Publicidade

Amazônia

Home > Noticias > null

No Amazonas, mulheres yanomami escrevem livro sobre fungos usados em cestaria

As cestarias com o rizomorfo da espécie nova está a venda na Maloca do Bosque da Ciência nas próximas duas semanas

Portal Amazônia, com informações do Inpa

jornalismo@portalamazonia.com


Na próxima quinta-feira (27), será lançado o livro “Përisi - o fungo que as mulheres yanomami usam na confecção de cestaria”, às 19h, no Musa do Largo, Centro de Manaus. Ilustrada, a obra alia conhecimento tradicional dos Yanomami, povo com vasto saber sobre propriedade e uso dos cogumelos, e a ciência. 

 

O livro foi escrito de forma coletiva pelas mulheres da Associação de Mulheres Yanomami Kumirãyõma, que fica na região de Maturacá no Amazonas, em colaboração com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) e o Instituto Socioambiental (ISA). Escrito em Yanomami, a publicação foi traduzida para o português.

 

Ao todo, 31 autores participaram da produção do conteúdo do livro organizado pelo Instituto Socioambiental. Do Inpa foram convidados a pesquisadora Noemia Kazue Ishikawa e o bolsista de pós-doutorado Jadson José Sousa Oliveira, que se debruçaram sobre a identificação do fungo (Marasmius yanomami) para atender à demanda das mulheres Yanomami para identificar o material que elas usam para decorar cestas trançadas com cipó.

 

Foto: Divulgação/Inpa 

“Nas pesquisas, verificamos que não existia nenhuma espécie semelhante a essa que as mulheres usavam nas cestas. Depois de ter passado por três especialistas do grupo do fungo, foi considerada que havia dados o suficiente para descrevermos essa como uma espécie nova, e o nomeamos de Marasmius yanomami”, contou Ishikawa.

 

Conforme a pesquisadora, o trabalho foi possível graças as conexões entre a presidente da Associação de Mulheres Yanomami Kumirãyõma, a Floriza Yanomami, e a egressa de Mestrado em Ecologia do Inpa (uma das organizadoras do projeto), Marina Matos Vieira, e o grupo de pesquisas cogumelos da Amazônia liderado pela Ishikawa. A obra faz parte da Série Saberes da Floresta Yanomami.

 

Apaixonada por fungos, Ishikawa colabora há alguns anos com o conhecimento e com fortalecimento da cultura dos Yanomami. Em 2017, ela foi uma das pesquisadoras que trabalharam na publicação do livro com de 15 espécies de cogumelos comestíveis usados por esse povo. A obra bilíngue (Sanöma/Português) intitulada “Ana Amopö: Cogumelos Yanomami”, primeiro livro sobre cogumelos comestíveis do Brasil, conquistou o Prêmio Jabuti, na categoria Gastronomia em 2018.

 

As cestarias com o rizomorfo da espécie nova está a venda na Maloca do Bosque da Ciência nas próximas duas semanas. Assim como está exposto na Casa da Ciência.

 

     
Amazônia

No Amazonas, mulheres yanomami escrevem livro sobre fungos usados em cestaria

As cestarias com o rizomorfo da espécie nova está a venda na Maloca do Bosque da Ciência nas próximas duas semanas

Portal Amazônia, com informações do Inpa

jornalismo@portalamazonia.com


Na próxima quinta-feira (27), será lançado o livro “Përisi - o fungo que as mulheres yanomami usam na confecção de cestaria”, às 19h, no Musa do Largo, Centro de Manaus. Ilustrada, a obra alia conhecimento tradicional dos Yanomami, povo com vasto saber sobre propriedade e uso dos cogumelos, e a ciência. 

 

O livro foi escrito de forma coletiva pelas mulheres da Associação de Mulheres Yanomami Kumirãyõma, que fica na região de Maturacá no Amazonas, em colaboração com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) e o Instituto Socioambiental (ISA). Escrito em Yanomami, a publicação foi traduzida para o português.

 

Ao todo, 31 autores participaram da produção do conteúdo do livro organizado pelo Instituto Socioambiental. Do Inpa foram convidados a pesquisadora Noemia Kazue Ishikawa e o bolsista de pós-doutorado Jadson José Sousa Oliveira, que se debruçaram sobre a identificação do fungo (Marasmius yanomami) para atender à demanda das mulheres Yanomami para identificar o material que elas usam para decorar cestas trançadas com cipó.

 

Foto: Divulgação/Inpa 

“Nas pesquisas, verificamos que não existia nenhuma espécie semelhante a essa que as mulheres usavam nas cestas. Depois de ter passado por três especialistas do grupo do fungo, foi considerada que havia dados o suficiente para descrevermos essa como uma espécie nova, e o nomeamos de Marasmius yanomami”, contou Ishikawa.

 

Conforme a pesquisadora, o trabalho foi possível graças as conexões entre a presidente da Associação de Mulheres Yanomami Kumirãyõma, a Floriza Yanomami, e a egressa de Mestrado em Ecologia do Inpa (uma das organizadoras do projeto), Marina Matos Vieira, e o grupo de pesquisas cogumelos da Amazônia liderado pela Ishikawa. A obra faz parte da Série Saberes da Floresta Yanomami.

 

Apaixonada por fungos, Ishikawa colabora há alguns anos com o conhecimento e com fortalecimento da cultura dos Yanomami. Em 2017, ela foi uma das pesquisadoras que trabalharam na publicação do livro com de 15 espécies de cogumelos comestíveis usados por esse povo. A obra bilíngue (Sanöma/Português) intitulada “Ana Amopö: Cogumelos Yanomami”, primeiro livro sobre cogumelos comestíveis do Brasil, conquistou o Prêmio Jabuti, na categoria Gastronomia em 2018.

 

As cestarias com o rizomorfo da espécie nova está a venda na Maloca do Bosque da Ciência nas próximas duas semanas. Assim como está exposto na Casa da Ciência.

 

     

TAG Yanomamicestaria indigenacestariaInpafungos