Cidades

Operação Kari’Oca: IPAAM notifica empresas de turismo de selva no Amazonas

Fiscalização teve como principal motivação solicitação do Ministério Público Federal (MPF), a partir de irregularidades cometidas por empreendimentos hoteleiros na região


O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) em conjunto com o Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAmb), realizou entre os dias 8 e 12 de maio a Operação Kari’Oca II  na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro e Puranga Conquista, que abrange os municípios de Iranduba, Manacapuru e Manaus, na Região Metropolitana.
 

Foto:Divulgação/Ipaam

 

A fiscalização teve como principal motivação solicitação do Ministério Público Federal (MPF), a partir de irregularidades cometidas por empreendimentos hoteleiros na região, mas também teve a finalidade de denotar a presença do Ipaam e Batalhão de Policiamento Ambiental com o fim de coibir a prática de ilícitos ambientais na região.
Em relação aos empreendimentos hoteleiros, dois deles – um hotel de selva e uma embarcação - foram notificados a se regularizarem por levar turistas a unidades de conservação do Estado sem a devida autorização legal da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), responsável pela gestão dessas localidades através do Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação (DEMUC).
 

 

Foto:Divulgação/Ipaam

 

Durante a ação, a equipe buscou ouvir os comunitários locais com a finalidade de coletar informações referentes aos ilícitos ambientais e crimes violentos ocorridos na região.
A fiscalização utilizou a Embarcação Tiradentes, uma lancha de ação rápida do Batalhão de Policiamento Ambiental e uma lancha do IPAAM para o deslocamento até as áreas fluviais. Além de recursos advindos do IPAAM, a operação contou com recursos do Programa ARPA (Áreas Protegidas da Amazônia), gerido pela SEMA-AM.
As empresas que operam com turismo de selva devem solicitar autorização da SEMA e IPAAM, por conta dos riscos que expõem os recursos naturais das unidades de conservação estaduais. Por exemplo, não é permitido levar material biológico do local sem a devida autorização.
Durante a Operação Kari’oca I, realizada em fevereiro de 2017, o IPAAM havia fiscalizado cinco empreendimentos turísticos, tendo notificado dois e multado três por estarem operando irregularmente. O nome da operação faz referência à etimologia tupi Kari’oca que significa “casa do homem branco”. 
Outras ações de fiscalização serão organizadas visando o monitoramento ambiental das áreas naturais dessa região, com o objetivo de inibir a prática de crimes e infrações ambientais.
O IPAAM recebe denúncias de ilícitos ambientais, anônimas ou identificadas, pelos telefones (92) 2123-6715/6729 ou diretamente na sede do órgão.


Cidades

Operação Kari’Oca: IPAAM notifica empresas de turismo de selva no Amazonas

Fiscalização teve como principal motivação solicitação do Ministério Público Federal (MPF), a partir de irregularidades cometidas por empreendimentos hoteleiros na região

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) em conjunto com o Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAmb), realizou entre os dias 8 e 12 de maio a Operação Kari’Oca II  na Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Rio Negro e Puranga Conquista, que abrange os municípios de Iranduba, Manacapuru e Manaus, na Região Metropolitana.
 

Foto:Divulgação/Ipaam

 

A fiscalização teve como principal motivação solicitação do Ministério Público Federal (MPF), a partir de irregularidades cometidas por empreendimentos hoteleiros na região, mas também teve a finalidade de denotar a presença do Ipaam e Batalhão de Policiamento Ambiental com o fim de coibir a prática de ilícitos ambientais na região.
Em relação aos empreendimentos hoteleiros, dois deles – um hotel de selva e uma embarcação - foram notificados a se regularizarem por levar turistas a unidades de conservação do Estado sem a devida autorização legal da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (SEMA), responsável pela gestão dessas localidades através do Departamento de Mudanças Climáticas e Unidades de Conservação (DEMUC).
 

 

Foto:Divulgação/Ipaam

 

Durante a ação, a equipe buscou ouvir os comunitários locais com a finalidade de coletar informações referentes aos ilícitos ambientais e crimes violentos ocorridos na região.
A fiscalização utilizou a Embarcação Tiradentes, uma lancha de ação rápida do Batalhão de Policiamento Ambiental e uma lancha do IPAAM para o deslocamento até as áreas fluviais. Além de recursos advindos do IPAAM, a operação contou com recursos do Programa ARPA (Áreas Protegidas da Amazônia), gerido pela SEMA-AM.
As empresas que operam com turismo de selva devem solicitar autorização da SEMA e IPAAM, por conta dos riscos que expõem os recursos naturais das unidades de conservação estaduais. Por exemplo, não é permitido levar material biológico do local sem a devida autorização.
Durante a Operação Kari’oca I, realizada em fevereiro de 2017, o IPAAM havia fiscalizado cinco empreendimentos turísticos, tendo notificado dois e multado três por estarem operando irregularmente. O nome da operação faz referência à etimologia tupi Kari’oca que significa “casa do homem branco”. 
Outras ações de fiscalização serão organizadas visando o monitoramento ambiental das áreas naturais dessa região, com o objetivo de inibir a prática de crimes e infrações ambientais.
O IPAAM recebe denúncias de ilícitos ambientais, anônimas ou identificadas, pelos telefones (92) 2123-6715/6729 ou diretamente na sede do órgão.

TAG operacaoipaamhotel selvaAmazonasmeio ambienteManaus