Publicidade

Internacional

ONU marca um ano do acolhimento de venezuelanos no Brasil

Lançada em março do ano passado, a Operação Acolhida operacionaliza a assistência emergencial para o acolhimento de refugiados


A Operação Acolhida, responsável pelas atividades de proteção e assistência aos venezuelanos que chegam ao Brasil pela fronteira com o estado de Roraima, completou um ano. Para marcar a data, foram realizadas atividades culturais e esportivas para promover a integração entre refugiados e migrantes e brasileiros residentes na cidade de Boa Vista.


As comemorações estão sendo promovidas pelas Forças Armadas, com o apoio de Agência da Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), Organização Internacional para as Migrações, Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), ONU Mulheres e Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Também participam o governo do estado de Roraima e a prefeitura de Boa Vista, além do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).




Foto: Reprodução/Agência Brasil


Lançada em março do ano passado, a Operação Acolhida operacionaliza a assistência emergencial para o acolhimento de refugiados e migrantes da Venezuela no Brasil. As atividades foram prorrogadas até março do ano que vem.


Por meio da Operação Acolhida, os venezuelanos que chegam ao país são registrados, documentados e vacinados.


Aqueles que pretendem permanecer no Brasil são orientados a pedir refúgio ou requisitar visto de residência temporária. Os casos mais vulneráveis são encaminhados para abrigos temporários emergenciais.


Interiorização


Um dos objetivos da Operação Acolhida é a interiorização, com a transferência de refugiados e migrantes de Roraima para outros estados, onde haja mais oportunidade de integração socioeconômica. Segundo o Acnur, mais de 5,2 mil refugiados e migrantes venezuelanos já foram interiorizados para 50 cidades em 17 estados brasileiros.


Dados oficiais indicam que mais de 240 mil venezuelanos entraram no Brasil desde 2017 e que quase a metade deles já saiu do país. Cerca de 160 mil foram regularizados até o momento, seja pela solicitação de refúgio (59%), ou por meio de um visto de residência temporária (41%).


Em um ano de operação, 56 mil cadastros de pessoa física (CPFs) foram emitidos para refugiados e migrantes. Também já foram feitos mais de 22 mil atendimentos médicos, com cerca de 53 mil vacinas aplicadas nos centros de atendimento nas cidades de Pacaraima e Boa Vista, no estado de Roraima.


Donativos


Além de envolver a população de Boa Vista e promover sua interação com refugiados e migrantes, as comemorações do aniversário da Operação Acolhida recolhem donativos para melhorar a rotina dos venezuelanos na capital roraimense. Para participar de uma feijoada e de outros eventos, a população foi convidada a doar itens de material escolar, kits de higiene pessoal ou alimentos não perecíveis, que serão repassados à população abrigada.


A Organização Internacional para as Migrações também participa das festividades com um estande informativo visando divulgar à população de Boa Vista as atividades desenvolvidas no Brasil. O objetivo também foi informar a população venezuelana sobre a assistência disponibilizada aos migrantes e solicitantes de refúgio no país.

Internacional

Home > Noticias > null

ONU marca um ano do acolhimento de venezuelanos no Brasil

Lançada em março do ano passado, a Operação Acolhida operacionaliza a assistência emergencial para o acolhimento de refugiados

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A Operação Acolhida, responsável pelas atividades de proteção e assistência aos venezuelanos que chegam ao Brasil pela fronteira com o estado de Roraima, completou um ano. Para marcar a data, foram realizadas atividades culturais e esportivas para promover a integração entre refugiados e migrantes e brasileiros residentes na cidade de Boa Vista.


As comemorações estão sendo promovidas pelas Forças Armadas, com o apoio de Agência da Agência das Nações Unidas para Refugiados (Acnur), Organização Internacional para as Migrações, Fundo de População das Nações Unidas (Unfpa), ONU Mulheres e Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). Também participam o governo do estado de Roraima e a prefeitura de Boa Vista, além do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).





Lançada em março do ano passado, a Operação Acolhida operacionaliza a assistência emergencial para o acolhimento de refugiados e migrantes da Venezuela no Brasil. As atividades foram prorrogadas até março do ano que vem.


Por meio da Operação Acolhida, os venezuelanos que chegam ao país são registrados, documentados e vacinados.


Aqueles que pretendem permanecer no Brasil são orientados a pedir refúgio ou requisitar visto de residência temporária. Os casos mais vulneráveis são encaminhados para abrigos temporários emergenciais.


Interiorização


Um dos objetivos da Operação Acolhida é a interiorização, com a transferência de refugiados e migrantes de Roraima para outros estados, onde haja mais oportunidade de integração socioeconômica. Segundo o Acnur, mais de 5,2 mil refugiados e migrantes venezuelanos já foram interiorizados para 50 cidades em 17 estados brasileiros.


Dados oficiais indicam que mais de 240 mil venezuelanos entraram no Brasil desde 2017 e que quase a metade deles já saiu do país. Cerca de 160 mil foram regularizados até o momento, seja pela solicitação de refúgio (59%), ou por meio de um visto de residência temporária (41%).


Em um ano de operação, 56 mil cadastros de pessoa física (CPFs) foram emitidos para refugiados e migrantes. Também já foram feitos mais de 22 mil atendimentos médicos, com cerca de 53 mil vacinas aplicadas nos centros de atendimento nas cidades de Pacaraima e Boa Vista, no estado de Roraima.


Donativos


Além de envolver a população de Boa Vista e promover sua interação com refugiados e migrantes, as comemorações do aniversário da Operação Acolhida recolhem donativos para melhorar a rotina dos venezuelanos na capital roraimense. Para participar de uma feijoada e de outros eventos, a população foi convidada a doar itens de material escolar, kits de higiene pessoal ou alimentos não perecíveis, que serão repassados à população abrigada.


A Organização Internacional para as Migrações também participa das festividades com um estande informativo visando divulgar à população de Boa Vista as atividades desenvolvidas no Brasil. O objetivo também foi informar a população venezuelana sobre a assistência disponibilizada aos migrantes e solicitantes de refúgio no país.

TAG roraimavenezuelaONU