Publicidade

Cidades

Força-Tarefa é montada para atender pessoas afetadas pelas cheias, no interior do Amazonas

Cerca de 400 mil pessoas em 46 municípios do Amazonas já foram afetadas pelas cheias, neste ano.


A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) apresentou, nesta terça-feira (11), uma força-tarefa para tratar das demandas decorrentes do impacto da cheia no interior do Amazonas. Entre as ações está o envio de medicamentos, que ganhou reforço nas cidades afetadas pela enchente, e o envio de uma balsa para fazer atendimento hospitalar da população em Anamã.


De acordo com a Defesa Civil, a cheia deste ano já afetou 400 mil pessoas em 46 municípios do Amazonas.


O grupo da força-tarefa é composto pela Defesa Civil, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Secretaria de Estado Assistência Social (Seas), o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Estado (Idam) e a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS).
Foto: Divulgação/Governo do Amazonas


O trabalho articulado visa auxiliar as prefeituras no atendimento às demandas dos municípios afetados.


Como parte dos serviços oferecidos pela Susam, o secretário em exercício, Cassio Roberto do Espírito Santo, destacou a embarcação que chegou ao município de Anamã, no último domingo (9). Todos os serviços do hospital estão sendo transferidos e serão executados durante três meses para a balsa, para substituir atividades desenvolvidas no hospital Francisco Sales de Moura que foi afetado pela enchente.



“Quando a gente fala de saúde, a gente não fala só sobre as ações da Susam. Tem a ver com assistência social, tem a ver com educação, com cidadania, tem que estar junto às ações da FVS (Fundação de Vigilância em Saúde). A Defesa Civil que está mandando água potável e diminuiu as doenças de veiculação hídrica. E, nesse processo, a secretaria está trabalhando de forma unida para combater as consequências nos municípios”, disse.


Na avaliação do secretário executivo da Defesa Civil do Amazonas, tenente-coronel Francisco Máximo, a reunião serviu para alinhar a otimização dos recursos do Estado.


“Então a ideia é essa: a gente unir essa força-tarefa, para que possamos, obviamente, atender essas demandas municipais. Para tirá-los (moradores) dessa condição de desastre e permitir que essas famílias possam ter o restabelecimento dos serviços essenciais que estão comprometidos”, afirmou ele.
Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Medicamentos


Como suporte para os municípios, o secretário em exercício da Susam informou que a secretária está em tratativas com o Ministério da Saúde para envio de medicamentos. “O secretário Rodrigo Tobias já entrou em contato com o Ministério da Saúde e a gente vem negociando o aporte maior de medicamentos para o Estado, considerando que com as cheias existe um aumento das doenças de veiculação hídrica”, relatou o secretário em exercício.


Ações de enfrentamento


Várias secretarias e órgãos estão contribuindo para o enfrentamento ao desastre. A FVS, por exemplo, já havia destacado as ações preventivas realizadas por meio do Comitê Interno de Vigilância em Desastre e Saúde. Já a Sejusc, propôs a utilização de três embarcações da pasta para o auxílio da Defesa Civil, levando também os serviços de cidadania, como emissão de certidão de nascimento, RG, CPF e outras documentações e serviços.








Cidades

Home > Noticias > null

Força-Tarefa é montada para atender pessoas afetadas pelas cheias, no interior do Amazonas

Cerca de 400 mil pessoas em 46 municípios do Amazonas já foram afetadas pelas cheias, neste ano.

Redação

jornalismo@portalamazonia.com


A Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) apresentou, nesta terça-feira (11), uma força-tarefa para tratar das demandas decorrentes do impacto da cheia no interior do Amazonas. Entre as ações está o envio de medicamentos, que ganhou reforço nas cidades afetadas pela enchente, e o envio de uma balsa para fazer atendimento hospitalar da população em Anamã.


De acordo com a Defesa Civil, a cheia deste ano já afetou 400 mil pessoas em 46 municípios do Amazonas.


O grupo da força-tarefa é composto pela Defesa Civil, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Secretaria de Estado Assistência Social (Seas), o Instituto de Desenvolvimento Agropecuário do Estado (Idam) e a Fundação de Vigilância em Saúde (FVS).
Foto: Divulgação/Governo do Amazonas


O trabalho articulado visa auxiliar as prefeituras no atendimento às demandas dos municípios afetados.


Como parte dos serviços oferecidos pela Susam, o secretário em exercício, Cassio Roberto do Espírito Santo, destacou a embarcação que chegou ao município de Anamã, no último domingo (9). Todos os serviços do hospital estão sendo transferidos e serão executados durante três meses para a balsa, para substituir atividades desenvolvidas no hospital Francisco Sales de Moura que foi afetado pela enchente.



“Quando a gente fala de saúde, a gente não fala só sobre as ações da Susam. Tem a ver com assistência social, tem a ver com educação, com cidadania, tem que estar junto às ações da FVS (Fundação de Vigilância em Saúde). A Defesa Civil que está mandando água potável e diminuiu as doenças de veiculação hídrica. E, nesse processo, a secretaria está trabalhando de forma unida para combater as consequências nos municípios”, disse.


Na avaliação do secretário executivo da Defesa Civil do Amazonas, tenente-coronel Francisco Máximo, a reunião serviu para alinhar a otimização dos recursos do Estado.


“Então a ideia é essa: a gente unir essa força-tarefa, para que possamos, obviamente, atender essas demandas municipais. Para tirá-los (moradores) dessa condição de desastre e permitir que essas famílias possam ter o restabelecimento dos serviços essenciais que estão comprometidos”, afirmou ele.
Foto: Reprodução/Rede Amazônica

Medicamentos


Como suporte para os municípios, o secretário em exercício da Susam informou que a secretária está em tratativas com o Ministério da Saúde para envio de medicamentos. “O secretário Rodrigo Tobias já entrou em contato com o Ministério da Saúde e a gente vem negociando o aporte maior de medicamentos para o Estado, considerando que com as cheias existe um aumento das doenças de veiculação hídrica”, relatou o secretário em exercício.


Ações de enfrentamento


Várias secretarias e órgãos estão contribuindo para o enfrentamento ao desastre. A FVS, por exemplo, já havia destacado as ações preventivas realizadas por meio do Comitê Interno de Vigilância em Desastre e Saúde. Já a Sejusc, propôs a utilização de três embarcações da pasta para o auxílio da Defesa Civil, levando também os serviços de cidadania, como emissão de certidão de nascimento, RG, CPF e outras documentações e serviços.







TAG alagamento cheia rio negro 2019cheiaamazonas