Publicidade

Meio Ambiente

Home > Noticias > null

Madeireiros são condenados a prestar quase mil horas de serviço comunitário, por desmatamento

Justiça condenou desmatadores no Pará a prestar 955 horas de serviços comunitários, além de multa

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Os donos de uma madeireira foram condenados pela Justiça Federal a prestar 955 horas de serviços comunitários pelo desmatamento de 3 mil metros quadrados de floresta em área de preservação permanente no município de Prainha, no oeste do Pará.


Eles também foram acusados pela queima de resíduos sólidos a céu aberto no pátio da empresa e pelo depósito desses resíduos nas margens do rio Curuatinga. Os crimes foram cometidos em julho de 2009.
Foto:Divulgação/Ibama

Os dois réus terão que pagar ainda multa de R$ 50 mil ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e a madeireira vai ter de custear programas e projetos ambientais no valor de 50 salários mínimos.


A sentença ressalta que as consequências dos crimes são reprováveis e que a floresta amazônica é vital ao equilíbrio ecológico não somente na Região Norte, mas em todo o Brasil e no mundo.


A decisão, assinada no último dia 10, foi divulgada nesta quinta-feira (16) pelo Ministério Público Federal no Pará, autor da ação contra os desmatadores.


A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos donos da Madeireira Rancho da Cabocla, Moacir Ciesca e Keybo Kalazy Canhetti Ciesca.




Meio Ambiente

Madeireiros são condenados a prestar quase mil horas de serviço comunitário, por desmatamento

Justiça condenou desmatadores no Pará a prestar 955 horas de serviços comunitários, além de multa

Portal Amazônia, com informações da Radioagência Nacional

jornalismo@portalamazonia.com


Os donos de uma madeireira foram condenados pela Justiça Federal a prestar 955 horas de serviços comunitários pelo desmatamento de 3 mil metros quadrados de floresta em área de preservação permanente no município de Prainha, no oeste do Pará.


Eles também foram acusados pela queima de resíduos sólidos a céu aberto no pátio da empresa e pelo depósito desses resíduos nas margens do rio Curuatinga. Os crimes foram cometidos em julho de 2009.
Foto:Divulgação/Ibama

Os dois réus terão que pagar ainda multa de R$ 50 mil ao Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), e a madeireira vai ter de custear programas e projetos ambientais no valor de 50 salários mínimos.


A sentença ressalta que as consequências dos crimes são reprováveis e que a floresta amazônica é vital ao equilíbrio ecológico não somente na Região Norte, mas em todo o Brasil e no mundo.


A decisão, assinada no último dia 10, foi divulgada nesta quinta-feira (16) pelo Ministério Público Federal no Pará, autor da ação contra os desmatadores.


A reportagem não conseguiu contato com a defesa dos donos da Madeireira Rancho da Cabocla, Moacir Ciesca e Keybo Kalazy Canhetti Ciesca.





TAG madeireirosbelemparacondenacaojustica federal