7% tinham. Além disso, em 12% das escolas visitadas a equipe escolar era composta apenas por um professor. Nas escolas visitadas só 2% declararam usar materiais didáticos regionalizados específicos que atendessem à diversidade sociocultural. Da participação na vida escolar, 92,4% dos pais eram ativos e 7,6% não eram presentes. 

O relatório conta com falas de professores, alunos e famílias, e mostra, de forma mais completa, um panorama das dificuldades e desafios para o ensino em regiões longínquas.

“Esse documento tem o propósito de mostrar de maneira clara, com números e com depoimentos, os desafios da educação ribeirinha. O nosso objetivo é que esse documento possa servir de inspiração para mudança de políticas públicas”, ressaltou o superintendente-geral da FAS, Virgílio Viana. “Vamos apresentar esse documento ao novo governo estadual e aos governos municipais para que possam ser feitas ações voltadas a enfrentar essa realidade da educação rural, que é muito desafiadora”, completou.  

Opens external link in new windowConfira o relatório completo

TAG ribeirinhosamazonascomunidadesreservaeducacaoescolas