Cidades

Manaus registra queda em casos de malária

Boletim Epidemiológico aponta que das 1.017 localidades ativas da cidade, 450 apresentaram casos de malária


A malária teve uma pequena redução na capital do Amazonas, principalmente em áreas de risco. A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), divulgou o Boletim Epidemiológico Anual de Malária, referente a 2016. Segundo o documento, foram notificados em Manaus 8.455 casos da doença. Em 2015, foram confirmados 8.501 casos de malária.

O documento aponta que das 1.017 localidades ativas (áreas urbanas, assentamentos e áreas rurais) de Manaus, 450 apresentaram casos de malária. Destas, 68 concentraram até 80% dos casos e 24 foram responsáveis por 50% dos casos positivos da doença entre janeiro e dezembro do ano passado. 
 

 

 

Foto: Divulgação/Fapeam

 

A zona Rural concentrou a metade do total de casos positivos da doença registrados em 2016, seguida das zonas Leste e Oeste, com 44% e 5% das notificações, respectivamente.

O Boletim destaca a significativa receptividade entomológica e vulnerabilidade da cidade de Manaus para o processo de transmissão de malária tanto na área urbana quanto na rural, devido à grande movimentação de pessoas em áreas de risco. Estas áreas são representadas, principalmente, pelas regiões do rio Tarumã, Grande Tarumãzinho, Ramal do Brasileirinho, Ramal do Ipiranga e Ipiriranguinha.

“Como a maior parte dos municípios da Amazônia, reunimos condições sociais e ambientais favoráveis ao desenvolvimento do mosquito transmissor da malária”, diz o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto.  Segundo ele, dentre os problemas relacionados à persistência da doença como um significativo problema de saúde pública, está a ocupação desordenada dos espaços e a elevada mobilidade da população entre as áreas urbanas e rurais, facilitando o ciclo de contaminação dos mosquitos e infecção de pessoas.

Desde 2014, três grandes invasões - Acampamento Coliseu, Jéferson Peres e Novo Paraíso – concentram grande parte dos casos notificados na capital. Além disso, pequenos focos da doença concentram-se nas regiões do Tarumã Grande, AM 010 e BR 174, em decorrência do desenvolvimento de atividades como a piscicultura.

“Esse tipo de atividade, assim como novos empreendimentos imobiliários nos limites florestais, precisa de ordenamento e controle de impacto na saúde, sob pena de potencializar a reprodução vetorial e os riscos de adoecimento”, destaca Homero. O secretário explica que o vetor da malária (Anopheles) se reproduz em ambiente de sombra e água parada, especialmente margens de rios, igarapés e outras coleções hídricas naturais ou artificiais.

Controle

Para controlar a malária, a Semsa atua em duas frentes: atenção ao paciente e controle vetorial. Na primeira, realiza busca ativa e inquérito hemoscópico com direcionamento para as áreas de transmissão, além de diagnóstico e tratamento em diversos pontos de referência. Na segunda, realiza ações entomológicas com pesquisa larvária e identificação de espécimes do vetor transmissor, borrifação intradomiciliar e nebulização espacial em áreas com notificação de casos e transmissão ativa, além de reposição de mosquiteiros impregnados e atividades de educação em saúde voltadas à orientação e conscientização da população.

O Plano de Intensificação 2015-2016 focou áreas prioritárias, por meio do planejamento, monitoramento e avaliação, nas zonas Leste, Oeste e Rural do município, a fim de reduzir a incidência de casos de malária na capital amazonense.

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários, transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. Apresenta cura se for tratada em tempo oportuno e adequadamente.

A maioria dos casos de malária se concentra na região Amazônica (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), área endêmica para a doença. Nas demais regiões, apesar das poucas notificações, a doença não pode ser negligenciada, pois se observa uma letalidade mais elevada que na região endêmica.


Cidades

Manaus registra queda em casos de malária

Boletim Epidemiológico aponta que das 1.017 localidades ativas da cidade, 450 apresentaram casos de malária

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A malária teve uma pequena redução na capital do Amazonas, principalmente em áreas de risco. A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), divulgou o Boletim Epidemiológico Anual de Malária, referente a 2016. Segundo o documento, foram notificados em Manaus 8.455 casos da doença. Em 2015, foram confirmados 8.501 casos de malária.

O documento aponta que das 1.017 localidades ativas (áreas urbanas, assentamentos e áreas rurais) de Manaus, 450 apresentaram casos de malária. Destas, 68 concentraram até 80% dos casos e 24 foram responsáveis por 50% dos casos positivos da doença entre janeiro e dezembro do ano passado. 
 

 

 

Foto: Divulgação/Fapeam

 

A zona Rural concentrou a metade do total de casos positivos da doença registrados em 2016, seguida das zonas Leste e Oeste, com 44% e 5% das notificações, respectivamente.

O Boletim destaca a significativa receptividade entomológica e vulnerabilidade da cidade de Manaus para o processo de transmissão de malária tanto na área urbana quanto na rural, devido à grande movimentação de pessoas em áreas de risco. Estas áreas são representadas, principalmente, pelas regiões do rio Tarumã, Grande Tarumãzinho, Ramal do Brasileirinho, Ramal do Ipiranga e Ipiriranguinha.

“Como a maior parte dos municípios da Amazônia, reunimos condições sociais e ambientais favoráveis ao desenvolvimento do mosquito transmissor da malária”, diz o secretário municipal de Saúde, Homero de Miranda Leão Neto.  Segundo ele, dentre os problemas relacionados à persistência da doença como um significativo problema de saúde pública, está a ocupação desordenada dos espaços e a elevada mobilidade da população entre as áreas urbanas e rurais, facilitando o ciclo de contaminação dos mosquitos e infecção de pessoas.

Desde 2014, três grandes invasões - Acampamento Coliseu, Jéferson Peres e Novo Paraíso – concentram grande parte dos casos notificados na capital. Além disso, pequenos focos da doença concentram-se nas regiões do Tarumã Grande, AM 010 e BR 174, em decorrência do desenvolvimento de atividades como a piscicultura.

“Esse tipo de atividade, assim como novos empreendimentos imobiliários nos limites florestais, precisa de ordenamento e controle de impacto na saúde, sob pena de potencializar a reprodução vetorial e os riscos de adoecimento”, destaca Homero. O secretário explica que o vetor da malária (Anopheles) se reproduz em ambiente de sombra e água parada, especialmente margens de rios, igarapés e outras coleções hídricas naturais ou artificiais.

Controle

Para controlar a malária, a Semsa atua em duas frentes: atenção ao paciente e controle vetorial. Na primeira, realiza busca ativa e inquérito hemoscópico com direcionamento para as áreas de transmissão, além de diagnóstico e tratamento em diversos pontos de referência. Na segunda, realiza ações entomológicas com pesquisa larvária e identificação de espécimes do vetor transmissor, borrifação intradomiciliar e nebulização espacial em áreas com notificação de casos e transmissão ativa, além de reposição de mosquiteiros impregnados e atividades de educação em saúde voltadas à orientação e conscientização da população.

O Plano de Intensificação 2015-2016 focou áreas prioritárias, por meio do planejamento, monitoramento e avaliação, nas zonas Leste, Oeste e Rural do município, a fim de reduzir a incidência de casos de malária na capital amazonense.

A malária é uma doença infecciosa febril aguda, causada por protozoários, transmitidos pela fêmea infectada do mosquito Anopheles. Apresenta cura se for tratada em tempo oportuno e adequadamente.

A maioria dos casos de malária se concentra na região Amazônica (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins), área endêmica para a doença. Nas demais regiões, apesar das poucas notificações, a doença não pode ser negligenciada, pois se observa uma letalidade mais elevada que na região endêmica.

TAG ManausAmazonasmalariaqueda