Publicidade

Meio Ambiente

Home > Noticias > null

Nova espécie de mamífero da Amazônia recebe nome em homenagem ao Saci

Presença do pequeno marsupial ocorre no Pará, Mato Grosso, Rondônia e Acre

Portal Amazônia, com informações do Museu Paraense Emílio Goeldi

jornalismo@portalamazonia.com


A ciência ampliou novamente o conhecimento sobre a megadiversidade da Amazônia. Uma cientista do Museu Paraense Emilio Goeldi e colegas do Brasil e Estados Unidos publicaram artigo no início deste mês descrevendo uma nova espécie que habita a região. Trata-se de um pequeno marsupial batizado de Monodelphis saci, em homenagem à entidade do folclore brasileiro conhecida por travessuras e por usar um gorro vermelho com poderes mágicos.
O nome 'saci', de acordo com Silvia Pavan, autora líder do estudo, deve-se ao visual do animal: a tonalidade avermelhada de sua cabeça se destaca diante da cor amarronzada da pelagem de seu corpo. “Escolhi como epíteto específico o nome ‘saci’, em alusão ao capuz vermelho desse personagem, e também como uma forma de homenagem ao folclore brasileiro", conta Silvia, pesquisadora do Museu Goeldi. 
 
Foto: A. O. Maciel
 
Representantes do gênero Monodelphis são popularmente conhecidos como catitas (ou cuícas-de-cauda-curta). São da mesma família do gambá – conhecido na Amazônia como mucura - mas bem menores (variam de 7 a 20 centímetros de comprimento). Possuem hábito terrestre a semi-fossorial, o que quer dizer que apresentam algumas adaptações físicas para cavar e realizar atividades no subsolo. Para a espécie em questão, Monodelphis saci, o comprimento do corpo é de cerca de 10 centímetros.

Pesquisa 

Não foi por meios mágicos que o Monodelphis saci se escondeu da ciência até hoje, apesar de sua população ser aparentemente numerosa, e sim por ausência de dados tratados sobre o animal. Em 2008, quando ainda era aluna do Mestrado em Zoologia do Museu Goeldi/Universidade Federal do Pará, Silvia Pavan analisou dois exemplares do gênero Monodelphis trazidos de uma coleta na Floresta Nacional do Crepori, Itaituba (PA).

Ao estuda-los, a pesquisadora identificou um como pertencente à espécie Monodelphis glirina e o outro pertencente a uma espécie ainda sem nome, por possuir características diferentes de outras já registradas. Silvia só voltou a investigar a questão mais à frente, durante seu doutorado na City University of New York (EUA). Em publicação de 2014, a pesquisadora confirmou, a partir de dados genéticos, que o agora batizado Monodelphis saci representava mesmo uma espécie ainda não descrita.

Durante seu pós-doutorado no Museu Goeldi, Pavan deu prosseguimento ao estudo morfológico detalhado – descrição aprofundada das estruturas físicas do animal, incluindo seu crânio e dentes – para sacramentar que se tratava de uma espécie diferente das encontradas anteriormente. A recente análise incluiu o exame de exemplares tombados em diversas coleções, boa parte deles na própria coleção de mamíferos (mastozoologia) do Museu Goeldi, e contou com colaboração de Ana Cristina Mendes, da UFPA.

Desdobramentos 

Silvia destaca que a descrição e reconhecimento formal de novas espécies contribuem para o conhecimento básico sobre a diversidade e distribuição da fauna na Amazônia na atualidade. A partir daí, vários caminhos se abrem, “incluindo a possibilidade de estudos de cunho evolutivo e biogeográfico (buscando entender a origem e distribuição de tal diversidade) e de conservação (implementação de políticas públicas que apontem áreas de grande diversidade biológica, prioritárias para a conservação)”, segundo a líder do estudo.

Silvia Pavan é pesquisadora-bolsista do Programa de Capacitação Institucional do Museu Goeldi e desenvolve projeto que, entre outros objetivos, procura analisar a morfologia e providenciar a descrição formal de novas espécies de marsupiais, previamente identificadas por estudos de filogenia molecular na coleção de mastozoologia do MPEG. O Monodelphis saci é a primeira espécie descrita como resultado desse trabalho.  
Meio Ambiente

Nova espécie de mamífero da Amazônia recebe nome em homenagem ao Saci

Presença do pequeno marsupial ocorre no Pará, Mato Grosso, Rondônia e Acre

Portal Amazônia, com informações do Museu Paraense Emílio Goeldi

jornalismo@portalamazonia.com


A ciência ampliou novamente o conhecimento sobre a megadiversidade da Amazônia. Uma cientista do Museu Paraense Emilio Goeldi e colegas do Brasil e Estados Unidos publicaram artigo no início deste mês descrevendo uma nova espécie que habita a região. Trata-se de um pequeno marsupial batizado de Monodelphis saci, em homenagem à entidade do folclore brasileiro conhecida por travessuras e por usar um gorro vermelho com poderes mágicos.
O nome 'saci', de acordo com Silvia Pavan, autora líder do estudo, deve-se ao visual do animal: a tonalidade avermelhada de sua cabeça se destaca diante da cor amarronzada da pelagem de seu corpo. “Escolhi como epíteto específico o nome ‘saci’, em alusão ao capuz vermelho desse personagem, e também como uma forma de homenagem ao folclore brasileiro", conta Silvia, pesquisadora do Museu Goeldi. 
 
Foto: A. O. Maciel
 
Representantes do gênero Monodelphis são popularmente conhecidos como catitas (ou cuícas-de-cauda-curta). São da mesma família do gambá – conhecido na Amazônia como mucura - mas bem menores (variam de 7 a 20 centímetros de comprimento). Possuem hábito terrestre a semi-fossorial, o que quer dizer que apresentam algumas adaptações físicas para cavar e realizar atividades no subsolo. Para a espécie em questão, Monodelphis saci, o comprimento do corpo é de cerca de 10 centímetros.

Pesquisa 

Não foi por meios mágicos que o Monodelphis saci se escondeu da ciência até hoje, apesar de sua população ser aparentemente numerosa, e sim por ausência de dados tratados sobre o animal. Em 2008, quando ainda era aluna do Mestrado em Zoologia do Museu Goeldi/Universidade Federal do Pará, Silvia Pavan analisou dois exemplares do gênero Monodelphis trazidos de uma coleta na Floresta Nacional do Crepori, Itaituba (PA).

Ao estuda-los, a pesquisadora identificou um como pertencente à espécie Monodelphis glirina e o outro pertencente a uma espécie ainda sem nome, por possuir características diferentes de outras já registradas. Silvia só voltou a investigar a questão mais à frente, durante seu doutorado na City University of New York (EUA). Em publicação de 2014, a pesquisadora confirmou, a partir de dados genéticos, que o agora batizado Monodelphis saci representava mesmo uma espécie ainda não descrita.

Durante seu pós-doutorado no Museu Goeldi, Pavan deu prosseguimento ao estudo morfológico detalhado – descrição aprofundada das estruturas físicas do animal, incluindo seu crânio e dentes – para sacramentar que se tratava de uma espécie diferente das encontradas anteriormente. A recente análise incluiu o exame de exemplares tombados em diversas coleções, boa parte deles na própria coleção de mamíferos (mastozoologia) do Museu Goeldi, e contou com colaboração de Ana Cristina Mendes, da UFPA.

Desdobramentos 

Silvia destaca que a descrição e reconhecimento formal de novas espécies contribuem para o conhecimento básico sobre a diversidade e distribuição da fauna na Amazônia na atualidade. A partir daí, vários caminhos se abrem, “incluindo a possibilidade de estudos de cunho evolutivo e biogeográfico (buscando entender a origem e distribuição de tal diversidade) e de conservação (implementação de políticas públicas que apontem áreas de grande diversidade biológica, prioritárias para a conservação)”, segundo a líder do estudo.

Silvia Pavan é pesquisadora-bolsista do Programa de Capacitação Institucional do Museu Goeldi e desenvolve projeto que, entre outros objetivos, procura analisar a morfologia e providenciar a descrição formal de novas espécies de marsupiais, previamente identificadas por estudos de filogenia molecular na coleção de mastozoologia do MPEG. O Monodelphis saci é a primeira espécie descrita como resultado desse trabalho.  

TAG ParaAmazoniaanimais da amazoniadescobertapesquisa