Publicidade

Cidades

Penitenciária de Manaus tem nova rebelião e IML confirma mortos

Ainda não há um número exato de mortes confirmadas pelo IML.


Uma rebelião no Complexo Penitenciários Anísio Jobim (Compaj), em Manuas, foi registrada e confirmada pela Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap) no início da tarde deste domingo (26). Até o momento, o motim fez vários mortos, e o Instituto Médico Legal (IML) já foi acionado para remoção dos corpos. Ainda não há um número exato de vítimas confirmadas pela Seap. 
 
Foto:Ive Rylo/Rede Amazônica
 

Em entrevista à repórter do G1 Amazonas, Ive Rylo, uma das mães de detentos que estava no local e testemunhou o início da rebelião, e afirmou que visitantes foram tomados como reféns.


"Eu estava na cela sete. Foi uma agonia muito grande. Começou uma correria, e todos estavam batendo nas celas, nas portas, e correndo pelos corredores. Tinha um [detento] na cela oito que estava amarrado. Os policiais tiraram as visitas, mas os presos pegaram um monte e levaram para quadra", disse a mulher, que pediu para não ser identificada.


No Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), que fica no mesmo complexo presidiário, uma irmã de um detento afirmou que a unidade também teve visitações suspensas.


"Era 12h15 quando começou a agitação. O pessoal falou que tinha começado uma rebelião e que já tinham matado duas pessoas. Eles mandaram todos os visitantes saírem. Estávamos no CDPM, e tivemos que sair porque iam trancar os presos nas celas", disse.


Até o momento, não há confirmação do número de mortes. 
 
Foto:Ive Rylo/Rede Amazônica
 
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP), e a Seap informaram que o motim foi controlado após uma intervenção no presídio.


Massacre em 2017


Esta unidade do Compaj é a mesma que, em janeiro de 2017, deixou 56 pessoas mortas após uma rebelião, considerada a maior do Amazonas já registrada.
     

Cidades

Home > Noticias > null

Penitenciária de Manaus tem nova rebelião e IML confirma mortos

Ainda não há um número exato de mortes confirmadas pelo IML.

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Uma rebelião no Complexo Penitenciários Anísio Jobim (Compaj), em Manuas, foi registrada e confirmada pela Secretaria de Administração Penitenciária do Amazonas (Seap) no início da tarde deste domingo (26). Até o momento, o motim fez vários mortos, e o Instituto Médico Legal (IML) já foi acionado para remoção dos corpos. Ainda não há um número exato de vítimas confirmadas pela Seap. 
 
Foto:Ive Rylo/Rede Amazônica
 

Em entrevista à repórter do G1 Amazonas, Ive Rylo, uma das mães de detentos que estava no local e testemunhou o início da rebelião, e afirmou que visitantes foram tomados como reféns.


"Eu estava na cela sete. Foi uma agonia muito grande. Começou uma correria, e todos estavam batendo nas celas, nas portas, e correndo pelos corredores. Tinha um [detento] na cela oito que estava amarrado. Os policiais tiraram as visitas, mas os presos pegaram um monte e levaram para quadra", disse a mulher, que pediu para não ser identificada.


No Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), que fica no mesmo complexo presidiário, uma irmã de um detento afirmou que a unidade também teve visitações suspensas.


"Era 12h15 quando começou a agitação. O pessoal falou que tinha começado uma rebelião e que já tinham matado duas pessoas. Eles mandaram todos os visitantes saírem. Estávamos no CDPM, e tivemos que sair porque iam trancar os presos nas celas", disse.


Até o momento, não há confirmação do número de mortes. 
 
Foto:Ive Rylo/Rede Amazônica
 
Em nota, a Secretaria de Segurança Pública (SSP), e a Seap informaram que o motim foi controlado após uma intervenção no presídio.


Massacre em 2017


Esta unidade do Compaj é a mesma que, em janeiro de 2017, deixou 56 pessoas mortas após uma rebelião, considerada a maior do Amazonas já registrada.
     

TAG compajrebeliao compaj manaus 2019manaus