Publicidade

Internacional

Home > Noticias > null

Eleitores da Bolívia decidem se Evo Morales pode se reeleger

Pesquisas de intenção de voto mostram vantagem do Não sobre o Sim, especialmente após virem à tona denúncias de corrupção contra Morales

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil


BRASÍLIA - Mais de 6,5 milhões de cidadãos da Bolívia irão às urnas neste domingo (21) para votar em um referendo constitucional para decidir se o presidente Evo Morales. O presidente está no poder desde 2006 e poderá se candidatar novamente nas próximas eleições do país, em 2019.Pesquisas de intenção de voto realizadas no últimos dias mostram vantagem do “Não” sobre o “Sim”, especialmente após virem à tona denúncias de corrupção contra Morales. O presidente é acusado de usar sua influência política para que uma ex-namorada conseguisse emprego em uma multinacional chinesa que já assinou pelo menos sete contratos milionários com o governo boliviano, entre eles a construção de uma mina de potássio no Salar de Uyuni. Morales nega as acusações de tráfico de influência.A reforma constitucional que pode permitir um novo mandato a Morales foi proposta por organizações sociais e indigenas ao Parlamento boliviano. A reforma consiste em uma mudança na redação do Artigo 168 da Constituição para que o presidente possa se candidatar duas vezes à reeleição de maneira contínua, e não apenas uma vez, como prevê atualmente. Mais de 250 mil bolivianos votarão no referendo de hoje fora do país, nas embaixadas e consulados. Mais da metade dos bolivianos que podem votar no exterior estão na Argentina.
*Com informações das agências Télam e Ansa Brasil 
Internacional

Eleitores da Bolívia decidem se Evo Morales pode se reeleger

Pesquisas de intenção de voto mostram vantagem do Não sobre o Sim, especialmente após virem à tona denúncias de corrupção contra Morales

Portal Amazônia, com informações da Agência Brasil


BRASÍLIA - Mais de 6,5 milhões de cidadãos da Bolívia irão às urnas neste domingo (21) para votar em um referendo constitucional para decidir se o presidente Evo Morales. O presidente está no poder desde 2006 e poderá se candidatar novamente nas próximas eleições do país, em 2019.Pesquisas de intenção de voto realizadas no últimos dias mostram vantagem do “Não” sobre o “Sim”, especialmente após virem à tona denúncias de corrupção contra Morales. O presidente é acusado de usar sua influência política para que uma ex-namorada conseguisse emprego em uma multinacional chinesa que já assinou pelo menos sete contratos milionários com o governo boliviano, entre eles a construção de uma mina de potássio no Salar de Uyuni. Morales nega as acusações de tráfico de influência.A reforma constitucional que pode permitir um novo mandato a Morales foi proposta por organizações sociais e indigenas ao Parlamento boliviano. A reforma consiste em uma mudança na redação do Artigo 168 da Constituição para que o presidente possa se candidatar duas vezes à reeleição de maneira contínua, e não apenas uma vez, como prevê atualmente. Mais de 250 mil bolivianos votarão no referendo de hoje fora do país, nas embaixadas e consulados. Mais da metade dos bolivianos que podem votar no exterior estão na Argentina.
*Com informações das agências Télam e Ansa Brasil 

TAG