Publicidade

Cidades

Home > Noticias > null

MP cobra medidas urgentes para comunidades que estão há 5 anos sem água tratada em Rondônia

Pelo menos seis distritos da capital Porto Velho permanecem tendo acesso apenas à água sem nenhum tratamento desde 2014, depois da cheia histórica do Rio Madeira 

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil

jornalismo@portalamazonia.com


Em Rondônia, a cheia histórica do Rio Madeira de 2014 deixa reflexos até hoje. Pelo menos seis distritos da capital Porto Velho permanecem tendo acesso apenas à água retirada do Rio sem nenhum tratamento.



Por isso, Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual recomendaram que a Companhia de Águas e Esgotos do Estado de Rondônia (Caerd) adote todas as providências para fornecer água potável aos moradores das comunidades de Conceição do Galera, Papagaios, Cavalcante, Curicacas, Nazaré e Terra Caída. A orientação tem caráter de urgência.

 

 
Foto: Decom/ Divulgação 
 

Na recomendação, o procurador da República Raphael Bevilaqua e o promotor de Justiça Jesualdo Eurípedes Leiva cobram a apresentação de um cronograma com locais a serem beneficiados com o fornecimento de água encanada, datas de início e conclusão das obras. As informações também devem ser divulgadas no site da Caerd.



Os procuradores e promotores denunciam ainda a existência de um mercado paralelo de água formado pelos chamados “pipeiros”, que além de comercializar um produto sem qualquer tratamento, limitam o acesso à água àqueles que têm condições de pagar, e caro, pela água.



O prazo para que a Caerd manifeste se irá acatar ou não a recomendação é de dez dias, a partir da notificação. A Companhia de Águas informou que já foi notificada e na próxima segunda-feira vai realizar uma reunião sobre as medidas a serem adotadas.



Cidades

MP cobra medidas urgentes para comunidades que estão há 5 anos sem água tratada em Rondônia

Pelo menos seis distritos da capital Porto Velho permanecem tendo acesso apenas à água sem nenhum tratamento desde 2014, depois da cheia histórica do Rio Madeira 

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil

jornalismo@portalamazonia.com


Em Rondônia, a cheia histórica do Rio Madeira de 2014 deixa reflexos até hoje. Pelo menos seis distritos da capital Porto Velho permanecem tendo acesso apenas à água retirada do Rio sem nenhum tratamento.



Por isso, Ministério Público Federal e o Ministério Público Estadual recomendaram que a Companhia de Águas e Esgotos do Estado de Rondônia (Caerd) adote todas as providências para fornecer água potável aos moradores das comunidades de Conceição do Galera, Papagaios, Cavalcante, Curicacas, Nazaré e Terra Caída. A orientação tem caráter de urgência.

 

 
Foto: Decom/ Divulgação 
 

Na recomendação, o procurador da República Raphael Bevilaqua e o promotor de Justiça Jesualdo Eurípedes Leiva cobram a apresentação de um cronograma com locais a serem beneficiados com o fornecimento de água encanada, datas de início e conclusão das obras. As informações também devem ser divulgadas no site da Caerd.



Os procuradores e promotores denunciam ainda a existência de um mercado paralelo de água formado pelos chamados “pipeiros”, que além de comercializar um produto sem qualquer tratamento, limitam o acesso à água àqueles que têm condições de pagar, e caro, pela água.



O prazo para que a Caerd manifeste se irá acatar ou não a recomendação é de dez dias, a partir da notificação. A Companhia de Águas informou que já foi notificada e na próxima segunda-feira vai realizar uma reunião sobre as medidas a serem adotadas.




TAG aguasaneamento basicotratamentorondoniaministerio