Publicidade

Atualidades

Home > Noticias > null

Paraense é identificada entre vítimas da tragédia com barragem, em Brumadinho

A identificação feita pelas digitais da vítima foi confirmada neste domingo (3), por familiares

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A paraense Lenilda Cavalcante Andrade, de 36 anos, foi mais uma das vítimas do acidente com a barragem de rejeitos da Vale, em Brumadinho, Minas Gerais. Segundo familiares, a técnica em planejamento teve o corpo identificado através das impressões digitais, na noite do último sábado (2). A confirmação da morte foi anunciada, nesse domingo (3), pelo Instituto Médico Legal de Minas Gerais.
 
 
Foto: Reprodução/Facebook
 
A técnica era funcionária da Vale há cerca de 10 anos. Até 2016, trabalhou na sede da empresa em Parauapebas, no Pará, e no mesmo ano foi transferida para Brumadinho.

Amazonas possui 15 barragens de mineração; saiba onde ficam

Familiares de Lenilda estavam em Brumadinho, e, com a identificação, realizam os procedimentos para liberação do corpo.

Outra vítima que morava no Pará também foi identificada. Andrea Ferreira Lima, de 40 anos, era nascida no Paraná, mas advogava em Marabá, interior do estado, onde moram seus familiares.

Veja também: Após tragédia em Minas Gerais, barragens do Amazonas serão fiscalizadas

Sobre o acidente

Uma barragem de rejeitos da mineradora da Vale, no Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais, se rompeu por volta das 13h30, do dia 25 de janeiro. A lama de rejeitos atingiu a área administrativa da empresa, um refeitório, e parte da comunidade da Vila Ferteco. Até o momento, 121 mortes, e 226 pessoas continuam desaparecidas.

Em nota, a Companhia Vale afirma que está prestando toda assistência necessária às famílias.

Atualidades

Paraense é identificada entre vítimas da tragédia com barragem, em Brumadinho

A identificação feita pelas digitais da vítima foi confirmada neste domingo (3), por familiares


A paraense Lenilda Cavalcante Andrade, de 36 anos, foi mais uma das vítimas do acidente com a barragem de rejeitos da Vale, em Brumadinho, Minas Gerais. Segundo familiares, a técnica em planejamento teve o corpo identificado através das impressões digitais, na noite do último sábado (2). A confirmação da morte foi anunciada, nesse domingo (3), pelo Instituto Médico Legal de Minas Gerais.
 
 
Foto: Reprodução/Facebook
 
A técnica era funcionária da Vale há cerca de 10 anos. Até 2016, trabalhou na sede da empresa em Parauapebas, no Pará, e no mesmo ano foi transferida para Brumadinho.

Amazonas possui 15 barragens de mineração; saiba onde ficam

Familiares de Lenilda estavam em Brumadinho, e, com a identificação, realizam os procedimentos para liberação do corpo.

Outra vítima que morava no Pará também foi identificada. Andrea Ferreira Lima, de 40 anos, era nascida no Paraná, mas advogava em Marabá, interior do estado, onde moram seus familiares.

Veja também: Após tragédia em Minas Gerais, barragens do Amazonas serão fiscalizadas

Sobre o acidente

Uma barragem de rejeitos da mineradora da Vale, no Córrego do Feijão, em Brumadinho, Minas Gerais, se rompeu por volta das 13h30, do dia 25 de janeiro. A lama de rejeitos atingiu a área administrativa da empresa, um refeitório, e parte da comunidade da Vila Ferteco. Até o momento, 121 mortes, e 226 pessoas continuam desaparecidas.

Em nota, a Companhia Vale afirma que está prestando toda assistência necessária às famílias.


TAG paraensebrumadinhovitimas