Publicidade

Amazônia

Home > Noticias > null

Formigas são usadas para monitoramento da biodiversidade na Amazônia; entenda o processo

As formigas têm sido usadas, por exemplo, na avaliação de ações de manejo como desmatamentos, proteção dos recursos naturais e impactos de incêndios florestais

Portal Amazônia, com informações da Fapeam

jornalismo@portalamazonia.com


As formigas podem prover informações valiosas para o monitoramento da biodiversidade e têm sido usadas, por exemplo, na avaliação de ações de manejo como desmatamentos, proteção dos recursos naturais, impactos de incêndios florestais, instalação de hidrelétricas e os causados pelas mudanças do clima.

 

Pesquisa científica apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) buscou definir, um protocolo de identificação, que fosse eficiente e economicamente viável, para substituir a identificação de espécies de formigas no monitoramento da biodiversidade na Amazônia.

 

Foto: Érico Xavier/Fapeam

O projeto “Uso de abordagem taxonômica, ecológica e funcional foi desenvolvido para validar o uso de substitutos de espécies de formigas em monitoramentos da biodiversidade na Amazônia” foi desenvolvido pelo pesquisador Jorge Souza, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e demonstrou que a utilização de gêneros de formigas como substitutos de espécies é uma ferramenta vantajosa, com um custo benefício favorável, para o monitoramento da biodiversidade e capaz de fornecer as mesmas informações que as espécies.

 

O estudo foi realizado com espécies de formigas coletadas no solo, e de um banco de dados que abrange coletas nos estados do Amazonas (AM), Roraima (RR) e Rondônia (RO), e foi amparado pelo Programa de Apoio à Fixação de Doutores no Amazonas (Fixam/AM), edital Nº 022/2013.

 

No mundo existem cerca de 15.500 espécies de formigas, e identificar todas as espécies para o monitoramento ambiental leva muito tempo. Por isso, os pesquisadores resolveram criar mecanismos mais simples para a classificação desses insetos, e que resultassem na escolha, avaliação ou monitoramento mais rápido de áreas de reserva ambiental.

 

Por meio desse controle foi possível verificar que dentro das Reservas os eventos climáticos naturais como a seca, o El Niño e a La Niña, não afetaram as espécies de formigas de maneira drástica, mudam as espécies, mas as funções ecossistêmicas têm se mantido.

 

Foto: Érico Xavier/Fapeam

O monitoramento é importante também para saber quando a espécie é substituída, perdida ou aparece uma nova, e se esses processos de interação entre as formigas e o ambiente ainda estão acontecendo ou vão mudar.

 

Para o pesquisador, o estudo permite fomentar discussões relacionadas a políticas públicas direcionadas ao monitoramento da biodiversidade na região Amazônica.

 

Confira sobre o estudo em:

 

Diversity and Distributions em 2016

Biodiversity and Conservation em 2018

 

Fixam

 

Estimular a fixação de recursos humanos com experiência em ciência, tecnologia e inovação e/ou reconhecida competência profissional em instituições de ensino superior e pesquisa, institutos de pesquisa, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, empresas privadas e microempresas que atuem em investigação científica ou tecnológica. Propiciar o fortalecimento dos grupos de pesquisa existentes e a criação de novas linhas de pesquisa de interesse regional, mediante a contínua integração entre os setores acadêmico, científico e o Estado.

 

Amazônia

Formigas são usadas para monitoramento da biodiversidade na Amazônia; entenda o processo

As formigas têm sido usadas, por exemplo, na avaliação de ações de manejo como desmatamentos, proteção dos recursos naturais e impactos de incêndios florestais

Portal Amazônia, com informações da Fapeam

jornalismo@portalamazonia.com


As formigas podem prover informações valiosas para o monitoramento da biodiversidade e têm sido usadas, por exemplo, na avaliação de ações de manejo como desmatamentos, proteção dos recursos naturais, impactos de incêndios florestais, instalação de hidrelétricas e os causados pelas mudanças do clima.

 

Pesquisa científica apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) buscou definir, um protocolo de identificação, que fosse eficiente e economicamente viável, para substituir a identificação de espécies de formigas no monitoramento da biodiversidade na Amazônia.

 

Foto: Érico Xavier/Fapeam

O projeto “Uso de abordagem taxonômica, ecológica e funcional foi desenvolvido para validar o uso de substitutos de espécies de formigas em monitoramentos da biodiversidade na Amazônia” foi desenvolvido pelo pesquisador Jorge Souza, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e demonstrou que a utilização de gêneros de formigas como substitutos de espécies é uma ferramenta vantajosa, com um custo benefício favorável, para o monitoramento da biodiversidade e capaz de fornecer as mesmas informações que as espécies.

 

O estudo foi realizado com espécies de formigas coletadas no solo, e de um banco de dados que abrange coletas nos estados do Amazonas (AM), Roraima (RR) e Rondônia (RO), e foi amparado pelo Programa de Apoio à Fixação de Doutores no Amazonas (Fixam/AM), edital Nº 022/2013.

 

No mundo existem cerca de 15.500 espécies de formigas, e identificar todas as espécies para o monitoramento ambiental leva muito tempo. Por isso, os pesquisadores resolveram criar mecanismos mais simples para a classificação desses insetos, e que resultassem na escolha, avaliação ou monitoramento mais rápido de áreas de reserva ambiental.

 

Por meio desse controle foi possível verificar que dentro das Reservas os eventos climáticos naturais como a seca, o El Niño e a La Niña, não afetaram as espécies de formigas de maneira drástica, mudam as espécies, mas as funções ecossistêmicas têm se mantido.

 

Foto: Érico Xavier/Fapeam

O monitoramento é importante também para saber quando a espécie é substituída, perdida ou aparece uma nova, e se esses processos de interação entre as formigas e o ambiente ainda estão acontecendo ou vão mudar.

 

Para o pesquisador, o estudo permite fomentar discussões relacionadas a políticas públicas direcionadas ao monitoramento da biodiversidade na região Amazônica.

 

Confira sobre o estudo em:

 

Diversity and Distributions em 2016

Biodiversity and Conservation em 2018

 

Fixam

 

Estimular a fixação de recursos humanos com experiência em ciência, tecnologia e inovação e/ou reconhecida competência profissional em instituições de ensino superior e pesquisa, institutos de pesquisa, empresas públicas de pesquisa e desenvolvimento, empresas privadas e microempresas que atuem em investigação científica ou tecnológica. Propiciar o fortalecimento dos grupos de pesquisa existentes e a criação de novas linhas de pesquisa de interesse regional, mediante a contínua integração entre os setores acadêmico, científico e o Estado.

 


TAG formigasbiodiversidadeFapeam