Ciência e Tecnologia

Manaós Tech inaugura escola de robótica e programação para crianças em Manaus

Objetivo é incentivar crianças a aprender a criar tecnologia e não apenas consumir


Permitir que a criança aprenda a criar tecnologia é um dos objetivos da Manaós Tech for Kids, escola de robótica e programação para crianças no HUB Tecnologia e inovação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Inaugurada na última sexta-feira (3), é voltada para crianças e adolescentes, entre 6 e 16 anos, com cursos regulares e turmas divididas por crianças de 6 a 11 anos, chamadas de Padawans (aprendiz de Jedi); e turmas para alunos de 12 a 16 anos, batizadas de Jedis, uma referência à série de filmes 'Star Wars'.

“Queremos que as crianças passem a se expressar por meio da tecnologia, que possam criar e não só consumir tecnologia. As turmas são reduzidas para melhor qualidade das aulas, cada um com sua máquina (notebook). Um professor e um auxiliar acompanham e direcionam todo o aprendizado”, afirma um dos fundadores da escola, Glauco Aguiar.

Os cursos serão divididos em seis níveis. Para os Padawans, o conteúdo conta com lógica de games, criação de aplicativos e empreendedorismo (nível 1); mecânica para robôs I, programação para robôs I, iniciação científica I e amostra tecnológica (nível 2); programação com Minecraft, Arduíno I, Youtuber e edição de vídeos (nível 3); mecânica para robôs II, programação para robôs II, torneio de robótica e amostra tecnológica (nível 4); criando startup, impressão 3D, mecânica para robôs III e programação para robôs III (nível 5); projeto científico e First Lego League (nível 6).  
 

 

 

Crianças de 6 a 11 anos ficam em turmas chamadas de 'Padawans'. Foto: Divulgação/Manaós Tech

 

Já para os Jedis, os níveis serão divididos em episódios. Eles aprenderão lógica com aplicativos, lógica com Arduíno e construção de robôs I (episódio 1); programando robôs I, iniciação científica e First Lego League (episódio 2); IoT, produção de games e empreendedorismo (episódio 3); construção de robôs II, OBR e First Lego League (episódio 4); criando startup, impressão 3D, programação de robôs avançada e youtuber e edição de vídeos (episódio 5); projeto científico, OBR, First Lego League e trabalho de conclusão de curso (episódio 6).

Flipped Classroom

De acordo com Glauco, a escola utiliza a metodologia flipped classroom (sala de aula invertida). “Ao invés do dever de casa, nós oferecemos o conteúdo ao aluno, geralmente vídeos que têm a ver com a próxima aula, para que ele já chegue cheio de ideias e dúvidas. O papel do professor é direcionar, ele não é mais o detentor do conhecimento, ele ajuda o aluno a encontrar o caminho certo para solucionar as suas dúvidas e pôr em prática suas ideias”, explica.

Nas práticas de robótica, eles usam o Mindstorms, robô educacional da Lego. Segundo Glauco, esse é um dos diferenciais da escola. “Existem outros robôs educacionais, mas o da Lego permite usar melhor a criatividade. A criança não fica limitada a programar um software, ela tem que criar o robô. É um processo mais complexo porque o aluno precisa criar todos os mecanismos”, comenta.

Estrutura e ambiente

O ambiente conta com um computador por aluno, internet, robôs Mindstorms, impressora 3D, mesa padrão da First Lego League, além da ambientação criativa e inspiradora, com uma parede com os principais ícones de tecnologia e robótica. Estão nesse hall Leonardo Da Vinci (Autômato), Nikola Tesla (Robô), Isaac Asimov (Eu robô), Steve Wozniak (Apple), Alan Turing (pai da computação), George Devol (robô industrial), Tim Berners-Lee (world wide web), Linus Torvalds (Linux), Steve Jobs (Apple) e Bill Gates (Microsoft). “Na continuação dessa linha do tempo, há um espaço para o programador do mês e um espelho para que desperte no aluno o desejo de fazer parte dessa história”, comenta Glauco.

A escola também transmite os valores de trabalho em grupo baseados no First Lego League (FLL), maior torneio de robótica do mundo, feito para crianças entre 9 e 16 anos. São eles: trabalho em time, competição saudável, dividir experiências. “Esses valores são fundamentais. Não interessa só se eles desenvolvem um trabalho, mas a forma como eles fazem é muito importante: se desenvolvem em harmonia, ou brigando, ou exercendo a liderança, isso tudo faz diferença”, pontua.

Inscrições

As inscrições para os cursos da Manaós Tech for Kids estão abertas com turmas disponíveis nas segundas-feiras (das 14h às 15h30 e de 16h até 17h30); terças (8h às 9h30 e de 10h até 11h30) e aos sábados (10h às 11h30 e de 15h até 16h30). Para os primeiros alunos inscritos a mensalidade custa R$ 199, com material didático incluso. A HUB Tecnologia e inovação da UEA está localizada na Avenida Darcy Vargas, n°.1.200. As aulas iniciam a partir de 13 de março. Para mais informações: (92) 99418-4915, (92) 98167-9003, (92) 99199-6575 ou pelo Opens external link in new windowsite da escola.  

 


Ciência e Tecnologia

Manaós Tech inaugura escola de robótica e programação para crianças em Manaus

Objetivo é incentivar crianças a aprender a criar tecnologia e não apenas consumir

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


Permitir que a criança aprenda a criar tecnologia é um dos objetivos da Manaós Tech for Kids, escola de robótica e programação para crianças no HUB Tecnologia e inovação da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Inaugurada na última sexta-feira (3), é voltada para crianças e adolescentes, entre 6 e 16 anos, com cursos regulares e turmas divididas por crianças de 6 a 11 anos, chamadas de Padawans (aprendiz de Jedi); e turmas para alunos de 12 a 16 anos, batizadas de Jedis, uma referência à série de filmes 'Star Wars'.

“Queremos que as crianças passem a se expressar por meio da tecnologia, que possam criar e não só consumir tecnologia. As turmas são reduzidas para melhor qualidade das aulas, cada um com sua máquina (notebook). Um professor e um auxiliar acompanham e direcionam todo o aprendizado”, afirma um dos fundadores da escola, Glauco Aguiar.

Os cursos serão divididos em seis níveis. Para os Padawans, o conteúdo conta com lógica de games, criação de aplicativos e empreendedorismo (nível 1); mecânica para robôs I, programação para robôs I, iniciação científica I e amostra tecnológica (nível 2); programação com Minecraft, Arduíno I, Youtuber e edição de vídeos (nível 3); mecânica para robôs II, programação para robôs II, torneio de robótica e amostra tecnológica (nível 4); criando startup, impressão 3D, mecânica para robôs III e programação para robôs III (nível 5); projeto científico e First Lego League (nível 6).  
 

 

 

Crianças de 6 a 11 anos ficam em turmas chamadas de 'Padawans'. Foto: Divulgação/Manaós Tech

 

Já para os Jedis, os níveis serão divididos em episódios. Eles aprenderão lógica com aplicativos, lógica com Arduíno e construção de robôs I (episódio 1); programando robôs I, iniciação científica e First Lego League (episódio 2); IoT, produção de games e empreendedorismo (episódio 3); construção de robôs II, OBR e First Lego League (episódio 4); criando startup, impressão 3D, programação de robôs avançada e youtuber e edição de vídeos (episódio 5); projeto científico, OBR, First Lego League e trabalho de conclusão de curso (episódio 6).

Flipped Classroom

De acordo com Glauco, a escola utiliza a metodologia flipped classroom (sala de aula invertida). “Ao invés do dever de casa, nós oferecemos o conteúdo ao aluno, geralmente vídeos que têm a ver com a próxima aula, para que ele já chegue cheio de ideias e dúvidas. O papel do professor é direcionar, ele não é mais o detentor do conhecimento, ele ajuda o aluno a encontrar o caminho certo para solucionar as suas dúvidas e pôr em prática suas ideias”, explica.

Nas práticas de robótica, eles usam o Mindstorms, robô educacional da Lego. Segundo Glauco, esse é um dos diferenciais da escola. “Existem outros robôs educacionais, mas o da Lego permite usar melhor a criatividade. A criança não fica limitada a programar um software, ela tem que criar o robô. É um processo mais complexo porque o aluno precisa criar todos os mecanismos”, comenta.

Estrutura e ambiente

O ambiente conta com um computador por aluno, internet, robôs Mindstorms, impressora 3D, mesa padrão da First Lego League, além da ambientação criativa e inspiradora, com uma parede com os principais ícones de tecnologia e robótica. Estão nesse hall Leonardo Da Vinci (Autômato), Nikola Tesla (Robô), Isaac Asimov (Eu robô), Steve Wozniak (Apple), Alan Turing (pai da computação), George Devol (robô industrial), Tim Berners-Lee (world wide web), Linus Torvalds (Linux), Steve Jobs (Apple) e Bill Gates (Microsoft). “Na continuação dessa linha do tempo, há um espaço para o programador do mês e um espelho para que desperte no aluno o desejo de fazer parte dessa história”, comenta Glauco.

A escola também transmite os valores de trabalho em grupo baseados no First Lego League (FLL), maior torneio de robótica do mundo, feito para crianças entre 9 e 16 anos. São eles: trabalho em time, competição saudável, dividir experiências. “Esses valores são fundamentais. Não interessa só se eles desenvolvem um trabalho, mas a forma como eles fazem é muito importante: se desenvolvem em harmonia, ou brigando, ou exercendo a liderança, isso tudo faz diferença”, pontua.

Inscrições

As inscrições para os cursos da Manaós Tech for Kids estão abertas com turmas disponíveis nas segundas-feiras (das 14h às 15h30 e de 16h até 17h30); terças (8h às 9h30 e de 10h até 11h30) e aos sábados (10h às 11h30 e de 15h até 16h30). Para os primeiros alunos inscritos a mensalidade custa R$ 199, com material didático incluso. A HUB Tecnologia e inovação da UEA está localizada na Avenida Darcy Vargas, n°.1.200. As aulas iniciam a partir de 13 de março. Para mais informações: (92) 99418-4915, (92) 98167-9003, (92) 99199-6575 ou pelo Opens external link in new windowsite da escola.  

 

TAG ManausAmazonastecnologiaeducacao